Energia

Randolfe diz que abrirá CPI para investigar apagão no Amapá

Enquanto o Ministério de Minas e Energia anuncia o restabelecimento de 100% da energia no estado, o senador garante que o problema "está só começando"

Simone Kafruni
postado em 24/11/2020 20:47 / atualizado em 24/11/2020 20:48
 (crédito: Vinicius Cardoso/Esp. CB/D.A Press - 29/10/19 )
(crédito: Vinicius Cardoso/Esp. CB/D.A Press - 29/10/19 )

Na madrugada desta terça-feira (24/11), às 3h30, foi energizado o segundo transformador na subestação Macapá e garantiu o restabelecimento de 100% no fornecimento de energia no estado do Amapá, que ficou 22 dias com problemas no suprimento de eletricidade. A Linhas de Macapá Transmissora de Energia S.A (LMTE), concessionária responsável pelo apagão, conseguiu cumprir o prazo imposto pelo juiz federal João Bosco Soares, e se livrou de pagar a multa diária de até R$ 50 milhões.

Para o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), no entanto, o problema está longe do fim. “O Ministério de Minas e Energia (MME) acha que acabou, mas para nós está só começando. Queremos instalar uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para apurar a responsabilidade e vamos entrar com uma representação no MPF (Ministério Público Federal) contra a empresa para que os danos sejam reparados”, afirmou.

O parlamentar lamentou que o governo federal tenha sido sensível aos amapaenses. “Se negou a pagar um auxílio emergencial e se limitou a isentar a conta de energia. Isso não é nem 5% dos prejuízos. Os amapaenses perderam tudo, geladeira, ar condicionado, querem ter um aceno”, disse.

Além disso, Randolfe afirmou que o problema no setor elétrico continua. “Trouxeram um transformador do Sul do Amapá, que ficou sem um equipamento reserva. Em Macapá, também não tem transformador reserva. Ou seja, o sistema de energia elétrica continua a mercê de um novo apagão”, alertou. “O problema não está resolvido. Falta a reparação dos danos. Tenho certeza absoluta que, em qualquer outro país, o ministro de Minas e Energia teria sido demitido e o dono da empresa estaria preso”, ressaltou.

Atualização

Na nota que emitiu pela manhã, o MME afirmou que continuará coordenando as ações para aumentar ainda mais a confiabilidade no atendimento à população do Amapá. Em um comunicado com atualização, divulgado às 18h44, a pasta informou que o fornecimento de energia elétrica ocorreu normalmente, com desligamentos isolados no Sistema de Macapá. “O atendimento foi realizado em 100% da carga, com todos os alimentadores energizados, sem necessidade de aplicação do rodízio pela Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA).”

O Gabinete de Crise, instituído pelo MME, apresentou atualizações. Informou que a geração térmica disponível chegou a 34 megawatts (MW) de potência, sendo 20 MW na Subestação Santa Rita e 14 MW na Subestação Santana. “A expectativa é de chegar, até sexta-feira, com 45 MW de capacidade instalada.” “O Ministério de Minas e Energia informa, ainda, que as razões para os desligamentos ocorridos estão sendo verificadas e a apuração de responsabilidades será realizada, com todo o rigor, pelos órgãos competentes.”

A concessionária de transmissão também emitiu nota: “A LMTE está integralmente mobilizada desde o acidente e trabalhou incansavelmente em conjunto com os demais órgãos governamentais para que a carga voltasse a 100% antes do prazo máximo estabelecido (26/11). A companhia reforça que se solidariza com todos os amapaenses e informa que seguirá empenhada a minimizar os impactos e em transportar energia segura para o estado do Amapá.”

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE