Publicidade

Correio Braziliense

Paixão à primeira vista, Natal muito além do mar

São mais de 400km de praias de águas mornas e límpidas. No entanto, a capital do Rio Grande do Norte, sexto menor estado brasileiro, oferece mais que o mar. Lá tem alegria, cultura, gastronomia...


postado em 28/08/2019 04:08 / atualizado em 30/08/2019 23:23

(foto: Vlademir Alexandre/MTur)
(foto: Vlademir Alexandre/MTur)


Largos pneus movidos por motores nervosos fazem a areia voar num rastro brilhante. O vento carregado de maresia acaricia o rosto em que o sorriso oscila entre a euforia e um punhado de medo. O sobe e desce acelerado em meio às curvas sinuosas das dunas levam os mais velhos a regredirem às emocionantes descobertas da remota infância, enquanto as crianças se sentem capturadas por um mundo de aventuras até então restrito aos filmes de heróis adultos. As primeiras horas de um turista em Natal, capital do Rio Grande do Norte, são suficientes para arrebatar corações forasteiros, seduzidos por paisagens exuberantes em que rios, mar, praias e matas compõem o cenário de uma viagem memorável.

O sexto menor estado brasileiro, entre 27 unidades federativas, apresenta atrativos turísticos em ordem inversamente proporcional à área territorial que ocupa. Ao longo de aproximadamente 52.811km², o que equivale a 0,62% da superfície do Brasil, o potiguar — que em tupi-guarani significa “comedor de caranguejo” — tem o privilégio de desfrutar e oferecer aos visitantes cinco circuitos de passeios, cada um com características bastante peculiares: Costa das Dunas, Costa Branca, Agreste Trairi, Serrano e Seridó. “Essa classificação foi estabelecida a partir de estudos feitos por um grupo multidisciplinar, com o objetivo de mapear desde os aspectos históricos e culturais, até as belezas naturais que tanto encantam as pessoas que viajam ao nosso estado. Temos atrativos que vão do litoral às serras mais interioranas”, explica Ana Maria da Costa, secretária de Turismo do Rio Grande do Norte.

Turismo


Com visitação anual estimada em cerca de 2 milhões de pessoas e acesso privilegiado para a Europa, pois se localiza no extremo leste do país — tornando a viagem mais curta (algo em torno de seis horas de voo) —, Natal é destino seguro para quem busca clima tropical e águas límpidas, além de uma culinária de extremo sabor. Entre os circuitos preferidos dos turistas, a rota da Costa das Dunas desponta como portal de acesso para mais de 400km de praias. Ao todo são 16 municípios, que encontram no turismo uma das forças propulsoras da economia local, gerando emprego e renda por meio das redes hoteleira, de restaurantes e de outros inúmeros serviços aos visitantes — do transporte aos aluguéis de equipamentos esportivos.

 

 

Dunas e aventuras

 

 

(foto: Fernando Brito/CB/D.A Press)
(foto: Fernando Brito/CB/D.A Press)


Ao custo de R$ 465, em veículo com capacidade para até cinco pessoas (incluindo o motorista),  o passeio de buggy pelas dunas de Genipabu é um tópico obrigatório no roteiro de qualquer viajante a Natal. Com opção de fazer um circuito emocionante — com direito a derrapadas e arrancadas alucinantes — ou apenas uma travessia serena e relaxante, os turistas se encantam em paradas para banhos em lagoas, acessadas por meio das divertidas descidas de esquibunda (uma pequena prancha deslizando sobre a areia) ou aerobunda (uma espécie de tirolesa). Em meio a isso, impressiona a sagacidade do espírito empreendedor do potiguar, que, com computadores carregados por baterias de automóvel e câmeras de excelente qualidade, oferecem aos turistas, quase que em tempo real, imagens das peripécias nos suntuosos bancos de areia. As recordações saem pela bagatela de R$ 15.

Atualmente, Natal conta com 720 condutores credenciados de buggy para atendimento aos turistas. Todos são submetidos a um treinamento específico para garantir segurança nos passeios e as rotas têm sentido único, com o objetivo de evitar acidentes. Antigamente, os veículos eram feitos de forma artesanal, com adaptações a partir dos chassis de Fusca ou Brasília. Hoje, a maioria dos veículos sai montada diretamente da fábrica Selvagem, sediada no município de Parnamirim, com carroceria original em plástico reforçado com fibra de vidro, motor Volkswagen 1.4 cilindradas refrigerado à água, flex, tração nas rodas traseiras, além de freios a disco na dianteira e tambor, na parte de trás. Uma estrutura ideal e de baixo custo de manutenção para o ambiente praiano. Um 0km custa cerca de R$ 55 mil.

(foto: Fernando Brito/CB/D.A Press)
(foto: Fernando Brito/CB/D.A Press)

Desde de 1988 no ramo, o ex-bancário Osmar Raposo, 49 anos, se diz satisfeito em conduzir os turistas pelos passeios de buggy. “Sustentei minha família assim. Não posso reclamar da vida. Tenho um excelente escritório. Ocorreram períodos de maior ou menor lucratividade, mas, atualmente, temos uma associação bem organizada e a tendência é de melhora para todos. Sinto-me recompensado em ver os visitantes felizes após o passeio”, comenta.

Como nem tudo é perfeito, o ponto negativo do passeio pelas dunas fica por conta da exploração do trabalho de animais. Em tempos de respeito às questões ecológicas, parece um tanto antiquado e fora de contexto observar turistas sobre o lombo de dromedários e jegues, submetidos o dia inteiro sob o Sol escaldante a lidar com humanos orgulhosos de esdrúxulas poses para fotos.

Refúgio da vida silvestre

 


No município de Extremoz, na região metropolitana da capital potiguar, o Aquário Natal é um exemplo de respeito aos animais e ponto de referência para pesquisa e educação ambiental. No local, sob orientação de guias treinados, diversas espécies aquáticas e terrestres são apresentadas ao público — tem até pinguins. O espaço atua ainda na reabilitação de inúmeros bichos que são encontrados nas praias e nas estradas do estado. Resgatados, recebem cuidados veterinários e, após um período de observação, são devolvidos à natureza. Um programão para fazer com a criançada. Vale a pena visitar. Os ingressos custam a partir de R$ 15 (meia-entrada em dinheiro).

 

 

Encontro com o luxo

(foto: Fernando Chiriboga/Divulgação)
(foto: Fernando Chiriboga/Divulgação)

Recém-inaugurado na Praia de Ponta Negra, o Vogal Hotel tem padrão cinco estrelas e se propõe a oferecer uma experiência luxuosa aos hóspedes. O empreendimento demorou mais de 10 anos para ter as obras concluídas e custou cerca R$ 85 milhões. Todos os quartos têm vista para o mar e há uma ampla área de convivência com piscinas, sauna e academia. O café da manhã tem cardápio variado e saboroso de frutas, sucos, massas e proteínas servidos em sequência. O espaço conta ainda com spa, o restaurante francês Le Château — onde a entrada de crianças não é permitida — e salas para eventos e reuniões corporativas. A diária mais em conta custa R$ 1.150, enquanto uma noite na suíte presidencial sai por R$ 4.025. (FB)

 



* O repórter viajou a convite do Sebrae, por meio do projeto Investe Turismo RN — Rota Natal e Litoral, em parceria com o MTur, Embratur, Secretaria de Turismo do RN, Emprotur e ABIH-RNua

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade