Publicidade

Correio Braziliense VACINA

Viagem saudável. Fique atento!

Proteja-se antes de viajar. É importante que o turista fique atento às exigências em cada país. Além de evitar doenças, impede a contaminação e a transmissão aos contatos quando retornar. Programe-se para cumprir os prazos


postado em 12/01/2019 10:00 / atualizado em 09/01/2019 17:23

(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)


Quem planeja fazer uma viagem internacional precisa ficar atento a alguns aspectos, como providenciar passaporte e visto, observar quais objetos pode levar na mala de mão, o peso das bagagens ou limite de compras no exterior. São tantos detalhes para pensar que alguns acabam passando batidos pelos viajantes, como a necessidade de vacinação.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é a responsável pela emissão do Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIPV), documento que comprova a vacinação contra doenças, incluindo a febre amarela, definidas no Regulamento Sanitário Internacional. Alguns dos países que exigem o documento são África do Sul, Austrália, China, México, Cingapura e Tailândia. Além disso, mais de 100 nações exigem a vacina contra a febre amarela.

Dados do Conselho Europeu de Assessoria em Saúde de Viagem apontam que 40% das pessoas que vão visitar outros locais procuram orientação médica momentos antes do embarque no avião ou de começar a percorrer a estrada. O documento também mostra que 20% das pessoas só marcam consultas com profissionais da saúde quando faltam menos de 14 dias para a viagem, e menos de 10% têm a carteirinha de vacinação atualizada.

(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

De acordo com José Geraldo Leite Ribeiro, professor da Faculdade da Saúde e Ecologia Humana (Faseh) e secretário do Departamento de Vacinas da Sociedade Brasileira de Pediatria, a vacinação para determinadas viagens internacionais é importante para não expor ninguém a uma série de doenças: “Ao sair de seu ambiente e se deslocar para condições epidemiológicas que não são de seu hábito, você acaba se expondo a vários males causados por agentes para os quais não tem imunidade. Além disso, pode retornar da viagem contaminado e transmitir a enfermidade a seus contatos. A vacinação é capaz de evitar esse processo”, explica.

Manuella Duarte, farmacêutica e sócia-administradora de uma clínica de vacinação, diz que o mais indicado é que as pessoas procurem pela orientação médica com pelo menos um mês de antecedência, para que sejam tomadas as doses das vacinas que estão faltando. Essa antecipação é importante, pois algumas das vacinas levam semanas para gerar a proteção almejada, por isso, devem ser tomadas ao menos 15 dias antes da viagem. “Já para as pessoas que viajarão ou fazer conexões em países que exijam a apresentação do Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP), é recomendado que verifiquem nos sites da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e no da Organização Mundial da Saúde (OMS) quais vacinas são indicadas para a visitação ao país de destino”, aconselha.

Diretriz

Em 2014, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou que fosse adotada a dose única para a vacina contra febre amarela e, após algumas avaliações realizadas pelo Ministério da Saúde, o Brasil acabou adotando essa diretriz. Então, quem tinha o CIVP não precisa trocá-lo ou renová-lo, e quem já foi vacinado, mas não tem o certificado, precisa agendar um horário em posto de saúde que faça a emissão do CIVP e apresentar o cartão de vacinação atualizado.

A OMS recomenda apenas uma dose da vacina contra febre amarela. O cartão é gratuito (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
A OMS recomenda apenas uma dose da vacina contra febre amarela. O cartão é gratuito (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

A emissão do documento é gratuita e é realizada nos Centros de Orientação para Saúde do Viajante da Anvisa, em portos, aeroportos e fronteiras. Além disso, desde 2011, o CIVP também pode ser emitido em Unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) credenciadas, como postos de saúde, hospitais e clínicas particulares credenciadas para essa finalidade.

Para quem não vai sair do país, mas quer explorar as belezas do litoral brasileiro, é prudente se imunizar com as vacinas contra a febre amarela, febre tifoide, hepatites A e B, poliomielite, difteria, tétano, coqueluche, meningite meningocócica, sarampo, caxumba, rubéola, varicela, tuberculose e diarreia do viajante (DV).

* Estagiária sob a supervisão da editora Teresa Caram, dos Diários Associados

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade