Publicidade

Correio Braziliense NORTE DO BRASIL

Devoção ao Círio de Nazaré nasce na Catedral Metropolitana de Belém

Ponto de partida da maior procissão do estado, a Catedral Metropolitana de Belém dá início aos festejos em comemoração à Nossa Senhora de Nazaré com a missa na presença da imagem da santa


postado em 14/10/2018 10:00 / atualizado em 11/10/2018 18:27

(foto: Hell Farias)
(foto: Hell Farias)


A Catedral Metropolitana de Belém igualmente conhecida como Catedral da Sé fica no Largo da Sé e possui história que encanta os cristãos. Primeiramente ela foi construída no Forte do Presépio em homenagem à Nossa Senhora da Graça, e foi transferida para o local atual, que na época era dedicado a Santa Maria de Belém. As primeiras obras começaram no ano de 1748 com o projeto do arquiteto italiano Antônio José Landi, que destacou duas torres. Os relógios também chamam a atenção, trazidos da Europa e instalados logo depois da sua reforma, em 1772. Os dois lados da igreja são decorados com arte neoclássica e barroca.

Em 1882, o bispo Dom Antônio de Macedo Costa ordenou que a parte interior fosse reformada, o retábulo criado por Landi incorporava o desenho de Nossa Senhora das Graças, obra de autoria do grande pintor setecentista da época, o português Pedro Alexandrino de Carvalho. A pintura perdeu-se com o tempo, tendo sobrado apenas os desenhos antigos como recordação.

Hoje, a Catedral é parte importante da tradicional celebração do Círio de Nazaré, uma das maiores reuniões de fiéis do mundo. A celebração inicial da festa é realizada na igreja na presença da imagem de Nossa Senhora de Nazaré. Ao terminar, a santa segue em procissão para a Basílica de Nossa Senhora de Nazaré, acompanhada por milhares de pessoas.


Visite

Mangal das Garças

Esse espaço representa um pequeno pedaço da floresta que rodeia Belém. Lá, encontra-se o parque ambiental, zoológico e um memorial amazônico da navegação com os três aspectos: o militar; o comercial, representado por um breve histórico da Enasa; e o regional, revelado na exposição de barcos que são utilizados na região Norte.

Restaurante Manjar das Garças
A arquitetura do pavilhão central, onde fica o restaurante, favorece sua integração com o ambiente. Um lugar agradável e uma das melhores vistas da cidade, serve um buffet variado no almoço, por R$ 65 e jantar à La carte. O funcionamento é de terça a quinta-feira das 12h às 15h e das 20h a 0h. Às sextas e sábados, funciona das 12h às 16h e das 20h a 0h. Aos domingos, a casa abre apenas para almoço.

Mirante do rio
A partir do pavilhão central, numa elevação que avança sobre a vegetação nativa e dá acesso a uma passarela de 100 metros sobre a várzea, permitindo uma vista ampla do Rio Guamá e do centro histórico de Belém.

Experimente

Restaurante Lá Em Casa

Um lugar saboroso onde você pode encontrar pratos, como o pato no tucupi, a maniçoba, o casquinho de caranguejo, peixes em diferentes receitas e sobremesas com as frutas regionais. O restaurante, passado de geração em geração,  valoriza a culinária local.
Av. Boulevard Castilho França, Estação das Docas, Galpão 2, Loja 4 - Campina

Remanso do Bosque Restaurante
Gastronomia gourmet criativa,  elaborada com ingredientes da Amazônia no fogão à lenha. Os donos, os irmãos Thiago e Felipe Castanho, são considerados propulsores da culinária regional. Pratos como pirarucu defumado com leite de coco e banana-da-terra, toffe de cumaru com bolinho de tapioca assado no forno à lenha e camarão empanado na farinha de tapioca, são destaques do restaurante.

 

Chocolate do Norte

(foto: Hell Farias)
(foto: Hell Farias)


Além do carimbó, o Pará tem chocolate. A iguaria é capaz de despertar variadas emoções aos paladares. O sabor é extremamente amargo, alguns se assemelham ao gosto do café torrado. De acordo com as normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o produto só pode ser considerado chocolate se possuir um mínimo de 25% de cacau. No Pará, o percentual mínimo é 52%.

O chocolate paraense anda muito bem acompanhao de outros produtos da região, como amêndoas, cupuaçu, açaí e castanhas, que misturados ao produto principal, descartam a necessidade do açúcar. Quanto mais cacau, menos açúcar. Esse é o lema para os produtores. Até o leite desidratado é usado para substituir a sacarose e dar mais leveza.

O produto derivado do cacau tem se tornado forte na economia do estado, que promove anualmente o Chocolat Festival e Flor Pará. O evento é voltado para consumidores e empresários. Ao longo de cinco anos, reuniu 250 expositores e gerou mais de R$ 20 milhões de negócios diretos e indiretos, além de cerca de 60 mil visitantes.

 


O destaque do evento deste ano foi o Nibs, um chocolate puro. São as sementes do fruto do cacau, fermentadas, secas, torradas e trituradas, sem adição e nada para manter o sabor intenso do chocolate amargo. O que permanece é o gosto da manteiga de cacau, que garante o mínimo de leveza.

Segundo a secretária-adjunta da Secretaria de agricultura e pesca do Pará (Seplac), Roserayna Remor, o festival é um estímulo para as pessoas de outros estados do país virem visitar e conhecer a produção de chocolate no Pará. “O evento é um fator benéfico para o turismo porque já temos algumas propriedades de cacau que já estão estruturando para receber os turistas, para saber todo o processo de plantio, colheita, secagem das amêndoas, armazenamento e fermentação. Essas pessoas vão poder acompanhar e saborear os produtos na própria fazenda”, aponta.

O Festival apresenta exposição de marcas de chocolate de origem, feira de flores e exposição de espécies da flora amazônica, palestras sobre a produção cacaueira, do chocolate e botânica, workshops, aulas práticas, atividades infantis e apresentações culturais. (AB)

52% é o percentual mínimo de cacau usado na produção do chocolate paraense(foto: Hell Farias )
52% é o percentual mínimo de cacau usado na produção do chocolate paraense (foto: Hell Farias )


* Estagiária sob supervisão de Taís Braga

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade