Publicidade

Correio Braziliense AVENTURAS

Ligações perigosas, conheça pontes que são verdadeiros caminhos do medo

De caminho a ponto turístico. Pontes e passagens que ligam cidades, e até mesmo países, chamam a atenção de turistas pela arquitetura ousada e inusitada. Muitas despertam medo, além de curiosidade


postado em 26/09/2018 17:00 / atualizado em 26/09/2018 14:57

(foto: VisitTheUSA.com/Reprodução)
(foto: VisitTheUSA.com/Reprodução)

 

 

“A ponte não é de concreto, não é de ferro
Não é de cimento
A ponte é até onde vai o meu pensamento
A ponte não é para ir nem pra voltar
A ponte é somente pra atravessar”
(A Ponte, Lenine e Lula Queiroga)

Erguidas para facilitar o acesso de um ponto a outro, elas estão instaladas em locais inusitados, no alto de montanhas, embaixo da água, se integram à paisagem, reduzem distâncias e se tornaram pontos turísticos. Algumas exibem belas curvas, outras carregam anos de história, e há as modernas, construídas com material antes impossível de ser utilizado nesse tipo de obra. Quem tem medo de altura pode passar mal ao atravessar uma ponte de vidro na cidade de Shijiazhuang, na China. A estrutura liga dois penhascos a mais de 200 metros de altura. É certo que não vai escapar do frio na barriga.

O Eurotúnel, que liga a França à Inglaterra e possui um trecho submerso, construído nas águas do Oceano Atlântico, no Canal da Mancha, também desperta a ansiedade em muitos viajantes, embora seja admirado e tenha atraído muitos turistas para o trajeto. No ponto mais alto ou abaixo do nível do mar, a verdade que essas estruturas metem medo em muitos turistas aventureiros. O Turismo aponta algumas delas, que são incríveis para serem vistas e transformam em desafio o simples ato de atravessar.

Caminho sobre o mar


A primeira estrada dos Estados Unidos, Overseas Highway (US1), em Miami, no Sul da Flórida, leva a 42 pontes que interligam um conjunto de ilhas conhecido como Flórida Keys. Fincadas no mar, formam uma das construções mais surpreendentes do país. Entre as pontes, está a famosa 7 miles bridge. A sensação é de flutuar. O destino final é a cidade de Key West, mas a beleza está no trajeto.

Quem viveu a experiência de sonho foi a professora Maria Cruz, 38 anos, em maio deste ano. Ela e cinco amigas embarcaram rumo às ilhas e declarou que o percurso ficou na memória. “Alugamos um carro conversível e seguimos. Durante a viagem eu me senti livre”, revela. “Ali você percebe a inteligência humana em como construí-la, a grandiosidade do mundo e a fragilidade da vida, pois se romper um pilar da ponte você não tem como se salvar”. Mas nem tudo foi tranquilo. Maria conta que em alguns trechos ela sentiu medo. “Os trechos onde a ponte é mais extensa, quando nada aparece à sua frente, a estrada fica longe de uma ilha para outra, e você tem que seguir, pois não existe outro trajeto, assusta muito”, explica. Ao terminar o percurso, Maria confessa. “Era um sonho andar por ela”.

Transparência nas alturas

 


(foto: China Stringer Network/Divulgação - 28/12/17 )
(foto: China Stringer Network/Divulgação - 28/12/17 )

 

A Ponte de Vidro, localizada na China, é um dos maiores desafios para os aventureiros. Isso porque a obra que liga dois penhascos na cidade de Shijiazhuang, norte do país, fica a 218 metros de altura, sendo 488 metros de extensão — a mais longa do mundo. A estrutura, construída no Parque Hongya, é feita com 1.077 placas de vidro de 4cm de espessura sustentados no ar por 12 cabos de ferro reforçados. Ela é programada para balançar levemente e os construtores garantem que toda a estrutura resiste a terremotos de até seis graus de magnitude na escala Richter e furacões de força 12, a maior na Escala de Beaufort. Outro detalhe que chama a atenção é que a ponte tem capacidade para receber até três mil visitantes de uma vez, mas, por motivos de segurança, são liberadas 600 pessoas para caminharem ao mesmo tempo.

 

Estrada de sol

(foto: Wikimedia Commons/Reprodução)
(foto: Wikimedia Commons/Reprodução)

 

Inaugurada em junho deste ano nas colinas de Ba Na a 20km de Da Nang, cidade do Vietnã, a Cau Vang, ou Ponte Dourada, possui 150 metros de extensão e proporciona uma bela vista para o verde das florestas, o azul do céu e os surpreendentes 1.400 metros acima do nível do mar que cercam a ponte. O trajeto dourado é sustentado  por uma estrutura arrojada, em formato de duas mãos, que representam o deus da montanha puxando um filão de ouro das suas entranhas.

Revestidas com malha de aço e fibra de vidro, as mãos parecem ser esculpidas em pedra, envelhecidas pelo tempo e cobertas por musgo. A construtora orçou a obra em dois bilhões de dólares (equivalentes a R$ 7,42 bilhões), que ficou pronta em menos de um ano e chama a atenção de vários turistas de diferentes partes do mundo e também de fotógrafos à procura de belas imagens.


Mais alta


(foto: Wikimedia Commons/Reprodução)
(foto: Wikimedia Commons/Reprodução)

 

 

Na verdade, os arquitetos chineses parecem gostar de desafiar a natureza e de amedrontar os visitantes. No Grand Canyon de Zhangjiajie, na província de Hunan, existe outra ponte de vidro, que, embora menos extensa que a de Shijiazhuang, é a mais alta do mundo, a 300 metros de altura, ligando dois penhascos por 430 metros de passarela no Parque Natural de Zhangjiajie, no sul do país. Vencido o susto, o visitante pode se deslumbrar com uma visão das montanhas íngremes, que podem estar cobertas pela névoa, dependo da época. A vista do local onde está situada a ponte é tão bela que inspirou o diretor James Cameron a incluir as famosas montanhas no filme Avatar. A ideia do arquiteto da ponte, Haim Dotan, era que a obra ficasse invisível diante da beleza da natureza ao redor.

Salto de cabeça

 

 

(foto: Wikimedia Commons/Reprodução)
(foto: Wikimedia Commons/Reprodução)

 

Considerada uma das belezas da África do Sul, a bela Bloukrans Bridge em Garden Route é emoldurada pelas montanhas, o azul do céu que se funde com o tom do mar do Oceano Índico. A ponte oferece uma aventura e tanto — além do desafio de passar sobre ela— o visitante pode pular dela. Isso mesmo, com 216 metros de altura, a estrutura é considerada a maior ponte de bungee jump do mundo. Enquanto há aqueles que morrem de medo da travessia, há os que pulam de cabeça.


“A sensação é indescritível, adrenalina, é como sentir que você tem asas, e apreciar cada segundo do que é a natureza daquele lugar”, descreve a estudante de engenharia Marina Dias, 25 anos, que experimentou a aventura com o marido, Augusto Soares, 27. A estudante confessou que a sensação, quando subiu a ponte, foi assustadora. “No início tive muito medo, quis desistir e voltar atrás, mas valeu a pena”, revela.

Caminhar nas nuvens

 

(foto: Wikimedia Commons/Reprodução)
(foto: Wikimedia Commons/Reprodução)

 

Tão linda quanto assustadora, a Lang Kawi Sky Bridge, na Malásia, pode ter o nome traduzido como “sensação de estar caminhando no céu”. Amparada por apenas um pilar e sustentada por oito cabos de aço, a passarela fica a 700 metros de altura no Monte Mat Cinchang, na ilha de Langkawi. Seu diferencial é que se trata de uma ponte para caminhantes que possui a curva mais longa do mundo, feita propositalmente para que os visitantes tenham uma visão da paisagem de todos os ângulos.

O percurso é de 125 metros de extensão com 1,8 m de largura. No site de turismo da Malásia há uma advertência às pessoas que têm medo de altura, mas há garantia de que a ponte é totalmente segura. Ao atravessar, o visitante tem uma visão do mar cristalino que cerca a ilha e de algumas cachoeiras em meio à floresta tropical que fica no local. A entrada para os corajosos se dá por um teleférico, cujo percurso é gratuito, localizado na Vila Oriental, cidade turística da região. O local recebe somente 200 pessoas por vez.


Pioneiro japonês   

 

(foto: Wikimedia Commons/Reprodução)
(foto: Wikimedia Commons/Reprodução)
 

 

Em março deste ano, o túnel de Seikan, o mais profundo e o segundo mais extenso do mundo, completou 30 anos. Com 53,8km de extensão — destes, 23km são submersos. Construído a 240 metros abaixo da superfície, no Estreito de Tsugaru, conecta as duas principais ilhas do país, Honshu e Hokkaido. Além de servir como via de transporte de mercadorias entre as duas regiões, a travessia pelo Seikan é uma experiência inesquecível para os turistas. Calcula-se que cerca de 50 trens de carga e 30 trens-bala passam pelo túnel diariamente

Os menos corajosos precisam conhecer um pouco da história da construção da obra, que foi idealizada após o apelo dos moradores, assustados com a passagem de um tufão que afundou um navio e provocou a morte de 1.110 pessoas, que buscavam  uma maneira segura de atravessar o Estreito de Tsugaru. No ano passado, o túnel foi indicado com um dos 20 símbolos para representar a tecnologia e o patrimônio cultural do país pelo comitê nacional do Conselho Internacional sobre Monumentos e Locais no Japão.

Maravilha europeia

 


(foto: Wikimedia Commons/Reprodução)
(foto: Wikimedia Commons/Reprodução)


Considerado uma das sete maravilhas do mundo moderno, o Eurotúnel é o túnel ferroviário que liga a cidade de Folkestone, Kent, no Reino Unido, com Coquelles, em Pas-de-Calais, perto de Calais, no norte da França. Construído em 1994, a uma profundidade que varia entre 40 metros e 70 metros abaixo do Canal da Mancha, é uma das passagens mais assustadoras, já que 37km do trajeto de pouco mais de 50km são percorridos abaixo do mar.

O tempo da viagem de trem dura aproximadamente 35 minutos, numa velocidade de 160km/h. São três túneis paralelos. Carros e caminhões ficam acomodados em vagões. O Eurotúnel é responsável pelo movimento de mais de sete milhões de passageiros por ano. Para fazer a travessia, o turista brasileiro deve levar o passaporte.


Atravessando o impossível

 

(foto: Wikimedia Commons/Reprodução)
(foto: Wikimedia Commons/Reprodução)


A mistura da arquitetura e da tecnologia dos governos da Suécia e da Dinamarca resultaram no complexo de Oresund, uma ponte de aço estaiada, localizada no Mar Báltico, que liga as cidades de Malmö e Copenhague, cortando um estreito que separa os dois países através do mar. A arte arquitetônica  encanta pela geniosidade e é conhecida como a Ponte Impossível. A construção, com 42 vãos, se equilibra sobre as águas, chega à ilha artificial Peberholm (que significa ilha da pimenta) e mergulha no mar, revelando um túnel submerso.

Vista do lado de fora, a impressão é de que a ponte some nas profundezas do oceano, num caminho sem volta. Se o trajeto for feito a partir da Dinamarca, a viagem começa pelo túnel. É nesse momento que o medo pode tomar conta de quem está visitando o local, pois a estrutura mergulha e , no final, chega-se à ilha. Oresund é uma estrutura que reúne uma rodovia destinada ao tráfego rodoviário, na parte superior de concreto, com seis pistas, duas para circulação de carros, duas vias férreas e duas de emergência. O trajeto tem cerca de 16km de extensão. Para atravessar, é preciso pagar um pedágio de 46 euros, cerca de R$ 184.  O turista brasileiro precisa ter em mãos o passaporte, já que fará a travessia de um país para outro. A estimativa é de que 25 milhões de pessoas façam o trajeto durante o ano.

 

 

 

* Estagiária sob supervisão de Taís Braga 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade