Adiar é necessário, avaliam especialistas

Correio Braziliense
postado em 24/10/2020 21:20

Diferentemente do que ocorreu com a gripe espanhola, que ficou menos de três meses no Brasil, é difícil prever quando a covid-19 — declarada pandemia pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 11 de março — deixará de ser uma ameaça à população brasileira. Portanto, é consenso entre especialistas e autoridades consultados pelo Correio que, diante desse cenário, não há condições de se realizar o carnaval em fevereiro de 2021.

Diante dessa realidade, prefeitos das cidades que costumam receber grande fluxo de turistas para a festa têm se esforçado para encontrar uma data comum. Segunda capital que mais reuniu foliões em 2020, São Paulo foi a primeira a confirmar o adiamento, sem, no entanto, anunciar para quando. Nos bastidores, os gestores municipais trabalham com os meses de maio, junho e julho como possibilidades. Ainda não se sabe, porém, quando o martelo será batido.

Pesquisadores alertam que, dado o histórico da festa no Brasil e os vastos exemplos de desrespeito ao distanciamento social observados desde o início da pandemia, as autoridades devem levar em conta a possibilidade de manifestações espontâneas. "Pode haver uma desmobilização dos festejos formais, dos blocos tradicionais, do desfile das escolas de samba... Essa festa institucionalizada é possível que não ocorra, mas acho pouco provável que não haja gente na rua. As praias e os bares lotados, hoje, são um ótimo exemplo disso. O que faria a gente acreditar que daqui a seis meses o povo não vai para a rua?”, resume Leonardo Bruno.

Os outros especialistas endossam a opinião do pesquisador do Museu Nacional. "É muito provável que grupos de amigos, ou até mesmo pessoas sozinhas, iniciem um tipo de manifestação carnavalesca e, naturalmente, aquilo vire um bloco de proporção maior", pontua a pesquisadora Rita Fernandes, autora do livro Meu bloco na rua. "É tudo muito inédito, são muitas variáveis. A única coisa que se tem certeza é que não dá para ser irresponsável e nós, que fazemos isso de forma organizada, motivarmos um carnaval em um momento em que ele não pode acontecer", ressalta Fernandes, que também é fundadora e presidente da Sebastiana — Associação Independente dos Blocos de Carnaval de Rua da Zona Sul, Santa Teresa e Centro da Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro — liga que reúne alguns dos mais tradicionais blocos do Rio.

Remarcar para quando?
Sobre a possibilidade de um adiamento, porém, os pesquisadores têm opiniões divergentes. Para Paulo Miguez, a mudança de data pelo menos amenizaria os impactos econômicos: "A transferência atende a dois interesses: à vontade de fazer festa, mas, especialmente, à economia da festa. O carnaval afeta desde o nanonegócio, do cara que vai para a rua catar latas de cerveja, até aqueles que trabalham nos camarotes, nos trios, os músicos. Com o adiamento, toda essa indústria cultural vai poder se organizar, com perdas, mas vai fazer o que não foi feito em fevereiro".

Rita Fernandes, por outro lado, lembra que a Terça-feira Gorda é apenas o ápice de uma celebração que começa muito antes, com as festas de pré-carnaval, em janeiro, e defende que o evento fique para 2022. "Se a gente não puder fazer na data, o que fizermos depois será apenas uma celebração, não, o carnaval. É muito difícil recriar esse espírito carnavalesco. Não dá, por exemplo, para pensar em tirar o réveillon do fim do ano", avalia. “A gente tem que respeitar o ciclo das festas tradicionais. Não concordo com o adiamento. Entendo a necessidade pelo lado de quem move uma economia forte em relação a isso, como é o caso das escolas de samba. Talvez seja importante por mover uma cadeia produtiva enorme que precisa ser ativada. Mas, uma folia fora da data seria apenas uma expressão”, acrescenta.

Independentemente de ser realizado no meio de 2021 ou apenas em 2022, o próximo carnaval deve repetir o que houve em 1919, após a gripe espanhola, acredita Miguez. "Será o maior de todos os tempos, celebrando a vitória da vida e da ciência", projeta o docente da UFBA. “Baco e Momo (figuras das mitologias romana e grega, respectivamente, ligadas a festas e celebrações) vão ficar nos devendo este ano, mas vão preparar algo grande para o próximo", completa. (AI, FJ, HL e LPT)


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação