Publicidade

Correio Braziliense ZARAGOZA

A outra capital da Espanha

A antiga metrópole do Reino de Aragão é pouco conhecida como destino turístico para viajantes da América Latina. Lá, nasceram Fernando de Aragão, Goya e o escultor Gargallo


postado em 08/08/2019 09:00 / atualizado em 07/08/2019 15:35

(foto: Fotos: Wikimedia Commons/Reprodução)
(foto: Fotos: Wikimedia Commons/Reprodução)


Quando o navegador Cristóvão Colombo chegou à América, a Espanha que conhecemos hoje teve duas capitais. Do Reino de Castela, onde estava a rainha Isabel e sua corte, e Zaragoza, a capital do antigo reino de Aragão permaneceu independente até 1707, e como uma entidade regional até 1833, com a unidade da Espanha. Situada a meio caminho entre Madrid e Barcelona, tem atraído cada vez mais visitantes que viajam em trens de alta velocidade entre as duas grandes cidades, principalmente pela facilidade de acesso. A parada permite descobrir os tesouros históricos da capital aragonesa.

Com 2 mil anos de história, Zaragoza foi originada na cidade romana de Cesaraugusta desde que se tornou a cidade mais importante no rio Ebro. Na verdade, suas atuais características históricas quase seguem a rota da antiga cidade romana.

Sob a atual Basílica da Virgem del Pilar, que durante anos foi a principal atração para os visitantes de Zaragoza, está o fórum romano antigo que foi redescoberto em 1990 durante as obras de construção de um parque de estacionamento subterrâneo. Hoje, como outrora, essa praça ainda é o epicentro histórico da cidade, onde estão o SEO e a Basílica del Pilar, duas visitas essenciais. Zaragoza é única cidade no mundo que tem duas catedrais.


Uma visita ao Museu Fórum Cesaraugusta, na Plaza del Pilar, pode ser uma excelente opção para iniciar uma caminhada pela cidade conhecendo suas origens. A entrada custa 3 euros e inclui um guia de áudio e audiovisual, que explica como foi a fundação da cidade. Ele faz parte do conjunto de cinco museus municipais que podem ser visitados por apenas nove euros. É possível comprar o bilhete combinado pelo site www.zaragoza.es/ciudad/museos/es/foro/tarifasyres.html.

Aqueles que desejam uma visita guiada da Zaragoza desconhecida, que começa desde os tempos romanos até o presente, a empresa Civitatis oferece o serviço pelo custo de 7 euros (www.civitatis.com/es/zaragoza). O conselho da cidade oferece o Zaragoza Cartão de turista por 18 euros permitindo o acesso a museus e monumentos da cidade, sem encargos adicionais, visitas guiadas, além de meios de transporte públicos.


Muçulmanos e cristãos

A presença da cultura muçulmana em Zaragoza é escassa, ou melhor, mantida com discrição, mas seu maior expoente é o Palacio de la Alfajería, palácio do governo atual de Aragão (www.cortesaragon.es). Encomendada pela Al-Muqtadir como a residência dos reis de hudíes Saraqusta, é o principal expoente do esplendor alcançado pelo reino muçulmano durante o período de seu apogeu político e cultural. Os passeios guiados pelo local custam 5 euros.

Com o advento do Cristianismo, e especialmente com a construção da Virgen del Pilar, Zaragoza tornou-se uma referência no mundo cristão. Tanto assim, que é uma das poucas cidades que possuem duas catedrais de renome, o SEO, Sé Velha e a Basílica del Pilar, que fica aberta até as 21h30 e é um dos mais importantes templos marianos na Europa. Em 12 de outubro, é comemorado o Columbus Day, o evento mais importante nesta catedral, quando milhares de pessoas vão a Zaragoza levar flores. A cidade, que por muitos anos era reduto de militares e caráter religioso, tem muitos outros templos de interesse histórico.


Comer e beber


Entre os dois museus, está a rua conhecida como “o tubo”, considerada um dos melhores locais da Espanha para comer tapas e provar vinhos. Lá está a porta Cinegia, por onde entraram os romanos há 2 mil anos, um portal que leva às experiências mais deliciosas da gastronomia local e do país. Não deixe de experimentar os produtos de Aragão. Prove o vinho Somontano e os presuntos Cariñena ou Teruel  (www.puertacinegiagastronomica.es/).


De Goya a Gargallo


Com a unificação da atual Espanha, a cidade perdeu alguma da sua importância, porém, lá nasceram importantes personalidades culturais, como Francisco de Goya, no lugarejo Fuendetodos. Um dos trabalhos mais conhecidos do artista, uma série de gravuras denominada Os desastres da guerra, foi criado após o período da guerra civil espanhola, desencadeada a partir da ocupação francesa ao país.

O Zaragoza Goya Museu, berço do famoso pintor, é outra atração no centro histórico da cidade. O museu oferece uma viagem através do trabalho e da visão do famoso pintor espanhol, incluindo pinturas de artistas que o influenciaram e foram referências ao seu trabalho.

Também localizada na zona histórica, a Fundação Ibercaja é um palácio cujo porão abriga uma sala de triagem para a vida e o legado do famoso pintor aragonês. Ele ainda guarda ruínas romanas que são cuidadosamente preservadas. No local, é possível fazer um passeio pela história da pintura de grandes mestres, alguns deles latino-americanos, como o equatoriano Oswaldo Guayasamín, que ganhou destaque com seus murais e pinturas em afrescos. Ele também é lembrado pelos retratos de figuras políticas como também pelos retratos de figuras políticas e intelectuais, como o ditador cubano Fidel Castro, o ex-presidente francês François Mitterrand, o escritor colombiano Gabriel García Márquez e o presidente brasileiro Juscelino Kubitschek.

Não muito longe do centro, o Museu Pablo Gargallo, criado em um palácio renascentista, é uma das grandes atrações culturais da cidade. Ele guarda obras do autor, como O grande Messias ou Kiki de Montparnasse. Trata-se de um museu dedicado, declarado patrimônio nacional e que recebeu o Certificado Herity graças à excepcionalidade da sua coleção e pelas modernas instalações, que facilitam o aprofundamento na vida e na obra do artista.


Serviço

  • Visita guiada Civit ATIS (7 euros) —  www.civitatis.es
  • Zaragoza cartão (18 euros por 24 horas) —  www.zaragozacards.com/es/
  • Posto Alfajería Hall (5 euros) —  www.cortesaragon.es
  • Ônibus de Barcelona ou Madrid  (a partir de 22 euros) — www.trabber.es

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade