Publicidade

Correio Braziliense ESPORTE

A passos largos, conheça paisagens exuberantes durante maratonas

Viajar para participar de corridas de rua é um filão do turismo. Atletas e acompanhantes lotam os destinos, aproveitam os roteiros turísticos e, muitas vezes, curtem a cidade por mais tempo


postado em 20/10/2018 10:00 / atualizado em 17/10/2018 15:02

(foto: Roberto Mesquita/Divulgação)
(foto: Roberto Mesquita/Divulgação)


Imagine viajar para um local novo, conhecer uma cultura diferente, experimentar novos sabores e além disso tudo, praticar o esporte que ama? Os praticantes de corridas de rua têm feito isso no Brasil e pelo mundo. Não apenas corredores profissionais e amadores se beneficiam dessa onda, que vem ocupado espaço público tanto em grandes centros quanto em cidades de interior. Hotéis, restaurantes, espaços fitness e guias turísticos perceberam que essa modalidade pode significar lucro.

Muitas competições ocorrem em fins de semana, em cidades próximas aos locais em que os atletas e aspirantes treinam. De acordo com a Federação Paulista de Atletismo, em 2016, foram realizadas 469 competições de corrida de rua com mais de 800 mil inscritos. Isso só em São Paulo. Se levarmos em consideração que a tendência do esporte já é uma realidade, nas cinco regiões do país, o número tende a ser multiplicado. Provas como Maratona Cidade de Salvador, São Silvestre (em São Paulo), Dez Milhas Garoto (Espírito Santo), e as Meias Maratonas do Rio de Janeiro e de São Paulo são alguns dos eventos mais conhecidos que fazem com que atletas de todos o país viajem para participar dessas corridas.

“Algo importante de evidenciar é que esse corredor vai até a cidade para participar da competição. Ou seja, ele(a) espera um trajeto favorável, em um horário agradável, e com o suporte necessário para fazer e concluir a prova. Assim, incluir esse indivíduo no circuito turístico começa com a entrega de uma competição com qualidade em que esse atleta possa ter contato com as paisagens durante a corrida. Diante da experiência positiva na prova, a chance dele estender o período na cidade é maior”, explica Lorena Peretti, especialista em viagens e administradora do blog Minds Travel.

 

(foto: Divulgação)
(foto: Divulgação)
 


Ainda de acordo com Lorena, em 2018, as provas/competições atingiram números recordes e todos os anos a oferta aumenta. “São times de futebol promovendo corridas, competições temáticas geeks, empresas dos mais diversos nichos apoiando ou desenvolvendo as provas. Enfim, as instituições no Brasil perceberam que as corridas de rua são mais do que uma forma de mostrar a sua marca no vestuário e demais estruturas de uma competição. É uma causa social, além de ser uma forma lucrativa”, explica.

Ela afirma que, no Brasil, as capitais e cidades do interior que mais recebem turistas para participar de corridas são a Bahia, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais e Paraná. Mas o brasileiro também quer correr no exterior. As provas queridinhas são: Maratona de Nova York, Maratona de Chicago, Maratona de Paris e a Meia Maratona Disney. “Na Disney, há corridas para os pequenos e isso faz com que seja um destino familiar”, conta a especialista.

Geralmente quem viaja para outras cidades para praticar corrida preserva os fins de semana e estende a viagem por mais 2 dias. O perfil desses atletas é de pessoas entre 25 e 35 anos. “Algo importante de frisar é que a maioria dos corredores preferem treinar e correr pela manhã. Logo, os destinos das provas precisam ser adaptados para atender a essa demanda. Assim, o ideal é oferecer passeios após a corrida, com programação tranquila e nada de álcool. Bares e casas noturnas podem ser uma opção somente após esses turistas terem completado a competição no local”, afirma.

 

Paixão pelo desafio 

Pedro Trindade (acima) disputou a El Cruce, na Argentina e Carolina Neves aproveitou uma maratona para conhecer Vitória (ES)(foto: Rafael Teixeira)
Pedro Trindade (acima) disputou a El Cruce, na Argentina e Carolina Neves aproveitou uma maratona para conhecer Vitória (ES) (foto: Rafael Teixeira)

 

O empresário Pedro Trindade, 30 anos, escolhe uma prova para participar a cada semestre. Segundo ele, dá para organizar a rotina de treinos no seu dia a dia. Ele começou a correr há oito anos, quando percebeu que poderia conciliar cada viagem com uma prova no país visitado. Para ele, a melhor forma de conhecer uma cidade é correndo por ela. Ele fez a ultramaratona com largada no Chile e chegada na Argentina pela Patagônia; Maratonas de Buenos Aires, Santiago, Nova Iorque, Chicago, Rio de Janeiro e Búzios; Ironman 70.3 em Punta del Leste e Ironman full em Florianópolis.

Carolina Neves, 32, é designer de joias e, como o marido, gosta de viajar e correr. Ela faz provas de ruas sempre que possível. “A corrida é um esporte que amo e viajar é uma das minhas grandes paixões. Conciliar isso é incrível. Sempre achei o máximo conhecer lugares correndo”, explica Carolina, que já participou de corridas no Rio de Janeiro, em Florianópolis, no Chile e em Chicago. Ela gosta de acompanhar Pedro, seja correndo, seja como staff. “Estou sempre viajando por conta do meu trabalho, o tênis entra na mala da mesma maneira que um outro calçado. O dia só começa bem depois de uma corridinha”, revela a designer.

(foto: Rafael Teixeira)
(foto: Rafael Teixeira)


O empresário Abimar Mendes, 57, diz que, como a corrida “virou moda”, é necessário selecionar as provas das quais participará, já que elas são realizadas todos os fins de semana. Ele é acompanhado por uma assessoria esportiva, com profissional do Conselho Olímpico Brasileiro, para ter bons resultados. Abimar explica que viaja para correr e aproveita para ficar uns dias a mais para conhecer a cidade ou o país. A corrida entrou na sua vida há seis anos. “Não tinha fôlego para correr. Tive que fazer tudo gradativamente. Começar com metros, depois quilômetros, até atingir metas e objetivos.”

Ele lembra que a primeira corrida foi em Vitória (ES), com um percurso de 10km. “Peguei gosto e parti para meia-maratona. Comecei pelo Rio, depois São Paulo, depois Paris. A vontade de ter desafios me fez encarar uma maratona. São 42,195km”, diz o empresário. Além da assessoria esportiva, ele é acompanhado por ortopedista, dois fisioterapeutas, nutrólogo e osteopata. Neste ano, correu a maratona de Berlim e está inscrito para correr em Londres, em abril de 2019 e, está na lista para correr em Tóquio em março de 2019. “Assim é a vida de um maratonista. Correr é uma válvula de escape e realização. Gosto de viajar, para correr e correr para viajar já que meu trabalho não me permite que fique muito tempo fora”, explica Abimar.

Conexões 

O psicólogo educacional Augusto Jimenez explica que correr faz bem não apenas para o corpo. Há benefícios mentais, como o estímulo do raciocínio e a melhoria na concentração, além da interação social, seja nas competições ou nos treinos. “Se somarmos a corrida com a viagem, os ganhos são maiores porque esse indivíduo terá além do exercício, o contato com outras culturas, pessoas, cheiros, alimentos, ou seja, vai mexer com outras conexões neurais. Tudo isso só traz ganho para o dia a dia dessa pessoa”, afirma.

No ano passado, o turismo foi responsável por 7,9% do PIB (Produto Interno Bruto) no país. Os dados são da Universidade de Oxford, no Reino Unido, em parceria com a WTTC (Conselho Mundial de Viagens e Turismo). Além da lucratividade, o estudo revelou que o setor é responsável por 6,59 milhões de empregos. Com as corridas de rua e o turismo interno aquecido, o número de pessoas empregadas pelo setor nessa modalidade tende a crescer neste ano. A previsão, segundo o mesmo estudo, é que o número de postos de trabalho ultrapasse a marca de oito milhões em 2018.

Agências especializadas em viagens para esportistas, onde o principal foco é conciliar a viagem com uma prova, podem auxiliar  O Maratonas no Mundo (www.maratonasnomundo.com.br) e o MKS Esportes (www.mksesportes.com.br) têm calendários para que o atleta viajante escolha as datas que se encaixem na agenda. As próximas provas mais conhecidas de 2018 são a Maratona de Munique, em 14 de outubro, a Maratona de Nova York, em 4 de novembro, e aqui no Brasil, a Volta da Pampulha, em Belo Horizonte (MG), no dia nove de dezembro. (GA)


Prepare-se


(foto: Angela Weiss/AFP - 3/10/17)
(foto: Angela Weiss/AFP - 3/10/17)


Maratona de Nova York

A Maratona de Nova York (New York Marathon) é disputada anualmente no primeiro domingo de novembro na cidade de Nova York. Todos os anos, a maratona conta com mais de 50 mil participantes, sendo mais de 10 mil estrangeiros, além de atrair mais de dois milhões de espectadores. O percurso da Maratona de Nova York passa pelos cinco distritos de Nova York: Staten Island, Brooklyn, Queens, Bronx e Manhattan. As pontes que separam os distritos dão um charme especial à prova. Na linha de chegada, no acesso ao Central Park, sempre haverá público esperando o corredor chegar e comemorar como se te conhecesse. A cidade é recheada de encantos a cada esquina. Quem vai para correr pode aproveitar para conhecer com mais calma o Central Park, que, na época da corrida, pleno outono, fica cheio de folhas coloridas. A Times Square é parada obrigatória para os turistas e para quem curte teatro; é interessante passar na Broadway para ver o que está em cartaz.

(foto: Albatros Adventure/Divulgação)
(foto: Albatros Adventure/Divulgação)


Maratona da Muralha da China
A Maratona da Grande Muralha da China, no dia 19 de maio, é uma das provas mais desafiantes do mundo. Além da maratona, com 42km, os corredores podem percorrer distâncias mais curtas: a meia maratona e a prova de 8,5 km. O percurso é difícil, mas a paisagem exuberante da Grande Muralha pode motivar o atleta a continuar. No caminho, vilarejos e fazendas com estradas pavimentadas e não asfaltadas são visitados, além dos 5.164 degraus da Grande Muralha. O monumento fica em  Huairou, a 50km de Pequim. Quem vai para correr, pode aproveitar e conhecer a Qianmen, um calçadão reservado para pedestres que podem andar pelas lojinhas e shoppings locais enquanto se perdem pelos hutongs da vizinhança: becos estreitos presentes por toda a China. A Praça da Paz Celestial e os palácios imperiais da Cidade Proibida também são cartões-postais importantes para os turistas.

(foto: Philippe Lopez/AFP - 1/3/18)
(foto: Philippe Lopez/AFP - 1/3/18)


Paris-Versailles
A meia-maratona Paris-Versailles atrai os turistas. Ao cruzar 21km de ruas, parques e caminhos encantadores, a Cidade Luz combina elegância, romantismo e uma cultura rica por todo o percurso. Quem for competir pode aproveitar para conhecer o Museu do Louvre, o mais visitado do mundo, e suas mais de 380 mil obras, incluindo a Mona Lisa e a Vênus de Milo. A Catedral de Notre-Dame também encanta os turistas com seus incríveis vitrais, quadros e esculturas, além da vista panorâmica da cidade ao subir em sua torre. A Torre Eiffel, o maior símbolo da cidade, também é um cartão-postal que deve ser visitado.

(foto: Miguel Schincariol/AFP - 31/12/16)
(foto: Miguel Schincariol/AFP - 31/12/16)


Corrida de São Silvestre
A Corrida de São Silvestre é a mais tradicional do Brasil e ocorre, todos os anos, em 31 de dezembro. Atualmente, o percurso é de 15km pela cidade de São Paulo. Os turistas que visitam a cidade para participar da prova podem aproveitar para conhecer a Avenida Paulista: a mais famosa da cidade. Lá, é possível fazer passeios de compras e gastronômicos, além de bares e casas noturnas. O Parque do Ibirapuera também pode render um belo passeio: além de todo o espaço para atividades ao ar livre, o parque também abriga cinco prédios com a assinatura de Oscar Niemeyer.


* Estagiária sob supervisão de Taís Braga

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade