Turismo

Paraíso mediterrâneo

Cercada pelo mar de um azul cristalino e construções antigas, a ilha tem cenários paradisíacos. Nas ruas estreitas, em tons amarelados, está a história de mais de cinco mil anos

Pedro Lovisi*/Estado de Minas
postado em 29/01/2020 04:09

Casas de pedra em viela antiga

Não, Malta não é na Itália. Situada a aproximadamente 100 quilômetros abaixo da Sicília, a Ilha de Malta é um país independente desde setembro de 1964, quando se decretou politicamente livre da Inglaterra. Banhada pelo Mar Mediterrâneo, com ruas estreitas e unicolores lotadas de cafés e restaurantes, Malta extravasa charme e beleza. Talvez por isso as construções da ilha, quase todas com um tom amarelado, serviram de cenários para diversos filmes e séries de época, como Gladiador (2000) e Game of thrones.

Malta tem origem no Período Neolítico ; cerca de 5 mil anos atrás. Apesar da longevidade, ainda é possível se deparar com destroços de templos milenares, construídos em homenagem à Deusa da Fertilidade. Após isso, cartagineses, romanos e bizantinos também deixaram suas marcas na ilha.

Os árabes também fazem parte da história de Malta, chegando à ilha em 870 d.C.. Anos depois, normandos e aragoneses conquistaram a ilha, anexando o controle de Malta ao da região que hoje é chamada de Sicília. No entanto, em 1530, Malta se tornou soberana e a beleza da ilha atraiu artistas como os pintores italianos Caravaggio, grande nome do estilo barroco, e Mattia Preti, conhecido pela criação de afrescos no mesmo estilo, que realizaram várias obras no país.

Duas mulheres em banca de doces
Preti, inclusive, foi ordenado cavaleiro da ordem de Malta pelo papa Urbano VIII. Valletta, a capital de Malta, abriga inúmeras construções do barroco. Em 1980, a Unesco classificou a cidade como patrimônio mundial. Com mais de quatro mil anos de história, Mdina é a antiga capital de Malta. Suas ruas são cercadas de construções da arquitetura medieval e barroca.

A localização estratégica de Malta também foi motivo para a tentativa de invasão pela tropa de Napoleão Bonaparte, em 1798. Entretanto, a ascensão francesa na ilha não durou muito e, em 1800, os ingleses tomaram a região e a governaram até 1964.

Escadaria de pedra com casas antigas ao redor e vasos de plantas
Atualmente, nas ruas de Malta escuta-se um pouco de tudo, mas as línguas oficiais são o maltês e o inglês. A linguagem nativa é uma mistura de italiano com árabe, mas não se engane, brasileiro: apesar de o italiano fazer parte do dialeto maltês, é praticamente impossível compreender algum texto ou conversa maltesa se você nunca tiver estudado a língua. No máximo, entenderás o internacional ciao.

O maltês é difícil, mas na ilha quase todos falam inglês. O sotaque é evidente e, às vezes, gera complicações na hora de comprar algo no supermercado ou pedir uma cerveja no bar.

Se você é daquele tipo de pessoa que necessita ver um sorriso no rosto pela manhã para passar o dia bem, é melhor evitar entrar em certas lojas ou contratar algum serviço na ilha. Em Malta, aquele papo de que vendedor deve agradar o cliente não funciona muito bem. Mas, como tudo na vida, toda regra tem sua exceção e também é possível encontrar malteses bem-humorados e acolhedores.

Sistema britânico

Prédios antigos sendo reconstruídos e guindaste ao fundo

Apesar de ter se autoproclamado independente da Inglaterra em 1964, Malta concedeu território para o Exército britânico até 1979, mantendo laços que perpetuam até hoje. A ilha adota o sistema britânico de administração pública, educação e legislação. Além disso, a maioria dos produtos comercializados em Malta são importados principalmente da Itália e da Inglaterra.

Em maio de 2004, o país entrou na União Europeia e em janeiro de 2008 na Zona do Euro. Desde então, Malta começou a se desenvolver e a atrair indústrias e investimentos. Atualmente, é impossível andar na ilha sem perceber as obras em andamento, principalmente na região turística.

Na ilha, encontra-se muita oportunidade de emprego, principalmente no verão, quando a população cresce bastante com o boom de turistas. No entanto, a maioria das vagas é para serviços com baixa qualificação e, por isso, atraem mais imigrantes do que os próprios malteses.

Atualmente, de acordo com o Gabinete de Estatísticas da União Europeia, organização que produz dados para a União Europeia, o desemprego em Malta beira os 3,5% ; quarto menor índice da Zona do Euro, atrás da República Tcheca, Alemanha e Holanda. (PL)



Malta em números


População

483.530
habitantes

PIB

US$ 14,542
milhões

Expectativa de vida

82
anos

Índice IDH

29;
(2018 ; Banco Mundial)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação