PANDEMIA

Brasil registra mais de 700 mortes por covid-19 em 24 horas

País chegou ao acumulado de 152.460 mortes pelo novo coronavírus. Com mais 28.523 casos confirmados, balanço totaliza 5.169.386 de infectados

Bruna Lima
Renata Rios
postado em 15/10/2020 20:45
 (crédito: DOUGLAS MAGNO / AFP)
(crédito: DOUGLAS MAGNO / AFP)

De acordo com o boletim de situação epidemiológica da covid-19 no Brasil, divulgado nesta quinta-feira (15/10), foram registrados 28.523 novos casos em 24 horas. Com o número, o país atinge 5.169.386 no acumulado de casos confirmados. Em relação a quantidade de óbitos foram contabilizados de quarta para quinta 713 novas mortes em decorrência do novo coronavírus, acumulando 152.460 vidas perdidas.

De acordo com as informações passadas pelo Ministério da Saúde em relação à 41ª semana epidemiológica (referente ao período entre 4 e 10 de outubro) durante coletiva de imprensa, a curva de contágio vem caindo no país. “No Brasil a gente vem já em uma tendência de queda de registros de novos casos da covid-19 desde a semana 34ª, 35ª; e, na última semana, tivemos o registro de 175.804 casos”, informou Arnaldo Medeiros, secretário de Vigilância em Saúde.

O secretário também apontou queda na curva de óbitos: “Quando analisamos na última semana, houve uma redução de 8%; quando analisamos nos últimos 14 dias, teve uma redução de 14% no registro de óbitos no país como um todo”.

Vacinação

Outro assunto que ganhou destaque na coletiva de imprensa desta quinta-feira foi o cronograma de vacinação contra a covid-19. Após o Ministério da Saúde apresentar o cronograma considerando apenas a distribuição da vacina de Oxford, o Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass) enviou um ofício ao ministro da pasta, Eduardo Pazuello, solicitando a inclusão da Coronavac — vacina da farmacêutica chinesa Sinovac e desenvolvida em parceria com o Instituto Butantan — no Programa Nacional de Imunização. Na coletiva, Elcio Franco, secretário executivo, destacou que o governo acompanha “mais de 200 iniciativas pelo mundo e, em particular, como o foco naquelas que estão em estágio mais avançado de desenvolvimento”.

O secretário executivo pontuou que no momento o governo está aderindo a qualquer iniciativa que atenda a demandas como segurança, eficácia e preço. “Então não descartamos nenhuma possibilidade e dessa forma estamos com foco principalmente naquelas que estão na terceira fase de seus testes”, informou. Ele ainda pontuou que há “uma grande possibilidade de trabalhar com várias vacinas simultâneas ou à medida que elas forem chegando e sendo inseridas no Programa Nacional de Imunização”. “Já colocamos como destaque a vacina Astrazeneca da Oxford e a vacina do Butantan, com certeza, está nesse hall. Em momento algum se afirmou algo diferente disso”, pontuou Elcio.

Estados

As unidades federativas com mais de mil mortes são: São Paulo (37.690), Rio de Janeiro (19.555) Ceará (9.192), Pernambuco (8.456), Minas Gerais (8.267), Bahia (7.243), Pará (6.667), Goiás (5.306), Rio Grande do Sul (5.282), Paraná (4.880), Amazonas (4.289), Maranhão (3.906), Espírito Santo (3.692), Mato Grosso (3.639), Distrito Federal (3.499), Paraíba (2.970), Santa Catarina (2.952), Rio Grande do Norte (2.436), Piauí (2.261), Alagoas (2.162), Sergipe (2.118), Mato Grosso do Sul (1.469), Rondônia (1.416) e Tocantins (1.030). Apenas três estados registram menos de mil fatalidades pela covid-19 cada: Acre (677), Amapá (729) e Roraima (677).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação