Publicidade

Correio Braziliense PREVENÇÃO

Conheça as opções de seguro para se fazer uma viagem tranquila

Um contrato protege a sua saúde e a do seu bolso. Antes de viajar, adquira o serviço e, caso necessite de atendimento médico, o valor da conta não vai estragar o seu passeio


postado em 14/06/2019 10:00 / atualizado em 12/06/2019 15:51

(foto: Fernando Lopes/CB/D.A Press)
(foto: Fernando Lopes/CB/D.A Press)


“O seguro morreu de velho”. Provavelmente o ditado foi repetido em milhares de conversas como forma de aconselhar alguém ou lamentar um incidente. Seguindo o mesmo raciocínio, “é melhor prevenir do que remediar.” Filosofia popular à parte, um dos itens mais importantes ao se programar uma viagem é o seguro. Atualmente, existem serviços que asseguram o bem material e a vida do ser humano. Antes de sair pelo mundo, previna-se.

Um seguro de viagem consiste em garantir ao contratante ou a seu beneficiário assistência médica, hospitalar ou até mesmo em recurso de embarque, como extravio de bagagem. A cobertura se dá em território nacional e internacional. De acordo com um levantamento da ComparaOnline, marketplace de seguros e créditos, as buscas pela palavra-chave “seguro viagem” no Google cresceu cerca de 20% de 2017 para 2018. Disso se conclui que os brasileiros estão se preocupando mais com a saúde e com o bolso.

Brasileiros demonstram maior preocupação com assistência em viagens: número de seguros cresceu(foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press )
Brasileiros demonstram maior preocupação com assistência em viagens: número de seguros cresceu (foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press )

A professora de turismo da Universidade de Brasília Natália Aldrigue afirma que o contrato do seguro de viagem tanto para viagens nacionais quanto internacionais é de suma importância. “Nós nunca sabemos o que pode acontecer, e nosso maior bem é a nossa saúde, nosso corpo. As pessoas não devem viajar sem, pois o serviço de saúde no exterior não é gratuito. Em muitos países, até são gratuitos para cidadãos que pagam os impostos, mas para os turistas, são todos particulares e acaba saindo muito caro. Nós não contratamos um seguro esperando usá-lo, mas alguma eventualidade pode causar um mal-estar. Nunca sabemos o que pode acontecer”.

Despesas hospitalares, médicas e odontológicas são coberturas obrigatórias nas viagens ao exterior. Para as viagens nacionais, o seguro é opcional. A professora ressalta que os valores de cobertura de assistência médica são cobrados conforme o tipo de acordo contratado, variando de US$ 10 mil até US$ 1 milhão. O que muitas pessoas não sabem é que todos os planos incluem doenças preexistentes. Para isso, a empresa esclarece algumas dúvidas sobre a contratação do seguro para esse tipo de público, para que não fiquem desprotegidos durante uma viagem.

Os valores das coberturas dependem de fatores como o tempo de duração da viagem e o destino(foto: Monique Renne/Esp. CB/D.A Press - 1/11/06 )
Os valores das coberturas dependem de fatores como o tempo de duração da viagem e o destino (foto: Monique Renne/Esp. CB/D.A Press - 1/11/06 )

As companhias de seguro consideram como preexistente toda e qualquer doença que começou antes da viagem, independentemente se o segurado tinha conhecimento ou não. Por exemplo, se durante a viagem a pressão baixar e o diagnóstico for de anemia, mas o cliente nunca soube que tinha esse problema, o seguro viagem vai considerar como preexistente.

Dessa forma, as coberturas englobam doenças que podem gerar episódios ao segurado que figuram em um quadro clínico de emergência e urgência, limitados às despesas necessárias para que a pessoa se estabilize e consiga prosseguir a viagem ou retornar ao local de residência. Por casos emergenciais, entende-se aqueles em que é necessário atendimento imediato, pois corre risco de morte; e urgência são situações que exigem atendimento imediato por riscos de ter o quadro piorado, mesmo que ainda não apresentem risco de morte.

Doenças preexistentes podem gerar episódios a partir de estímulos inesperados(foto: Marty Martinez/Divulgação)
Doenças preexistentes podem gerar episódios a partir de estímulos inesperados (foto: Marty Martinez/Divulgação)

Se, por exemplo, o segurado possui diabetes e tem uma crise durante uma viagem, ele pode ser atendido e medicado para continuar viajando ou voltar para casa, caso se trate de uma emergência e/ou urgência. Porém, se for preferível consultar um médico, este custo deverá ser arcado à parte pelo cliente.”Para esses casos, é importante sempre se atentar ao tipo de cobertura que está sendo contratada e quais são os seus limites. É aconselhável também procurar coberturas maiores para que qualquer problema de saúde possa ser coberto, caso o turista tenha alguma crise durante a viagem”, explica Paulo Marchetti, CEO da ComparaOnline no Brasil.

Para contratar esse tipo de seguro, é preciso apenas verificar as condições do plano para doenças preexistentes, pois alguns oferecem cobertura de 100% das despesas médicas, mas outros limitam a um valor inferior. Em casos de planos que não têm uma cobertura muito alta para preexistência, o cliente pode contratar um upgrade. Para mais informações: www.comparaonline.com.br/.

Tratado

Em alguns países da Europa, estabeleceu-se o Tratado de Schengen. O acordo foi firmado entre os governos de 26 países com a política de livre circulação nas fronteiras entre os países-membros. Para isso, é obrigatória a contratação do seguro viagem no valor mínimo referente a 30 mil euros.

O que diz a lei
O serviço é previsto em Lei pelo Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP), fiscalizado pela Superintendência de Seguros Privados (Susep), autarquia vinculada ao Ministério da Economia, que se encarrega de controlar e fiscalizar os mercados de seguro, previdência aberta, capitalização e resseguro. A Resolução 315/2014 dá garantias ao contratante e norteia sobre as responsabilidades básicas que devem ser cumpridas na hora de fechar contrato.

Dicas

(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press )
(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press )

  • Ao definir o tipo de viagem, contrate o seguro com antecedência
  • Pesquise as opções em aplicativos comparadores
  • Verifique, em sites e no Procon, a avaliação da seguradora pelos usuários
  • Escolha uma seguradora confiável
  • Verifique os detalhes da cobertura
  • Viajantes frequentes podem receber vantagens
  • Negocie os valores, peça desconto
  • Fique atento: há desconto para pagamentos em boleto, por exemplo
  • Use o seguro do seu cartão de crédito. Verifique com a central de cartões

* Estagiária sob supervisão de Taís Braga

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade