MEIO AMBIENTE

Mourão rebate França e diz que Guiana Francesa tem garimpo ilegal

Governo francês informou que se opõe ao acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia devido ao aumento do desmatamento no Brasil

Sarah Teófilo
postado em 18/09/2020 18:10 / atualizado em 18/09/2020 18:10
 (crédito: Romerio Cunha/Vice-Presidência/AFP)
(crédito: Romerio Cunha/Vice-Presidência/AFP)

Em transmissão ao vivo para discutir a defesa da Amazônia, nesta sexta-feira (18/9), o vice-presidente da República, Hamilton Mourão (PRTB), aproveitou para alfinetar o governo francês após críticas em relação ao desmatamento no país. “Sobre o relatório do desmatamento e opinião do primeiro-ministro francês, de que o acordo Mercosul não deve ser ratificado pelo parlamento francês por causa da questão do desmatamento, vamos lembrar que na Guiana Francesa temos desmatamento e garimpo”, disse.

Ele repetiu a informação em outro momento durante a transmissão. Nesta sexta-feira, o primeiro-ministro francês, Jean Castex, publicou em seu perfil no Twitter que um relatório sobre desmatamento no Brasil apresentado ao governo confirma a posição da França de se opor ao projeto de acordo da União Europeia-Mercosul da forma como está. “A consistência dos compromissos ambientais do nosso país e da Europa depende disso”, escreveu.

Depois de “alfinetar” o outro governo, Mourão disse que não iria “colocar a discussão nesse nível”. “Vou colocar é que nós temos que trabalhar por meio da diplomacia e por meio das nossas operação de comando e controle no sentido da diplomacia para termos o canal de diálogo aberto e mostrar que o acordo Mercosul-União Europeia não favorece só os países do Mercosul. (...) Favorece a ambos”, afirmou.

Um acordo preliminar foi assinado no ano passado, e agora o cenário ambiental no Brasil trava o momento de selar parceria. Ainda em agosto do ano passado, o presidente francês, Emmanuel Macron, se opôs ao acordo comercial em meio a uma crise diplomática após declarações do presidente Jair Bolsonaro minimizando preocupação sobre mudanças climáticas. Em junho deste ano, Macron voltou a reiterar posição.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação