Anvisa autoriza 4º teste de vacina

MARIA EDUARDA CARDIM RENATA RIOS
postado em 18/08/2020 23:36 / atualizado em 18/08/2020 23:54

Ontem, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou ensaios clínicos de mais uma vacina contra a covid-19 no Brasil a partir de setembro. A imunização é desenvolvida pelo laboratório Janssen-Cilag, braço farmacêutico da Johnson & Johnson. Os testes serão feitos em São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Bahia e Paraná com 7 mil voluntários.


Em fase 3, na qual eficácia e segurança da imunização serão analisadas em grandes grupos de pessoas, o ensaio da vacina batizada de Ad26.COV2.S segue o modelo randomizado, duplo cego, controlado por placebo. Ou seja, os voluntários não saberão se receberão a dose do imunizante. O recrutamento dos participantes é responsabilidade dos centros que conduzem a pesquisa.


Os estudos da fase 1 e 2 da vacina tiveram início no mês de julho em dois países: Estados Unidos e Bélgica. “O ensaio clínico de fase 3 aprovado será conduzido em etapas e cada etapa só será iniciada se os resultados que estiverem disponíveis no momento, obtidos no estudo de fase 1/2 e no próprio estudo de fase 3, forem satisfatórios para a continuidade do estudo”, destacou a Anvisa.


Antes de aprovar o ensaio clínico, a agência realizou reuniões com a equipe da Janssen, para alinhar todos os requisitos técnicos necessários para a condução dos testes. Atualmente, outras três vacinas são testadas no Brasil. A imunização da chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan; a vacina da Universidade de Oxford, que também está sendo aplicada em fase 3 do estudo; e o imunizante resultado da parceria entre a companhia alemã BioNTech e a multinacional Pfizer.

Paraná

O governo do Paraná se adiantou e instituiu comitê técnico de cooperação para pesquisa, desenvolvimento, testagem, fabricação e distribuição de vacina contra o novo coronavírus. “O Paraná já estabeleceu os primeiros contatos com laboratórios da China e da Rússia. Mas esse comitê também vai servir para conhecer outros estudos que estão em andamento em todo o mundo”, declarou o governador Carlos Massa Ratinho Junior.


Na última semana, o governo do Paraná assinou um memorando de entendimento com o Fundo de Investimento Direto da Rússia, que deixa aberta a possibilidade de realização de testes, produção e distribuição da vacina desenvolvida pelo Instituto Gamaleia, batizada de Sputnik 5. O estado também assinou um termo de cooperação técnica e científica com a China para iniciar a testagem e a produção de vacina da Sinopharm. A Anvisa, contudo, disse que ainda não recebeu os protocolos para aprovação dos possíveis estudos.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação