Otimismo

Confiança na indústria aumenta em 30 setores, aponta pesquisa da CNI

Segundo o levantamento da Confederação Nacional da Indústria, setor de transformação acumula a maior alta de perspectiva positiva. Segundo analista, cresce a percepção de que o o momento econômico mais crítico da pandemia ficou para trás

Edis Henrique Peres*
postado em 28/09/2020 21:24
Montadora da Fiat em Betim (MG) -  (crédito: REUTERS/Washington Alves)
Montadora da Fiat em Betim (MG) - (crédito: REUTERS/Washington Alves)

Segundo pesquisa feita pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), que mede o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI), o mês de setembro marcou crescimento nos 30 setores considerados no levantamento. O que mais se destaca é a chamada Indústria de Transformação, com uma pontuação de 62,6, um aumento de 5,1 pontos em relação ao mês anterior. O setor já acumula 28,3 pontos de aumento em comparação com abril deste ano. A pesquisa que mede o ICEI é feita dando notas de 0 a 100, nos quais valores acima de 50 indicam confiança do empresário e valores abaixo representam baixa confiança.


Os dados divulgados hoje (28/09) mostram que todos os 30 setores possuem índice acima de 50. A Indústria de Construção também cresceu 2,7 pontos, alcançando 56,7 pontos neste mês, um aumento de 21,9 pontos desde abril. Outro setor considerado é a Indústria Extrativa, que atingiu a pontuação de 59,9 pontos, um crescimento de também 2,7 pontos em relação ao mês anterior.


Os setores mais confiantes são de Produtos de Borracha, com 67,5; de Móveis com 65,5; e de Produtos de Minerais não metálicos com 65,2 pontos. Os setores menos confiantes são Outros equipamentos de transporte, com 55,8; Impressão e reprodução de gravações com 55,6 pontos; e de Obras de infraestrutura, com 52,7 pontos.


A pesquisa também forneceu dados em relação ao Índice de acordo com o tamanho da empresa. Pequenas empresas marcam 59,7 pontos; Empresas Médias possuem 60,8 pontos; e Grandes empresas têm 62,6 pontos. Todos os portes estão com aumento em relação à nota do mês anterior. Mesmo com a instabilidade econômica causada pela pandemia, o índice está maior este ano do que em setembro de 2019. Na ocasião Pequenas empresas marcavam 58,6 pontos; Médias empresas 60,2 pontos; e Grandes empresas 59,5 pontos.


Marcelo Azevedo, gerente de análise econômica da CNI, explica que o índice serve para tentar antecipar movimentos da economia. “Quando o empresário está confiante tende a aumentar sua produção, aumentar contratações e aumentar investimentos. Quanto maior a confiança maior a possibilidade disso se traduzir de maneira concreta em produção, investimento e contratação”, explicou.


A pior marcação do índice deste ano foi em abril, no auge da crise econômica da covid-19. “A confiança tem muito a ver com essa percepção de que o pior ficou para trás e também que a recuperação está sendo mais rápida do que o antecipado. Isso está trazendo essa alta na confiança. As expectativas estão mais otimistas e a avaliação da situação atual vem melhorando bastante, estava negativa em abril e vem melhorando desde então. Essa percepção de melhora ajuda a subir a confiança do setor”, disse o especialista Marcelo Azevedo.

* Estagiário sob supervisão de Carlos Alexandre de Souza

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação