Publicidade

Correio Braziliense AVENTURA

Destino camaleão, destinos que mudam de acordo com a estação do ano

O cenário muda com a estação do ano.Locais surpreendentes oferecem atividades diferentes ao longo dos meses. Em comum, eles têm a beleza impressionante


postado em 22/09/2018 10:00 / atualizado em 21/09/2018 11:30

 

(foto: Marc Henauer/Flickr)
(foto: Marc Henauer/Flickr)

 

Experiências de viagens serão sempre diferentes, mesmo que o turista visite o local por diversas vezes. Há os que gostam e preferem que seja assim. São os mais tradicionais, que se sentem seguros com um roteiro conhecido. Oposto é o viajante aventureiro, em busca de locais diferentes, paisagens novas e programação diversificada. É possível, porém, encontrar cenários diferentes em um mesmo local, dependendo da estação do ano.

A mudança não está apenas nas cores da vegetação, da natureza ensolarada ou nublada. Alguns locais do planeta se transformam fisicamente. De uma forma tão profunda que às vezes é praticamente impossível acreditar que se está no mesmo lugar. O fenômeno ocorre, quase sempre, em virtude das estações do ano. Por isso, ao organizar uma viagem é importante verificar o calendário e se certificar de que as atividades programadas poderão ser realizadas.

Se, por um lado, é uma vantagem para quem gosta de experimentar o novo, por outro, dá tranquilidade ao turista que prefere evitar surpresas. Nem sempre é assim. É possível viver experiências completamente novas  em diferentes meses do ano. Conheça alguns passeios que se tornam plurais a cada temporada.

 

Mundo sob a água

O Gruner See, em Tragoess, na Áustria, dá uma boa ideia de como ficariam as cidades caso o nível das águas algum dia suba rapidamente. Traduzido como Lago Verde, o local ganhou fama por ficar metade do ano inundado, quando se forma um lindo lago de águas tranquilas, e outra metade como um belo parque aos pés da montanha Hochschwab, nos Alpes. No inverno, a profundidade não passa de dois metros e, ao seu redor, funciona um parque comum, com bancos de madeira, árvores, jardins e uma bela ponte. Durante a primavera, a neve acumulada nos cumes começa a derreter e inunda o Lago Verde até ficar com mais de 12 metros de profundidade e todo o parque fica submerso. Mergulhadores são atraídos na época de degelo para verem de perto esse pequeno mundo embaixo da água. Dois cenários de tirar o fôlego.

 

Tartaruga no mar

 

Situada no rio Muodaoxi, no sudoeste da China, a Ilha da Primavera, em formato de tartaruga, só fica visível durante três meses do ano, quando os níveis de água estão baixos. A tartaruga significa longevidade para o povo chinês e os moradores locais costumam dizer que, quando chega a primavera, chegou a tartaruga, já que é quando a ilha se “mostra”. Quando o rio está em sua profundidade habitual, 175 metros, a ilha apenas exibe o seu topo. Localizada perto da região da barragem das Três Gargantas, a “tartaruga” surge quando os níveis de água se encontram entre os 163 e os 168 metros.

Pista de patinação

(foto: Getty images/Divulgação)
(foto: Getty images/Divulgação)

 

O Lago Cildir em Ardahan, na Turquia, fica completamente congelado durante o inverno e se torna o maior rinque natural de patinação de gelo no país, com 123km². Esse espaço é utilizado por cavaleiros de todo o país para realizarem a competição Festival Cavalo Dourado. O festival tem várias modalidades, como corrida em cavalos sobre gelo, corrida de trenós e esportes como o jereen, que é jogado com lanças. Os participantes da corrida de trenós precisam tomar cuidado para não cair do veículo durante o percurso. A tentativa de se manter em equilíbrio é o que chama a atenção de vários turistas, além de competidores. No verão, quando o lago descongela, os locais e turistas que gostam de nadar a uma altitude de  1959 metros podem aproveitar o ambiente. Grupos de amigos e famílias visitam o local durante as épocas de calor para fazer piqueniques e aproveitar a vista.

Reflexo do céu

(foto: Reprodução)
(foto: Reprodução)

 

O Salar de Uyuni, localizado no sudoeste da Bolívia é conhecido como o maior deserto de sal do mundo. São cerca de 12 mil km² de extensão da planície de sal que foi formada em um processo que levou milhares de anos. As águas dos lagos que existiam na pré-história se evaporaram, o que resultou no deserto. Durante o período de seca, a vista é como um mar branco tão forte que fica difícil admirar sem óculos escuros, porém, no período chuvoso (dezembro a abril), é possível encontrá-lo alagado, o que torna a paisagem ainda mais bela. O deserto se torna um espelho que reflete o céu, as nuvens e até as estrelas durante a noite.

Sol da meia-noite

(foto: Luke Waterson/Flickr)
(foto: Luke Waterson/Flickr)


O lugar habitado mais próximo do Polo Norte, Svalbard, na Noruega, é um verdadeiro santuário de belugas, narvais, morsas e ursos-polares. Durante os meses de abril e agosto, ocorre o fenômeno sol da meia-noite, um período em que a cidade é bombardeada por luz e o sol brilha 24 horas por dia. No dia 11 de novembro, porém, o sol se põe e só volta a nascer no fim de novembro, então a cidade é mergulhada na Noite Polar: são dois meses e meio de pura escuridão. Na época da noite, porém, é possível admirar as auroras boreais. Fevereiro é um dos melhores meses para conhecer a cidade, já que o Sol começa a reaparecer aos poucos.


* Estagiária sob supervisão de Taís Braga

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade