Pandemia

Prefeito de Manaus contesta dados: "A gente sabe que é muito pior"

Segundo Arthur Virgílio Neto, só foram divulgados cinco sepultamentos de Covid-19 na capital do Amazonas, quando, segundo ele, foram 50 em 24 horas

Correio Braziliense
postado em 20/11/2020 17:51 / atualizado em 20/11/2020 17:51
 (crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press                      )
(crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press )

O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto (PSDB), contestou os dados divulgados sobre situação da pandemia de covid-19 na cidade. Em entrevista coletiva, nesta sexta-feira (20/11), o prefeito afirmou que morreram 50 pessoas nas últimas 24 horas vítimas da doença e não cinco, como foi divulgado pelas autoridades.

"Ontem, foram 50 sepultados em Manaus e, mentirosamente, disseram que foram apenas cinco por covid, entre cemitérios particulares e privados. Não é verdade, a gente sabe que é muito pior", afirmou.

Segundo o governo do Amazonas, o estado teve 15 mortes provocadas pelo novo coronavírus na quinta-feira.

Em nota, o governo estadual afirmou que o número de sepultamentos divulgados se baseia em dados da prefeitura de Manaus.

"Sobre a situação da pandemia de Covid-19, todos os dados relativos a novos casos, internações, óbitos e pessoas fora do período de transmissão são divulgados diariamente pela FVS-AM, incluindo dados também fornecidos pelas prefeituras municipais da capital e interior", disse.

Até o momento, Manaus tem mais de 3 mil mortes provocadas pela covid-19.

No início da pandemia no Brasil, Manaus enfrentou um colapso no sistema público de saúde devido à covid-19. O Amazonas chegou a ter 100% das unidades de terapia intensivas ocupadas. "O hospital principal, que é o Delphina Aziz, está absolutamente lotado de pessoas que não estão encontrando solução ali", disse o prefeito nas redes sociais, na época. O Ministério da Saúde chegou a enviar médicos para o estado para ajudar na demanda.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE