Publicidade

Correio Braziliense EXPERIÊNCIAS

Visita sem medo, conheça locais assombrados que chama atenção de turistas

A história deixa marcas em construções e o imaginário popular reforça crenças. Muitos são os locais considerados assombrados no Brasil que viraram atrações turísticas. E haja arrepio!


postado em 02/09/2018 10:00 / atualizado em 30/08/2018 18:51

 

(foto: Prefeitura do Rio de Janeiro/Divulgação)
(foto: Prefeitura do Rio de Janeiro/Divulgação)


O mundo está repleto de histórias para contar, principalmente em locais que foram cenário de  acontecimentos históricos e que povoam o imaginário popular, atraindo turistas ávidos por roteiros “assombrados”. No Brasil, existem muitos lugares que são conhecidos como mal-assombrados e que recebem inúmeras visitas de curiosos, interessados em conhecer e saber mais sobre os contos inusitados que aterrorizam os visitantes.

Em São Paulo, no município de Ubatuba, havia um presídio situado na Ilha Anchieta, que deixou um grande mistério no ar. Em 1952, houve um terrível massacre, quando os criminosos mais perigosos que se abrigavam na prisão decidiram planejar uma fuga. Acabou que não deu muito certo, e muitos se afogaram, foram devorados por tubarões ou queimados por um incêndio causado pelos próprios prisioneiros. As pessoas que visitam o local comentam que podem escutar vozes e gritos dos que morreram no local. A ilha hoje é o Parque Estadual da Ilha Anchieta, que pode ser visitada por meio de barcos, oportunidade para conhecer as histórias que rondam por lá.

E, para os amantes da arquitetura e de histórias antigas, há o Centro Cultural Oduvaldo Vianna Filho, na zona sul do Rio de Janeiro, mais conhecido como Castelinho do Flamengo. Dizem que, no século passado, um casal foi atropelado em frente ao castelo, tendo sua filha ficado sob a responsabilidade de um tutor, que a maltratava muito. Muitos falam que a menina pulou da torre do castelinho e que até hoje a alma dela fica vagando pelo local. É um ponto turístico da cidade e pode ser visitado por todos que passam por lá e têm curiosidade de saber como é o famoso castelinho assombrado.

Há também muito mistério (e assombração) em um centro histórico localizado na Bahia. No ano de 1755, depois de ter registrado assassinatos em série na casa, a edificação ficou conhecida como “Casa das sete mortes”. A vizinhança jurava escutar barulhos esquisitos vindos de dentro da casa. Assim, ficou com a fama de mal-assombrada, também por outras histórias de crimes do passado. Uns dizem que uma empregada, que teria sido muito maltratada, se vingou dos moradores da casa; outros já falam que o que ocorreu na casa estaria relacionado a uma tragédia amorosa. A lenda diz que as mortes foram causadas por envenenamento, mas ninguém sabe ao certo. Hoje, é possível não só visitar o casarão, como também fazer alguns cursos de músicas que são promovidos por lá.

 Arte macabra

(foto: Wikipedia/Divulgação)
(foto: Wikipedia/Divulgação)


É claro que existem muitos outros lugares com histórias macabras e que despertam a curiosidade de muitas pessoas. Algumas bastante conhecidas, como a assombração na Praia dos Padres (Guarapari-ES), o espírito da Fazenda Capitão Bonito (Sidrolândia-MS), o roteiro assustador do Teatro Santa Roza (João Pessoa-PB) e muitas outras. É possível procurar mais sobre esses lugares e, quem sabe, fazer uma visitinha para se aventurar no mundo dos contos de terror.

 

Vozes da tortura     

(foto: Prefeitura de Aiuruoca/Divulgação)
(foto: Prefeitura de Aiuruoca/Divulgação)

 

O que não faltam são lugares com histórias misteriosas que nos deixam bem curiosos para conhecê-las mais a fundo. E não podemos deixar de lado a Cachoeira de Angahy Pequeno, que fica localizada nas terras mineiras, na cidade de Aiuruoca. Uma cachoeira de beleza exuberante, mas com um lado bem sombrio. Na época da mineração Ciclo do Ouro, havia uma fazenda próxima, com colonos e escravos, que garimpavam ouro e outras pedras preciosas. Dizem que muitos escravos eram maltratados ou mortos ali quando havia confronto entre eles (escravos e colonos), devido ao trabalho pesado e difícil. Tempos depois, as pessoas dizem que ocorreram eventos sobrenaturais, como aparições, barulhos de pás e enxadas, vozes e toques repentinos nos turistas e moradores da região.

Vultos das obras

(foto: Iano Andrade/CB/D.A Press )
(foto: Iano Andrade/CB/D.A Press )


O Distrito Federal também tem muitas histórias de assombração. A mais famosa delas relata aparições de trabalhadores que teriam morrido nas obras durante a construção do Congresso Nacional, em Brasília. Muitas pessoas juram que viram vultos dos candangos, como eram chamados, vagando por entre os prédios e cúpulas da Câmara e do Senado.



* Estagiária sob a supervisão da subeditora Elizabeth Colares, dos Diários Associados

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade