ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA

PF prende 'coiote' que falsificava documentos para imigração ilegal

Operação Chacal foi deflagrada neste sábado (5/9); foram cumpridos um mandado de busca e apreensão e dois de prisão preventiva em Epitaciolândia (AC), a 230 quilômetros de Rio Branco

Agência Estado
postado em 05/09/2020 14:49 / atualizado em 05/09/2020 14:49
 (foto: Reprodução/Internet)
(foto: Reprodução/Internet)
A Polícia Federal deflagrou neste sábado (5/9) a Operação Chacal contra organização criminosa voltada para a falsificação de documentos ilegais e promoção de imigração ilegal de estrangeiros no Brasil e nos Estados Unidos. Foram cumpridos um mandado de busca e apreensão e dois de prisão preventiva em Epitaciolândia (AC), a 230 quilômetros de Rio Branco.
O grupo atuava no contrabando de pessoas pelo município de Assis Brasil (AC), município na fronteira do País com o Peru e a Bolívia. Segundo os investigadores, a quadrilha estava sendo monitorada por autoridades americanas por promover a entrada ilegal de iranianos nos Estados Unidos e no Canadá.
As apurações tiveram início após a prisão de um grupo de iranianos que tentou ingressar no Brasil com passaportes falsos - um dos detidos seria o coiote responsável pela promoção da entrada ilegal dos estrangeiros no País.
No exterior, o suspeito era monitorado por envolvimento em contrabando de pessoas nos últimos doze anos.
No cumprimento do mandado de busca e apreensão foram apreendidos um celular, um notebook, diversos chips telefônicos de países diferentes, cartões de crédito em nome de várias pessoas e documentos diversos. A PF contou com o apoio da Interpol e a colaboração da Adidância da Polícia de Imigração e Alfândega da Homeland Security Investigations (HSI), do governo americano.
O nome da operação, Chacal, é referente ao chacal americano, popularmente conhecido como coiote. O termo também é usado no Brasil para identificar suspeitos de levar imigrantes para outros países de forma ilegal.
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação