Publicidade

Correio Braziliense FRONTEIRAS

Bahia, Goiás e Minas no coração do cerrado

A região que encantou os olhos e despertou a paixão de Guimarães Rosa é uma bela composição entre as cores da flora, a melodia das aves e o movimento dos animais da mata. Afinal, o "sertão é dentro da gente"


postado em 30/11/2018 10:00 / atualizado em 28/11/2018 16:34

“Sertão é isto: o senhor empurra
para trás, mas de repente ele volta
a rodear o senhor dos lados.
Sertão é quando menos se espera.”


(Guimarães Rosa)

(foto: Divulgação)
(foto: Divulgação)

Já imaginou avistar lá do alto do avião uma grande área de preservação do cerrado, com direito à presença de animais típicos desse bioma? Observar veados-catingueiros, tucanos, araras-azuis ou até mesmo uma onça-pintada, lado a lado? Ela existe e une três estados e diversas possibilidades de conhecimento e diversão. O segredo é não ter pressa para aproveitar ao máximo o ambiente, que é rico em biodiversidade, e desbravar toda a área de preservação.

O lugar fica entre as divisas dos estados de Bahia, Minas Gerais e Goiás.  Mas não pense que o passeio é uma expedição no meio de uma floresta, com barracas, guias e a companhia de seres da natureza. Em Côcos, na Bahia, há uma charmosa hospedagem para os sortudos. A experiência é valiosa. Para quem sai de Brasília de carro, são 433 quilômetros. Já de Mambaí, Goiás, chega a 45 quilômetros. O acesso também se dá por táxi aéreo, que leva cerca de duas horas, no máximo, a partir da capital do país. Os turistas são recebidos pela imensidão verde das matas. Os diversos passarinhos embalam os visitantes ao som do canto e encantam com as diferentes cores de penugem.

O território demarcado em 33 mil hectares faz parte de uma área de sustentabilidade e preservação do cerrado conhecida como Fazenda Trijunção. É no coração dessa área que se tem a oportunidade de conhecer, se acomodar e se encantar pela savana que é considerada a mais rica do mundo em relação à biodiversidade. O local está acessível aos amantes da natureza, aventureiros, estudiosos, a todos que sabem da importância de preservar o bioma.

Fica a dica
Leve na bagagem roupas confortáveis e leves, tênis apropriados para caminhadas, repelente, protetor solar e um bom binóculo para vislumbrar o espetáculo da natureza.

 

Show da natureza

 

(foto: Divulgação)
(foto: Divulgação)


As experiências são várias. Do safári para ver a onça-pintada à melodia dos pássaros. É preciso estar de pé cedo para poder experimentar os encantos do lugar. Às 6h, a pedida é a observação de aves ou passarinhar. É o horário em que eles estão se movimentando em maior proporção. O visitante tem a oportunidade de ir mata adentro, por um caminho trilhado, acompanhado por um guia (biólogo), que norteia onde é possível encontrar as aves típicas da região. São mais de 210 espécies e é fácil ter a companhia de tucanos, araras vermelhas ou gaviões. É um show de beleza!

É preciso ter em mente que a filosofia do local é sustentabilidade e preservação. Por isso, é feito o trabalho de conservação de animais brasileiros típicos do cerrado. As espécies que podem ser vistas são ameaçadas ou vulneráveis. O intuito é transmitir uma educação ambiental aos visitantes, além de organizar um banco genético supervisionado pelo governo, onde é feita a recuperação, e a reintrodução de populações onde estiverem em falta.

 

 

Ver galeria . 3 Fotos Na Lagoa das Araras, o pôr do sol é uma surpresa diária.Divulgação
Na Lagoa das Araras, o pôr do sol é uma surpresa diária. (foto: Divulgação )

 

Ainda nas primeiras horas da manhã, é possível conhecer o trabalho feito com 190 animais silvestres, de seis espécies diferentes, alocadas em um criadouro conservacionista onde é feito o monitoramento para depois reintegrá-los em seu hábitat. Mas claro, eles só são liberados se forem capazes de serem hábeis contra o caçador. Várias espécimes recebem esse tratamento, principalmente as antas, veados-catingueiros, emas, catetos (porco-do-mato), queixadas (porco-do-mato) e jabutis-tingas.

O berçário dos jabutis-tingas faz parte do pacote e é imperdível! A espécie é considerada muito sensível. Ao nascerem, eles precisam de um controle de temperatura e umidade e, por esse motivo, necessitam de um ambiente especial para o cuidado dos filhotes.

Quem é da capital federal pode não notar a diferença do clima seco e a temperatura elevada de quase 34ºC que predomina no lugar, mas, se refrescar sempre cai bem. E esse é um programa dos mais agradáveis. Em meio à vegetação, se descortina um cenário de tirar o fôlego, onde fica a nascente do Rio Formoso. Não tem como não se sentir pequeno e abençoado diante da imensidão da Lagoa Araras,  formada pelas águas do rio. Lá, é possível passear de caiaque ou de bote inflável. É reconfortante.

No trajeto, o acesso também alcança o Parque Nacional Grande Sertão Veredas, a grande inspiração de Guimarães Rosa, com a enorme diversidade de plantas e frutas da região. O percurso também pode ser feito por carros, que são adaptados e se tornam estilo safari. Quem preferir, pode fazer o passeio em bicicletas — fat bikes, que são próprias para o terreno.

Quando se aproxima a noite, que oferece a oportunidade de mais uma atividade inesquecível, o espetáculo fica por conta do pôr do sol, na mistura das cores vermelho, amarelo e azul. É de tirar o fôlego. Não dá para deixar de lado o eco-safari noturno, o horário é indicado para vislumbrar as espécies como o jacaré-anão.

 

Paz em todos os cantos

Gastronomia: cozinha
Gastronomia: cozinha "de dentro e de fora". Entrada: Bruschetta de Queixada com geléia de tomate. (foto: Luíza Figueiredo/CB/D.A Press)


Se a experiência no cerrado já é rica, ela pode ser inesquecível se aliada ao charme da hospedagem. A Pousada Trijunção é o elo entre as vivências do lugar. O espaço tem a decoração feita por artistas locais. Desde as luminárias produzidas com troncos caídos de árvores até o delicado bordado em almofadas. O local é exclusivíssimo. São  sete suítes, com cama king size, ar-condicionado, TV a cabo, frigobar, roupões e diversos mimos.

Os quartos se dividem em suíte master, sendo a maior, com duas varandas e ofurô, com diária de R$ 3.450,00. Suíte premium, com dois ambientes: quarto e sala de estar, com diária de R$ 2.950 e a suíte standard, com diária de R$ 2.500. A boa notícia é que o valor da diária inclui todas as refeições e as atividades guiadas.

A gastronomia é típica do cerrado. A maioria dos alimentos são de produção própria, e, como descreve Guimarães Rosa, o sertanejo tem o hábito de “cozinha de fora”. Lá, se faz o piquenique, churrasco — às vezes, aos embalos de um violeiro com músicas locais — e a “cozinha de dentro”, que são refeições servidas em buffet ou à la carte. Um destaque do café da manhã, com sementes, castanhas e frutas típicas e que pode ser servido a qualquer hora do dia. O compromisso é se sentir em casa, bem acomodado e sem obrigação com os horários.

Ah! E agora vai uma bela dica: se, depois de todos esses passeios, o cansaço bateu, não tem problema. Sabe aquela massagem dos sonhos com cremes ou óleos cheirosos? O desejo de relaxar no ofurô, em uma sauna ou em uma piscina? Tudo isso faz parte do pacote ao som da melodia dos pássaros. Mas para quem gosta apenas de se embalar no vai e vem de uma rede e sentir o vento no rosto, há várias espalhadas no complexo da pousada. 

 

* Viagem a convite da Pousada Trijunção

* Estagiária sob supervisão de Taís Braga

 

 

 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade