Publicidade

Correio Braziliense BOA IDADE

Viajar faz bem à saúde. Aprenda com quem mais sabe sobre o assunto

Idosos dão um novo sentido à fase da vida dedicada ao descanso: desbravar os quatro cantos do mundo, fazer amizades, experimentar sabores, lugares e aventuras sem preocupação com o tempo


postado em 08/11/2018 14:30 / atualizado em 08/11/2018 14:06

Solange Palma da Cruz, já perdeu as contas de quantas viagens já fez(foto: Arquivo Pessoal)
Solange Palma da Cruz, já perdeu as contas de quantas viagens já fez (foto: Arquivo Pessoal)


“Eu não paro em casa, tenho costume de fazer sete viagens por ano”, revela a dona de casa e costureira Solange Palma da Cruz, entre risadas. Emendar uma viagem na outra e, assim, colecionar boas memórias é o desejo de muitas pessoas. O diretor da Agência de Viagens CVC, Claudio Villanova, observou que os idosos  “estão aproveitando a aposentadoria ou até mesmo maior disponibilidade de tempo para realizarem viagens, tanto a lazer quanto para uma vivência cultural mais profunda, como os programas de intercâmbio”. Solange, de 74 anos, contabiliza mais de 50 destinos na memória e brinca: “eu até pergunto na agência de viagem se eles não vão me dar uma passagem de brinde, do tanto que eu fecho pacote com eles”. Ela conta que desde que seu filho caçula se casou, nunca mais parou de turistar. “Eu adoro!”.

Aos 80 anos, Dilva Pinheiro garante que a idade não é empecilho para viajar: novas aventuras(foto: Arquivo Pessoal)
Aos 80 anos, Dilva Pinheiro garante que a idade não é empecilho para viajar: novas aventuras (foto: Arquivo Pessoal)


De acordo com a pesquisa Sondagem do Consumidor — Intenção de Viagem, feita em novembro de 2017, pelo Ministério do Turismo, 30,4% dos idosos com mais de 60 anos mostraram ter intenção de viajar nos próximos seis meses. O aumento no número de pessoas da terceira idade fez com que o mercado de turismo se especializasse mundialmente na oferta de programações especiais. Claudio Villanova informou que em 2017 os idosos representaram mais de 20% dos consumidores que fecharam pacotes e embarques. Ainda no mesmo ano, segundo a diretora da Experimento Intercâmbio Cultural, Patrícia Valle, “10% dos clientes que fecharam pacote de intercâmbio tinham mais de 60 anos”. A oferta inclui estudo em sala de aula, atividades extras, como aulas de dança e visitas guiadas a museus.

Dilva Pinheiro, 80 anos, conta que sempre gostou de viajar. A mudança dos netos para o Canadá a motivou conhecer o país. “Sempre quis conhecer, se todo mundo vai, por que eu não posso? Foi o lugar que mais gostei. Fiquei três meses. Foi ótimo”. A aposentada conta que a idade não é empecilho para novas aventuras, “eu tenho a saúde de ferro”.

José Maria fez intercâmbio na cidade do Porto, em Portugal, e também em Maputo, na África:
José Maria fez intercâmbio na cidade do Porto, em Portugal, e também em Maputo, na África: "o espírito continua o mesmo" (foto: Arquivo Pessoal)


José Maria Camargos, 65 anos, já fez cinco intercâmbios por diferentes países e incontáveis viagens pelo mundo. Para ele, “quando você viaja, conhece pessoas, e todo tempo que se tem é para viajar”. Desde 2007, ele vai à África duas ou três vezes por ano. Lá, desenvolve um trabalho social junto a uma ONG, voltada a crianças, idosos, mulheres ou pessoas necessitadas. Segundo ele, a idade é só um número. “Só o corpo fica mais velho, mas o espírito continua o mesmo, nao tem diferença nenhuma”.

 

Palavra do especialista

Benefícios imediatos

O geriatra, Einstein Camargo reforça a ideia de que, “antigamente, os idosos ficavam em casa ajudando a cuidar dos netos e hoje isso ocorre em menor proporção. De fato, eles adoram viajar”. Os benefícios que se tem em viajar não são apenas em conhecer novos lugares e costumes. A forma de “socialização, permitindo uma troca de experiências e aprendizado; estímulos cognitivos, sobretudo para memória sensorial, melhorando atenção e permitindo ganhos cerebrais, melhora do humor e atividades físicas, como caminhadas. Conhecer lugares, falar línguas diferentes e ter sensações emocionais boas é extremamente nutritivo ao cérebro, humor e coração”, explica.

 

O que diz a lei
De acordo com o Estatuto do Idoso, Lei nº 10.741 é obrigatória a reserva de duas vagas gratuitas nos assentos de transporte interestadual. Se estas estiverem ocupadas, o idoso desembolsará 50% do valor da passagem. Vale ressaltar que a lei se aplica em casos de idosos que recebam renda igual ou inferior a dois salários mínimos (R$ 1.908).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade