Publicidade

Correio Braziliense MEIO AMBIENTE

Jardins botânicos exibem a natureza preservada

Alguns mais antigos e outros mais novos e um ponto em comum: a riqueza da biodiversidade. A imersão nos mais belos cenários botânicos pelo mundo promete um show de verde e de tranquilidade


postado em 21/10/2018 10:00 / atualizado em 17/10/2018 15:20

(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)

 

A imensidão de áreas verdes se perde de vista. O vento faz morada e passa pelos cabelos e pela pela. A respiração melhora com a ajuda de milhares de plantas e árvores. O cenário agrega diversos tipos de paisagens e experiências naturais. A vontade é se teletransportar para este lugar de sonho. A descrição é referente aos jardins botânicos. Os primeiros surgiram na Europa, no século XVI, com o objetivo de estudar as plantas medicinais. Mediante o cultivo e a herborização das espécies com fins terapêuticas, buscava-se identificar e comprovar suas propriedades. Formou-se, então, as primeiras coleções de plantas para estudos científicos. Hoje, os jardins botânicos são maiores, mas sem abandonar a pesquisa da flora.

No Brasil, o Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) determinou pela resolução publicada nº 339, que as características principais de se instalar um jardim botânico, é que ocorra a promoção de pesquisa, conservação, preservação, educação ambiental e lazer com a finalidade multicultural, proteger espécies silvestres raras ou ameaçadas de extinção, entre outras finalidades. O Turismo selecionou alguns cenários de perder o fôlego para serem incluídos nos roteiros de passeio. Aproveite!

(foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press - 5/5/18)
(foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press - 5/5/18)


Jardim Botânico de Brasília
Fundado em 1985, foi o primeiro Jardim Botânico do Brasil com ecossistema predominante do cerrado. Tem 5.000 hectares, com plantas nativas e exóticas. Além disso, o espaço conta com anfiteatro, espaço ciência — com exemplares de animais e plantas, horto medicinal, orquidário, entre outros. A redatora Mahila Ames recomenda a experiência. “É incrível poder ter contato com a natureza tão perto da cidade. Achei o jardim com plantas exóticas um cantinho encantador. A calmaria é algo que também chama a atenção, temos vidas muito agitadas, um pouco de paz logo ali é enriquecedor. O visitante tem a oportunidade de ir de terça-feira a domingo das 9h às 17h. Saiba mais no site www.jardimbotanico.df.gov.br/.


(foto: Wikipedia/Divulgação)
(foto: Wikipedia/Divulgação)


Jardim Botânico do Rio de Janeiro
“Falar do que mais gostei é difícil porque ele é lindo! O que me chamou muito a atenção, foram as palmeiras, não só por sua beleza como pela história”, relembra a enfermeira Marta Pires. Criado em 1808, com cerca de 144 hectares, guarda coleções bibliográficas, memorial, museus, mais de 1500 espécies de plantas e acompanhar o passeio de alguns animais. O jardim funciona de segunda, das 12h às 18h e terça a domingo, das 6h às 18h. (www.jbrj.gov.br/).


(foto: Blog Juny pelo mundo/Divulgação)
(foto: Blog Juny pelo mundo/Divulgação)


Jardim Botânico Nacional de Kirstenbosch
Localizado na cidade do Cabo, na África do Sul, foi fundado em 1913 e cobre 528 hectares. O intuito é a preservação da flora do país e destaca-se, ainda, no cultivo de plantas indígenas. Exposições de arte, passeios de trilhas e grande variedade de animais fazem parte do tour. Em 2015, ele foi declarado como o jardim internacional do ano pelo International Garden Tourism Awards Body. O lugar é aberto todos os dias, no verão (setembro a março) das 8h às 19h e no inverno (abril a agosto) das 8h às 18h. Saiba mais no site do Instituto Nacional da Biodiversidade da África do Sul (SANBI) www.sanbi.org/gardens/kirstenbosch/.


(foto: Wikimedia Commons/Divulgação)
(foto: Wikimedia Commons/Divulgação)


Royal Botanic Gardens
No português, Reais Jardins Botânicos de Kew, é um dos mais antigos e extensos jardins botânicos do mundo, criado no século XVIII, em Londres. É conhecido por formar um grande complexo de jardins com arboretos e estufas, como a Temperate House, inaugurada em 1863, e é considerada a maior de arquitetura vitoriana, obra do inglês Decimus Burton. O lugar proporciona o estudo científico e parcerias globais sobre plantas e fungos, além de ser um show de todo tipo de plantas. Na página do Jardim há informações sobre compra de ingresso e horários (www.kew.org/).


(foto: Wikimedia Commons/Divulgação)
(foto: Wikimedia Commons/Divulgação)


Desert Botanical Gardens
Localizado em Phoenix, nos Estados Unidos, o Jardim Botânico do Deserto é um show à parte em 140 hectares, criado em 1939. O espetáculo apresenta a fauna e a flora do deserto com cactos, plantas carnívoras, árvores, flores, animais e borboletas locais. O espaço também oferece diversos eventos com datas variadas, além de trilhas e exposições. No site do jardim há informações sobre a programação da temporada e a compra de ingresso (www.dbg.org/).


(foto: Rafael Passos/Divulgação)
(foto: Rafael Passos/Divulgação)


Jardim Botânico Benjamim Maranhão
Constituído em 2000, é conhecido como Mata do Buraquinho e uma das maiores reservas da Mata Atlântica do Brasil, com 515 hectares aproximadamente e fica em João Pessoa, na Paraíba. As opções de aventura estão entre três trilhas, animais e plantas típicos da Mata. A visita pode ser feita de terça a sábado, das 8h às 17h.

 


* Estagiária sob supervisão de Taís Braga

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade