Publicidade

Correio Braziliense CICLOTURISMO

Caminhos preferidos. Escolha um e pedale nesta aventura

Vários roteiros são criados a partir de experiências de desbravadores, porém, seguir as trilhas mais organizadas e com estrutura dá mais segurança ao viajante


postado em 28/10/2018 12:00 / atualizado em 24/10/2018 15:37

Viajar de bicicleta é uma experiência única e saudável(foto: Adolfob/Flickr)
Viajar de bicicleta é uma experiência única e saudável (foto: Adolfob/Flickr)

 

Vale Europeu - Santa Catarina

No roteiro, os ciclistas têm a oportunidade de percorrerem cidades do Vale do Itajaí, onde nove municípios participam do roteiro. Apiúna, Ascurra, Benedito Novo, Doutor Pedrinho, Indaial, Pomerode, Rio dos Cedros, Rodeio e Timbó — que é o lugar de partida e chegada do tour. O acesso se dá pelas rodovias estaduais ou federais — BR-470 e BR-101, por aeroportos — Navegantes, Joinville, Florianópolis e Curitiba, e — até por portos — Itajaí e São Francisco do Sul.

Quem vai aprecia as paisagens da Mata Atlântica, as grandes e belas araucárias, a limpidez das cachoeiras, rios, nascentes e riachos. Ao todo são sete dias para desbravar o local. Os 300 km são sinalizados, o que o fazem ser um circuito autoguiado (self guided). Na página on-line, dá para conferir o roteiro e fazer a inscrição para o circuito. (http://circuitovaleeuropeu.com.br/).

Costa Verde e Mar - Santa Catarina

Localizado na região centro-norte, é o primeiro circuito que permite percorrer a região litorânea, com os pontos acolhedores do interior. Ao todo, são 10 municípios, sendo seis no litoral e dois no interior. Balneário Camboriú, Balneário Piçarras, Bombinhas, Itapema, Itajaí, Navegantes, Penha e Porto Belo, Camboriú e Ilhota. O percurso se dá por estradas de terra e vias urbanas, num total de 210,1 km percorridos.

Para realizar a inscrição e saber mais sobre a aventura, o site da Costa Verde e Mar, disponibiliza todas as informações. (www.costaverdemar.com.br/).

Caminho da fé - São Paulo

(foto: Caminho da Fé/Divulgação)
(foto: Caminho da Fé/Divulgação)

Inspirado pelo Caminho de Santiago de Compostela, na Espanha, foi criado para a peregrinação das pessoas ao Santuário Nacional da Aparecida, com partida principal de Águas da Prata, mas pode ser iniciado por qualquer outro ponto de partida (veja mapa acima). Ao todo, somam-se 970 km de todo o trajeto e a participação de 27 cidades. No cenário, trilhas, bosques, altas e verdes montanhas fazem o peregrino refletir por todo o percurso. Dicas de trajetos e mapa podem ser conferidos na página na internet. (https://caminhodafe.com.br/ptbr/).

Estrada Real

Considerada a maior rota turística do país, com mais de 1.630 km. Surgiu em meados do século 17, quando a Coroa Portuguesa quis oficializar o percurso de ouro e diamantes de Minas Gerais até o Rio de Janeiro. As trilhas que a realeza percorria foi nomeada de Estrada Real. O cicloturista passa por Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo, e tem a opção de escolher entre quatro rotas: Caminho Velho, Caminho Novo, Caminho do Diamante e Caminho Sarabuçu, sendo que cada um destes é visitado ao menos quatro cidades. No site, há dicas de todos os procedimentos e roteiros a seguir. (http://institutoestradareal.com.br/).


Via Claudia Augusta - Alemanha   
Via Claudia-Augusta: a beleza das províncias germânicas(foto: www.viaclaudia.org/Reprodução)
Via Claudia-Augusta: a beleza das províncias germânicas (foto: www.viaclaudia.org/Reprodução)

A estrada foi construída no século 15, pelo general romano Drusus o Ancião, e era usada pelos romanos para transportar mercadorias do centro do império para as nobres províncias germânicas passando pelos Alpes. A estrada liga o Mar Adriático aos Rios Po e Danúbio e atrai a visita de milhares de pessoas, como passeio turístico, principalmente de bicicletas, por ter uma grande extensão de ciclovias. Ela começa em Donauworth, na Alemanha, e termina em Veneza. No site oficial da via, há informações como mapas e roteiros. (www.viaclaudia.org/).

 

Fique esperto

Respeite a Lei do Trânsito

Conduzir uma bicicleta exige cuidado extra com a segurança. É preciso não esquecer que a magrela é um veículo e, portanto, deve respeitar as leis de trânsito, como parar nos semáforos e respeitar as faixas de pedestres.

Alguns itens obrigatórios garantem a pedalada tranquila; no entanto, itens complementares e acessórios são reforços para tornar a viagem mais segura. De acordo com a Cartilha do Ciclista, criada e distribuída pelo Ministério das Cidades  (www.capacidades.gov.br/biblioteca/detalhar/id/350/titulo/cartilha-do-ciclista), os principais itens obrigatórios, recomendados pelo Código de Trânsito Brasileiro são as sinalizações noturnas (devem ser brancas na dianteira e vermelhas na traseira e amarelas ou brancas nas laterais e nos pedais). Espelho retrovisor pelo menos no lado esquerdo da bicicleta (o equipamento deve ser de plástico para evitar acidente). O capacete, embora não seja obrigatório, é fundamental para proteger o ciclista em caso de queda.
 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade