Publicidade

Correio Braziliense RELIGIÃO

Rotas de fé: a tradição na Páscoa

O feriado de Páscoa é mais que a doçura do chocolate e a fofura dos coelhinhos. A pausa é oportunidade para conhecer as tradições religiosas de outros países e renovar a esperança


postado em 27/03/2019 14:30 / atualizado em 27/03/2019 14:28

(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)


Depois do Natal, a Páscoa cristã é um dos momentos de maior celebração para os fiéis. De origem hebraica, Pessach significa passagem e simboliza a ressurreição de Jesus Cristo, que foi crucificado vivo no calvário. O professor de filosofia da religião da Universidade de Brasília, Agnaldo Portugal, explica que “a páscoa judaica comemora a passagem da escravidão do povo de Israel no Egito para a libertação rumo à terra prometida, sob a liderança de Moisés”. A história é narrada no livro do Êxodo na Bíblia, que “originalmente faz parte da Torá, um dos livros sagrados do judaísmo”.

Além de toda a história, alguns símbolos caminham de mãos dadas. O professor explica que o ovo e o coelho têm a ver com diferentes aspectos. “O ovo representa aquilo que aparenta estar morto, mas que contém vida, que surge de dentro. Já o coelho simboliza a vida e a fertilidade, que é a ideia principal da festa para os cristãos: a superação da morte pela vida”. Para Portugal, a justificativa pela variação anual da data no calendário se dá pela combinação solar e lunar. “É celebrada no primeiro domingo de lua cheia após o equinócio de primavera (no hemisfério norte)”.

Cada país, no entanto, tem uma tradição na forma de celebrar a data. Muitos deles costumam trocar ovos de chocolate, o que sempre é uma alegria para as crianças. O apelo comercial recebe muitas críticas, mas é quase impossível resistir às delícias da Páscoa. Segundo dados divulgados pela Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoim e Balas (Abicab), em 2018 foram produzidas mais de 11 mil toneladas de ovos e produtos de Páscoa — número 26% maior que o registrado no ano de 2017. Para este ano, a expectativa é positiva em relação às vendas.

Danilo acha importante celebrar a data(foto: Arquivo Pessoal)
Danilo acha importante celebrar a data (foto: Arquivo Pessoal)

Cada vez mais criativos, os chocolates ganham formato oval e se espalham nas prateleiras das lojas cercados de diversas estratégias para atrair o consumidor, com embalagens coloridas, sabores inusitados, artesanais ou industriais, texturas variadas, recheios que escondem brindes. Até adultos entram na mira do comércio, com ovos de tamanho maior e podem incluir uma bebida alcoólica. Mas é em sua raiz que a data revela um significado muito maior.

Danilo Felix, estudante, 26 anos, é católico. Desde que se converteu, há nove anos, busca viver a quaresma e o tríduo pascal — junção da sexta-feira santa, sábado de Aleluia e domingo Pascal — que celebra a morte e ressurreição de Cristo, seguindo a tradição. “Neste tempo de quaresma, a igreja nos convida ao jejum, à oração, e à penitência, práticas que são importantes para nos unir a Jesus Cristo, que sofreu durante 40 dias no deserto, submetido às tentações. Neste período, ficamos atentos a coisas que não deveríamos esquecer durante o ano, como a oração, a caridade”. Para ele, apesar de as questões comerciais mudarem o foco, é importante que o real sentido da data não se perca, “que é a paixão, morte e ressurreição de Cristo, a nossa espiritualidade e nossa intimidade com Deus”.

A tradição pascal se mantém viva nas diversas tradições dos países. Aproveite o feriado para conhecer algumas delas.

México

(foto: Wikipédia/Reprodução)
(foto: Wikipédia/Reprodução)


O hábito de não comer carne em todas as sextas-feiras se mantém durante o período da quaresma. Além disso, a encenação da Paixão de Cristo é símbolo das comemorações, principalmente em Iztapalapa, cidade que fica ao Sul e que se transforma em uma Jerusalém. No domingo, ao meio-dia, acontece o espancamento do boneco representado como Judas — apóstolo que traiu Jesus.

Jerusalém

(foto: Wikipédia/Reprodução)
(foto: Wikipédia/Reprodução)

Fundada há quase cinco mil anos, foi o lugar onde ocorreu a Paixão de Jesus Cristo. O berço do cristianismo guarda as marcas de uma época que pode ser vista de perto. Na quinta-feira, é relembrada a última ceia e celebrada a cerimônia do lava-pés. Na sexta-feira, é realizada uma procissão de representação da crucificação, morte e sepultamento de Jesus. O dia de Sábado Santo é marcado pela Cerimônia do Fogo Sagrado, em que milhares de pessoas se reúnem dentro e fora de uma igreja à espera de a vela do Patriarca se acender. Domingo, é celebrada a ressurreição de Jesus: há missas em praticamente todos os templos.

Grécia

(foto: Flickr/Reprodução)
(foto: Flickr/Reprodução)

Além de ter paisagens arrebatadoras, o lugar mantém firmes as tradições. Na quinta-feira da Semana Santa, os fiéis preparam o tsurekia, um pão caseiro em formato de trança semelhante a um panetone, para ser comido no domingo. Diz-se que o pão indica a ressurreição de Cristo, dada pela farinha depositada na massa. Sexta-feira acontece reflexão e vigília nas igrejas, que se encerra em coleta de flores e com uma procissão. O sábado é o dia em que as pessoas levam, da igreja às suas casas, velas em suas mãos, com a crença de que aquele ato gera a luz da ressurreição. No domingo, o grande almoço é o desfecho. O prato principal se dá pelo cordeiro no espeto.

Roma

(foto: Ricardo Monserrat/Estúdio 180 - 16/2/17)
(foto: Ricardo Monserrat/Estúdio 180 - 16/2/17)

Casa do pontífice da Igreja Católica. Na sexta-feira, começam as celebrações, com a via -crúcis — caminho que Jesus percorreu com a Cruz, no Coliseu, até o local de sua condenação. No sábado, é o dia da Vigília Pascal, na Basílica do Vaticano. Domingo, o papa celebra a Santa Missa, do Balcão Central da Basílica Vaticana, que atrai milhares de pessoas. O fim das comemorações é marcado na segunda-feira, quando é comemorada a ascensão de Cristo. Este dia é feriado, nomeado como pasquetta e, segundo a tradição, faz-se piqueniques e passeios pelo centro da cidade.

 

* Estagiária sob supervisão de Taís Braga

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade