Coronavírus em frango oferece pouco risco, mas é preciso cuidado, alertam especialistas

Segundo virologista, causador da COVID-19 não resiste a altas temperaturas do cozimento das carnes, mas deve se evitar participação de contaminados na produção da indústria e frigoríficos

Paulo Galvão - Estado de Minas
postado em 13/08/2020 17:11 / atualizado em 13/08/2020 17:11
 (foto:  Apu Gomes/AFP))
(foto: Apu Gomes/AFP))

O anúncio de autoridades da China, nesta quinta-feira (13/), de que foi detectado o novo coronavírus em frangos importados do Brasil e camarões procedentes do Equador não devem assustar a população. Segundo especialistas, não há evidências de transmissão da COVID-19 por alimentos, ainda mais depois de cozidos.

As autoridades chinensas informaram que submeteram imediatamente a exames as pessoas que tiveram contato com os produtos que estariam contaminados, assim como seus parentes. Todos os testes apresentaram resultado negativo, segundo o comunicado.

De qualquer forma, é recomendado o máximo cuidado no contato com os alimentos. Seja durante a produção, pelos funcionários dos frigoríficos, seja em casa, pelo consumidor final.

“Temos duas questões aí. Uma é que o vírus não tolera altas temperaturas e também não sobrevive ao PH ácido do estômago. Porém, se partículas viáveis do vírus entrarem em contato com as mucosas nasais, acredito que possa haver risco”, diz a virologista Jordana Coelho dos Reis, da UFMG.

Ela ressalta que um parecer mais minucioso dependeria de saber qual a quantidade de coronavírus foi encontrada nas asas de frango congeladas exportadas do Brasil para a o país asiático. Mas vê que, de qualquer que seja o montante, mostra que o controle de qualidade falhou.

“O ideal é que a indústria testasse seus funcionários semanalmente, mas a gente sabe que isso não ocorre. E que muitos empregados escondem os sintomas por medo de demissão, além de haver assintomáticos”, pondera a médica.

Um alerta das autoridades é que a indústria de carnes já foi responsável por outras epidemias. Não à toa, muitas das doenças são batizadas com nomes referentes a isso, com Gripe Aviária e Gripe Suína, como bem lembra Jordana.

Comércio afetado

A contaminação de frango brasileiro pode provocar uma nova queda das exportações brasileiras para a China.Em fevereiro de 2019, Pequim passou a aplicar por cinco anos tarifas antidumping ao frango brasileiro, que vão de 17,8% a 32,4%.
Continua depois da publicidade

O Brasil, maior produtor mundial de carne de frango, era até 2017 o principal fornecedor de frango congelado para a China, por um valor que se aproximava de um bilhão de dólares por ano e um volume que representava quase 85% das importações do gigante asiático.

Minas é o quinto estado na produção avícula no Brasil, com participação de 8,3% no rebanho efetivo e cerca de 122 milhões de cabeças. As exportações de carne de frango de janeiro a junho deste ano tiveram incremento de 17,2% em volume, em um total de 51,7 mil toneladas, resultando em receita de US$ 86,5 milhões (cerca R$ 450 milhões). O consumo per capita doméstico é de 43kg.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação