CRIME

Polícia investiga morte de menino de 6 anos em Minas por suspeita de maus-tratos

Suspeita é que criança tenha sofrido maus-tratos provocados pela própria mãe; laudo da perícia, que vai confirmar causas da morte, deve ficar pronto em 30 dias

Renato Manfrim - Especial para o Estado de Minas
postado em 20/10/2020 15:27
 (crédito: Edmundo Gomide/UFTM)
(crédito: Edmundo Gomide/UFTM)

Após a morte de um menino de 6 anos por insuficiência respiratória aguda no Hospital das Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (HC-UFTM) neste domingo (18), a Polícia Civil (PC) informou nesta segunda-feira (19) que vai investigar o caso. A criança pode ter sido vítima de maus-tratos.

A suspeita é a mãe da criança, de 35 anos, que tem passagens na PM por maus-tratos. Em seu depoimento à PC ela negou o crime e disse que o seu filho deu entrada em estado gravíssimo no hospital porque sofreu queda de um pula-pula.

A Polícia Militar registrou a ocorrência depois de ser acionada por equipe médica do HC-UFTM na madrugada deste domingo (18), pois quando a criança chegou ao hospital apresentava hematoma na perna direita, dificuldade para respirar (sendo necessário entubá-lo,imediatamente), além disso a criança estava como baixo peso e sinais de maus-tratos. O que também chamou a atenção da Polícia foi o fato de que a mãe deixou o filho no pronto-socorro do HC, em estado gravíssimo, e não disse nada aos médicos.

Depoimento do pai da criança

O pai do menino, de 26 anos, contou à PC que não sabe quais foram os motivos que levaram o filho a chegar em estado gravíssimo no HC. Disse ainda que não encontrava o filho há cerca de 10 dias e que no último domingo (19) recebeu uma mensagem da mulher através do messenger (aplicativo de conversas do Facebook) dizendo que o filho deles estava internado em estado grave, sendo que quando ele chegou ao hospital, ela disse que estava indo embora.

Ainda conforme a PM, ela teria dito ao pai do menino: "Não consigo suportar essa situação. Fica aí que eu estou indo embora".

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação