Publicidade

Correio Braziliense

Para além da cerveja

País conhecido pela qualidade da bebida é um dos mais visitados da Europa como roteiro histórico e cultural. Com boa estrutura hoteleira, guarda cidadelas encantadoras, com paisagens impressionantes


postado em 09/12/2019 10:00 / atualizado em 05/12/2019 11:04

(foto: PxHere/Reprodução)
(foto: PxHere/Reprodução)


Que a cerveja é uma das paixões do brasileiro,  não há dúvida. Por esse motivo, ao planejar uma vigem às terras germânicas, um roteiro que não pode faltar é saborear a bebida alemã, considerada uma das melhores do mundo. O país, no entanto, está em terceiro lugar no consumo da bebida por ano. Os alemães bebem anualmente, em média, 107 litros por pessoa. Os brasileiros estão em 17º no ranking, com uma média de 62 litros por pessoa, por ano. De fato, no país estão muitas das mais renomadas cervejarias do mundo. Mas há muito mais em terras germânicas a se saborear além da bebida feita de malte — só para ficar no ramo da gastronomia, o joelho de porco assado é imperdível, e é uma opção para quem quer conhecer mais que os tradicionais salsichões.

Porém, a Alemanha tem muito mais a oferecer. Com uma população que ultrapassa os 80 milhões de habitantes, o país tem mais de 2 mil anos de história e guarda uma cultura tradicional, grandes monumentos, paisagens encantadoras, cenários artísticos e um povo acolhedor e divertido. A vida noturna  é agitada em diversas cidades. Para visitar o país, o brasileiro não precisa de visto. A infraestrutura turística oferece hotéis e restaurantes de boa qualidade e pessoal bem treinado para facilitar a vida do visitante. O inglês é utilizado como segundo idioma.

Inovação e tradição andam lado a lado nas metrópoles. Joias seculares estão escondidas em cidadelas charmosas. Tudo isso interligado por um eficiente sistema ferroviário, que encurta distâncias e torna a jornada muito mais agradável. A cosmopolita Berlim e a badalada Munique são pontos de parada obrigatórios para todo turista. Mas não se contente com elas, nem com as rotas tradicionais. Pelo caminho, há diversas paragens que enriquecem o roteiro e aquecem o coração dos viajantes com cenários que ficarão marcados na memória.

Munique 

 

(foto: Kelen Cristina/Estado de Minas)
(foto: Kelen Cristina/Estado de Minas)


A capital bávara é famosa pela centenária Oktoberfest, que dura duas semanas e, acredite, não agrada apenas aos cervejeiros de plantão. Ladeando os pavilhões das cervejarias (com capacidade para mais de 1 mil pessoas), há barracas de comidas típicas e um colorido parque de diversões com inúmeros brinquedos para todas as idades. Fora do roteiro tradicional de Munique, há atrações bem pitorescas, como o surfe nas “ondas” do Rio Eisbach, no Jardim Inglês — um dos maiores parques urbanos do mundo, com mais de 400 hectares.


Colônia 

(foto: Kelen Cristina/Estado de Minas)
(foto: Kelen Cristina/Estado de Minas)

Cortada pelo Rio Reno, a cidade tem como principal cartão-postal sua catedral, declarada patrimônio da humanidade pela Unesco. Entre as preciosidades da igreja, em estilo gótico, datada de 1880, está uma arca contendo os restos mortais dos reis magos, o que fez de Colônia um dos destinos de peregrinação mais importantes da época medieval. Outra curiosidade: a catedral resistiu bravamente a nada menos que 14 bombardeios durante a Segunda Guerra Mundial.


Hamburgo 

(foto: Kelen Cristina/Estado de Minas)
(foto: Kelen Cristina/Estado de Minas)

Famosa pelos canais, a cidade que tem o maior número de milionários entre a população da Alemanha pode não estar na lista de muita gente, mas deveria. Com construções imponentes, encanta aos olhos. No excêntrico Bairro de Saint Pauli, a Beatles Platz eterniza os Beatles com uma escultura em metal dos garotos de Liverpool. A obra está ali porque foi em um clube situado naquela localidade que a banda inglesa fez uma de suas primeiras apresentações.


Frankfurt 

(foto: Kelen Cristina/Estado de Minas)
(foto: Kelen Cristina/Estado de Minas)

Quem vai a Frankfurt acreditando encontrar apenas um dos centros financeiros mais importantes do mundo — é a casa, por exemplo, do Banco Central Europeu — vai se surpreender. Além de modernos arranha-céus, a cidade abriga muitas construções históricas e uma das mais belas praças da Alemanha, a Römerberg, com seus prédios coloridos, com a típica arquitetura alemã.


Heidelberg 

(foto: Kelen Cristina/Estado de Minas)
(foto: Kelen Cristina/Estado de Minas)

Conhecida por seu castelo (de onde se tem uma vista privilegiada da cidade) e pela universidade, a mais antiga da Europa e uma das mais prestigiadas do mundo, a pequena Heidelberg é considerada uma das mais românticas cidades alemãs. Situada no vale do Rio Neckar, não por acaso recebe 3 milhões de turistas por ano e merece muito mais do que um bate e  volta de trem.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade