Publicidade

Correio Braziliense ÁFRICA

De montanhas e desertos e de Marrocos a Malaui

Marrocos atrai pela agitação principalmente do comércio. Lá, vende-se de tudo. Com geografia de grandes planaltos, um lago famoso para o africanos, Malaui é perfeito para trilhas nos parques nacionais


postado em 16/12/2018 10:00 / atualizado em 14/12/2018 17:00

(foto: Guilherme Portugal/CB/D.A Press)
(foto: Guilherme Portugal/CB/D.A Press)
 


O povo é a maior riqueza africana. Ele é agitado e pratica um comércio vigoroso em Marrakech — mais conhecida que a capital, Rabat — nas feiras, lojas e tendas que vendem objetos de todos os tipos. Os monumentos e as antigas muralhas são um pouco da riqueza cultural do país e “um muito” do que é possível aprender e se encantar. Entre a Tanzânia, Moçambique e Zâmbia está o coração caloroso do africano e a maior atração turística de Malaui, o lago Niassa, que tem como companhia várias aldeias ribeirinhas. A região é um convite a passeios e mergulhos.

Marrocos

Marrocos é um país cheio de contrastes e diversidade geográfica. Existem grandes cidades imperiais, montanhas, deserto, além de ser banhado por 2800km do Oceano Atlântico e 50km do Mar Mediterrâneo. O sol e a poeira do deserto do Saara fazem contraste com as medinas coloridas, antigos centros cercados de muralhas e cheios de comerciantes de todos os tipos. Os turistas devem ficar atentos aos comerciantes: eles vão tentar vender todo tipo de objeto. A cidade mais famosa não é a capital Rabat, e sim Marrakech, com seus hotéis, spas e resorts de luxo.

Em Marrakech existem diversos monumentos para visitar a partir da praça Djemaa El Fna e para dentro das ruas de medina (antigos centros comerciais e residenciais emuralhados). Djemaa el Fna é a maior atração da cidade e sua maior atração é toda a ação que acontece ali. O ritmo frenético dali exemplifica bem como funciona toda a cidade. Ao redor da praça estão lojas, restaurantes e cafés. De dia, é possível ver por ali encantadores de cobra, tatuadores de henna e barracas vendendo os famosos sucos de laranja. À noite, instalam-se ali barracas de comida e instrumentos tocados pelos marroquinos para apresentar ao turista as músicas regionais que servem de trilha sonora para a cidade.

Fes é a mais antiga das cidades imperiais e ali é lar da primeira universidade do mundo, a Al-Karaouine. A sua medina é a maior cidade medieval Islâmica do mundo que ainda “vive”. Embora tenha uma parte moderna, chamada Ville Nouvelle, são nas medinas que se concentram as maiores atrações. Fez El-Bali é Patrimônio da Humanidade pela Unesco e lá o exotismo torna o cenário único, com ruelas que parecem labirintos. Os bares, por seguirem os costumes islâmicos que proíbem a bebida alcoolica, servem chá, café, água e refrigerante.

Ainda não existem voos diretos entre Brasil e Marrocos. A alternativa mais fácil é ir a um país europeu e fazer conexão para cidades como Rabat, Marrakech ou Fes. Também é possível pegar ferries que saem de Algeciras, no sul da Espanha, e vão para Ceuta. Eles saem a cada hora e a viagem dura 40min.

É bom evitar viajar para lá no verão. Além de ser a época mais cheia, o calor é grande: as temperaturas podem chegar a 38 °C.

Malaui

O pequeno país localizado entre Tanzânia, Moçambique e Zâmbia pode até passar despercebido pela maioria dos turistas que visitam a região, mas não é por falta de atrativos. O local é conhecido como o coração caloroso da África, pois o povo é receptivo e pronto para ajudar os visitantes. Não é a toa que são conhecidos como o povo mais amigável do mundo com turistas.

A atração mais famosa do país é o Lago Niassa, que abriga diversas aldeias ribeirinhas cujos moradores vivem da pesca e mesclam a antiga cultura com a influência dos povos brancos. Por se localizar no Grande Vale de Rift, a quantidade de água dali chega a ser impressionante e atinge uma profundidade máxima de cerca de 750 metros. O turista pode aproveitar esse local fazendo um passeio de barco ou mergulhando nas águas.

São nove parques nacionais existentes no país que se orgulha das mais de 650 espécies de aves. 10% delas não podem ser vistas em outras partes da África Austral. Esses parques, como o Nyika National Park, Kasungu National Park, Liwonde National Park e o Parque Nacional do lago Malawi, são ótimos para realizar uma caminhada, trekking, passeio de barco, além de aproveitar as reservas de vida selvagem.

O Monte Mulanje, localizado na cidade de mesmo nome, é uma montanha impressionante. São 3 mil metros de altura que abrigam cascatas, florestas e formações geológicas. O turista aventureiro pode montar acampamento ali para curtir todos os cenários únicos.

A forma mais simples de viajar para o Malawi é voando para Lilongwe, mas as travessias por terra são mais comuns. O Malawi tem fronteira terrestre aberta com a Zâmbia e Tanzânia. Dá pra conhecer o país durante todo ano, já que as temperaturas são amenas.

 

 

Ver galeria . 7 Fotos MarrocosJose Ramalho/Divulgação
Marrocos (foto: Jose Ramalho/Divulgação )

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade