pandemia

Brasil registra 307 mortes e 17.246 mil casos de covid nas últimas 24h

Dez meses após o primeiro registro da doença em território nacional, o país chega a 190.795 mortes por Covid-19. São Paulo e Rio de Janeiro são os estados com maior quantidade de óbitos

Vera Batista
postado em 26/12/2020 19:58 / atualizado em 26/12/2020 20:57
Aglomeração em Brasília: DF ocupa 11º lugar no ranking nacional -  (crédito:              Marcelo Ferreira/CB/D.A Press - 27/4/20                       )
Aglomeração em Brasília: DF ocupa 11º lugar no ranking nacional - (crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press - 27/4/20 )

Dez meses depois de registrar o primeiro caso de covid-19 no Brasil, o Ministério da Saúde divulgou neste sábado (26/12) os números atualizados da pandemia. Segundo o relatório divulgado pela pasta, o país contabilizou 307 mortes nas últimas 24 horas. Assim, o país chega ao total de 190.795 óbitos desde o início da pandemia. 

O boletim do Ministério da Saúde apontou, ainda, o registro de 17.246 novos casos. Com esse resultado, o Brasil alcança 7,465 milhões de infectados pelo novo coronavírus.

De acordo com os dados oficiais do governo federal, São Paulo acumula o maior número de casos — 1,423 milhão de registros e 45.808 mortes. Em seguida vêm Minas Gerais, com 522.331 casos e 11.585 óbitos; Bahia (482.113 casos e 8.983 óbitos); Santa Catarina (478.282 infectados e 5.007 mortes) e Rio Grande do Sul (430.780 registros e 8.452 mortes).

Rio de Janeiro vem na sequência, com 420.075 casos e 24.905 mortes. O Distrito Federal, no 11º lugar do ranking, contabiliza 247.928 casos e 4.198 óbitos. De acordo com o ministério, 6,475 pessoas (86,7%) se recuperaram. E 2.356 casos estão sendo investigados. Além disso, 10,7%, ou 799.545 estão sob acompanhamento. Pelos dados do ministério, a doença está presente em 99,9% dos municípios brasileiros. Contudo, mais da metade das cidades (3.873) possuem entre 2 e 100 casos.

Em relação aos óbitos, 4.916 municípios tiveram registros (88,3%), sendo que 762 deles apresentaram apenas um óbito confirmado. “O Governo do Brasil mantém esforço contínuo para garantir o atendimento em saúde à população, em parceria com estados e municípios, desde o início da pandemia. O objetivo é cuidar da saúde de todos e salvar vidas, além de promover e prevenir a saúde da população”, reforça o órgão.

A pasta afirma que tem repassado verbas extras e fortalecido a rede de atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS), com envio de recursos humanos (médicos e profissionais de saúde), insumos, medicamentos, ventiladores pulmonares, testes de diagnóstico, habilitações de leitos de UTI para casos graves e gravíssimos e Equipamentos de Proteção Individual (EPIS) para os profissionais de saúde.

“O Ministério da Saúde já destinou aos 26 estados e o Distrito Federal R$ 198,1 bilhões, sendo que desse total foram R$ 134 bilhões para serviços de rotina do SUS, e outros R$ 64,1 bilhões para a Covid-19. Também já foram comprados e distribuídos 27,2 milhões de unidades de medicamentos para auxiliar no tratamento do coronavírus, 306,8 milhões de EPI, mais de 18,7 milhões de testes de diagnóstico para Covid-19 e 79,9 milhões de doses da vacina contra a gripe, que ajuda a diminuir casos de influenza e demais síndromes respiratórias no meio dos casos de coronavírus”, reforça a nota do Ministério da Saúde.

O Ministério da Saúde, assinala, ainda, que, em apoio a estados e municípios, também tem ajudado os gestores locais do SUS na compra e distribuição de ventiladores pulmonares, sendo que já entregou 12.481 equipamentos para todos os estados brasileiros. As iniciativas e ações estratégicas são desenhadas conforme a realidade e necessidade de cada região, junto com estados e municípios, e têm ajudado os gestores locais do SUS a ampliarem e qualificarem os atendimentos, trazendo respostas mais efetivas às demandas da sociedade. “Neste momento, o Brasil registra 7.465.806 milhões de casos confirmados da doença, sendo 17.246 mil registrados nos sistemas nacionais nas últimas 24 horas”.

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE