Publicidade

Correio Braziliense

Cenário de filme

A maior praça medieval da Europa é um ponto de encontro entre a população e os visitantes. São 40 mil metros quadrados no centro histórico da cidade


postado em 12/02/2020 15:40 / atualizado em 12/02/2020 16:09

(foto: Elton Pacheco/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Elton Pacheco/Esp. CB/D.A Press)

 

Especial para o Correio 


A polonesa Anna Strczek, 35 anos, viveu em um prédio que tinha mais de um século quando nasceu, em uma ruazinha no centro histórico chamada Szlak. “Nós não tivemos a nossa história bombardeada, os prédios antigos ainda estão todos lá e a arquitetura foi preservada. Se Cracóvia tivesse sido atacada, a minha criação teria sido totalmente diferente, porque eu não teria as experiências que tive na infância”.

Ela lembra que seu bisavô teve de deixar a casa durante a guerra, mas quando retornou ela estava lá, intacta. “Ele pôde recomeçar a vida de onde tinha parado. Essa foi a realidade de muita gente e, se a cidade tivesse sido atacada como outras, eles teriam de recomeçar do zero ou ir para outro lugar. De certa forma, foi mais fácil retomar a vida depois da guerra”, diz.

Há quatro anos morando em Lisboa com o namorado brasileiro, Anna se lembra da rotina em um dia típico da cidade natal. “Começamos o dia com um pretzel chamado Obwarzanek.  Todo mundo come quando está indo para o trabalho. As velhinhas ficam na rua vendendo em carrinhos desde as 6h da manhã. O nosso pretzel é diferente dos outros porque, apesar de ser salgado, ele é cozido na água doce. Depois, é coberto com sementes, em geral de papoula, ou cristais de sal”.


Os poloneses almoçam tarde, por volta das 14h e 15h e é comum procurarem opções populares. “Quando o tempo está bom, nós vamos à praça principal para encontrar com amigos e beber. As mulheres da cidade bebem cerveja de um jeito diferente do Brasil. Nós gostamos de adicionar extratos de fruta adocicados, assim a cerveja fica doce e tem um sabor diferente”.

A praça a que Anna se refere está na Cidade Velha, que é patrimônio cultural da humanidade desde 1978. Chama-se Rynek Glówny e é outro exemplo de preservação. Não apenas porque é ponto de encontro de famílias, amigos, turistas e estudantes, mas porque sua história data de 1257, ano da finalização de sua construção — e é até hoje a maior praça medieval da Europa com 40 mil metros quadrados. É o local perfeito para apreciar a vista, fazer boas compras, tomar um café ou jantar em um dos restaurantes disponíveis.

É lá onde está a Basilica Santa Maria, datada do século 14. Ela possui duas torres de diferentes tamanhos que, dizem os poloneses, foram resultados do ciúme de dois irmãos, responsáveis pela construção. Um assassinou o outro quando percebeu que sua construção não estava tão grandiosa quanto a do parente. Um fato interessante é que, todos os dias, a torre mais alta ecoa um som de trombeta que se encerra de repente: para lembrar o trompetista que teve a garganta perfurada por uma flecha atirada por um invasor.


O bairro judeu de Kazimierz é um dos locais mais agitados e boêmios da cidade, com marcas da presença judaica por todas as partes, das intervenções artísticas nos muros de prédios ao cemitério sem cruz que se encontra por lá. Mas o bairro também guarda a história de perseguição aos judeus, desmantelamentos de sinagogas e um passado de violência. A 70 km dali, está Oswiecim, cidade que teve seu nome apagado da história para dar lugar ao equivalente alemão de Auschwitz. No hoje Museu do Holocausto, as pessoas caminham em passos lentos para visitar o campo de concentração nazista que vitimou 1,3 milhão de pessoas, a maioria delas polonesa e judia.

Muitos dos rostos das vitimas, exibidos nas paredes do museu em preto e branco, estão ganhando cores graças ao trabalho de colorização de uma brasileira. O projeto, chamado de Faces of Auschwitz, é de autoria de Marina Amaral, em parceria com o museu polonês. Entre as vítimas que coloriu, está Czesawa Kwoka, morta aos 14 anos quando recebeu uma injeção letal no coração, em março de 1943.

Marina devolveu cores ao seu rosto, por conta desse projeto. Faces de Auschwitz vai, em breve, se tornar um documentário. Outra sugestão para resgatar os horrores do holocausto é a região industrial onde se encontra a fábrica de Oskar Schindler, que inspirou o diretor norte-americano Steven Spielberg a rodar, em 1993, o filme A lista de Schindler. Muitos turistas se aglomeram para aprender a história do industrial que salvou centenas de judeus durante a Segunda Guerra.

Cracóvia é daquelas cidades que respiram história e poesia. Como escreveu Wisawa Szymborska, em um de seus textos mais famosos Ocaso do século, “coisas demais aconteceram, que não eram para acontecer. E o que era para ter sido, não foi. Era para ter sido melhor que os outros o nosso século 20. Agora já não tem mais jeito, os anos estão contados, os passos vacilantes, a respiração curta. Era para se chegar à primavera e à felicidade, entre outras coisas.”. Está aí uma das provas de que o patrimônio de Cracóvia estará pra sempre muito além do que se vê, mas do que se percebe.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade