CCJ do Senado pode limitar voto aberto apenas em casos de cassação

Depois de votada, a proposta deve ser imediatamente encaminhada ao Plenário da Casa onde terá que passar por dois turnos de votação

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 05/09/2013 13:55

Na próxima quarta-feira (11/9), a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado deve votar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 43/2013, que estabelece o voto aberto em todas as votações do Congresso, de assembleias legislativas, da Câmara Legislativa do Distrito Federal e das câmaras de vereadores. A expectativa do relator da proposta, senador Sérgio Souza (PMDB-PR), é concluir e enviar cópia do relatório aos senadores no fim da tarde de terça-feira (10) para facilitar a discussão. Depois de votada na CCJ, a proposta deve ser imediatamente encaminhada ao Plenário da Casa onde terá que passar por dois turnos de votação.


Souza garante que vai defender o voto aberto em todas as situações, tal como foi aprovado na Câmara, mas admite que, como a matéria não é consensual na Casa, pode ser que a saída seja votar, no plenário, o texto defendido pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), de voto aberto apenas para casos de cassação de parlamentares. Assim, o exame de vetos presidenciais e de indicação de autoridades – como ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e embaixadores, ficam fora da proposta para serem debatidos posteriormente, em outra PEC.

“O presidente do Senado tem preocupação em dar uma resposta à sociedade. Não há consenso entre os senadores”, defendeu o relator. Para ele, a limitação do voto aberto pode ser justificada pelo fato do STF estar prestes a decidir sobre a nulidade da sessão que absolveu o deputado Natan Donadon (sem partido-RO). “Pode ser que daqui uns dias a Câmara tenha que repetir esse mesmo modelo de votação (secreta) para cassação de parlamentares condenados no processo do mensalão [Ação Penal 470]. Nós não podemos correr risco de um resultado como aquele se repetir”, alertou Sérgio Souza.

O presidente do Senado disse nesta quinta-feira (5) que já tem o apoio do presidente da Câmara, Henrique Alves (PMDB-RN), para esse encaminhamento. “Nós defendemos o voto aberto. Esse processo de transparência é irreversível, mas não pode haver, nesse momento, voto aberto para apreciação de vetos: o Congresso não derrubaria mais nenhum veto, porque haveria um monitoramento político do governo e não é prudente fazer voto aberto para aprovação de ministros e para procurador-geral da Republica”, afirmou Renan Calheiros. Entre os senadores que defendem voto aberto para todas as situações está o líder do PT, Wellington Dias (PI). Para ele, mesmo em votações de vetos presidenciais e em indicação de autoridades e chefes de missões diplomáticas, “é importante ter coragem e não temer possíveis represálias”.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Silvio
Silvio - 06 de Setembro às 07:41
Desde os líderes da duas casas até os mais sem-vergonhas,estão todos no mesmo barco e imbuidos de más intenções para praticarem atos que beneficiem o que interessa ao govêrno,e os poucos parlamentares de boa estirpe são votos vencidos,mas temos que mudar esta realidade,voltando as ruas.Avança Brasil.
 
Silvio
Silvio - 06 de Setembro às 07:36
Os senadores e deputados estão prestes a fabricar mais uma jabuticaba(que só existe no Brasil),tentando se esconder atráz do voto secreto,como se a sociedade brasileira tivesse interesse nisto,pois então é somente moeda de troca com o governo federal para permanecerem no anonimato e assim procederem.
 
Anilton
Anilton - 05 de Setembro às 17:33
O povo exige: Voto aberto, sem exceção.
 
Leonardo
Leonardo - 05 de Setembro às 15:13
PIADA!
 
aparecida
aparecida - 05 de Setembro às 15:01
Voto secreto para que, o povo clama por voto aberto, só assim saberemos com transparencia como vota nossos representante, é muito justo sabermos como vota o nosso representante, que recebem seus salários as custas dos nossos impostos