Publicidade

Correio Braziliense CICLOTURISMO

As dicas de quem percorre o mundo sobre duas rodas

Desbravar o mundo viajando de bicicleta pode ser uma descoberta inovadora, além de ser a estratégia certa para se jogar na gastronomia de cada lugar. Para alguns, os roteiros nunca têm fim


postado em 27/10/2018 12:00 / atualizado em 24/10/2018 15:18

(foto: André Cherri/Arquivo Pessoal)
(foto: André Cherri/Arquivo Pessoal)


A liberdade de se parar quando quiser, onde quiser e a hora que quiser. Poder admirar as paisagens que a natureza forma, rios, cachoeiras, mar ou lagos... Árvores das mais variadas e de todas as estações, os animais comuns de cada país, a temperatura de cada lugar, a riqueza da gastronomia local e o acalento de cada comunidade. Quem escolhe viajar de bicicleta consegue vivenciar todas as mais ricas experiências do mundo. O principal artifício para traçar esta aventura é co-ra-gem.

O desejo de descobrir o novo fez com que o casal de nutricionistas, Karla Silva e André Cherri, ambos com 37 anos, pesquisasse rotas que eram feitas por ciclistas. O casal que nunca tinha pedalado antes, deu a volta ao mundo, em uma viagem que começou em março de 2012 e terminou em agosto de 2015. “Não montamos os roteiros. A pesquisa inicial foi descobrir rotas comuns para ciclistas. Se fôssemos por elas sabíamos que teria estrutura para nos acolher. Pedalamos por 40 países. Difícil é escolher um preferido, já que cada lugar tem suas características e particularidades. Todos eles têm seu lado bom e ruim”, relembra Karla.

Aos que desejam se aventurar pelo mundo em cima de duas rodas, André aconselha. “Vá! Planeje questões práticas, desapegue de coisas e pessoas, faça o mínimo de planos e não crie expectativas. Isso evita frustrações e aumenta as chances de deixar que o inesperado te surpreenda. E tenha em mente que coisas darão errado, mas está tudo bem. Tudo dá certo no final. Sempre haverá uma mão para ajudar”.

 

(foto: Eliana Garcia/Arquivo pessoal)
(foto: Eliana Garcia/Arquivo pessoal)

 

Conhecer novos destinos também sempre chamou a atenção da bióloga, Eliana Garcia, 51 anos. Ela se aventura desde 1998 e coleciona milhares de lembranças dos lugares por onde passou. Há 17 anos, fundou o Clube de Cicloturismo do Brasil. A ideia surgiu com a necessidade de se ter informações diversificadas sobre os roteiros e trocar experiências com quem já se aventurou.

Ela conta que a escolha do destino é algo pessoal e o mais importante é o que irá conhecer na viagem. “Eu procuro lugares de natureza, belas paisagens, culturas preservadas. Busco aliar uma ou várias coisas dessas numa viagem de bicicleta”. Para ela, todo cicloturista procura vias seguras e pessoas hospitaleiras. “Só isso já garante boa parte do sucesso de uma viagem”. Eliana indica que o principal trajeto é o planejamento. “Tentar prever todos os tipos de condições que irá encontrar e qual será o equipamento, o preparo físico e psicológico necessários para essa empreitada”.

Vale lembrar que é preciso estar em boas condições físicas. Caminhadas, idas ao parque de bicicleta e corridas, são algumas formas que ajudam a estar apto à viagem. O preparador físico, Cleiderson Pinheiro, 36 anos, ressalta a importância do autocuidado. “Primeira coisa é procurar um médico, saber se está apto a começar uma atividade de alta intensidade, ter um treinador especialista em ciclismo, seguir a planilha e ter equipamento de primeira”.

 

Ao planejar uma viagem de cicloturismo, a escolha do modelo ideal de bicicleta é um artifício necessário ao viajante. Algumas mais leves, outras mais pesadas. Algumas próprias para montanhas, outras para carregar bagagem. Seja qual for o roteiro, é importante escolher uma. O Turismo selecionou algumas para você descobrir qual será sua magrela.

 

Companhia perfeita

Mountain Bike
É o modelo de bicicleta mais indicado para fazer cicloturismo no Brasil. Com algumas adaptações, ela pode ser transformada em uma bicicleta de expedição, com mais conforto.

Full Suspension
Para os trajetos que passam por trilhas fechadas ou técnicas.
Em uma viagem de duração curta.

Touring ou Híbrida com roda 700
Usada para viagens pela Europa, América do Norte, ou para quem quer pedalar no asfalto.

Reclinada (Recumbent)

Conforme o modelo a ser escolhido, pode ser usada em qualquer superfície. Pode ser uma boa opção para quem procura um nível de conforto maior.
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade