VIOLÊNCIA

RJ: Menina de 5 anos morre ao ser baleada durante a virada do ano

Vídeo gravado por familiares mostram momento em que a menina reage com dor, durante a queima de fogos de artifício e os presentes percebem que ela foi atingida

Sarah Teófilo
postado em 02/01/2021 17:25
 (crédito: Reprodução/Rede social)
(crédito: Reprodução/Rede social)

Uma menina de 5 anos morreu após ser baleada no pescoço em uma festa de réveillon no morro do Turano, no Rio de Janeiro, na madrugada desta sexta-feira (1º/1), durante a queima de fogos de artifício. Alice Pamplona da Silva foi levada a um hospital, mas não resistiu. Ela foi velada e enterrada neste sábado (2/1).

Em vídeo divulgado pela Organização Não-Governamental (ONG) Rio de Paz, é possível ouvir o momento em que a criança é atingida. Os familiares filmavam e observavam a queima de fogos no exato momento da virada do ano, quando ouve-se o choro de uma criança e, em seguida, uma mulher grita, desesperada: “Ela levou um tiro”. A ONG informou que acompanha casos de crianças mortas baleadas desde 2007, e que, no ano passado, 12 crianças morreram vítimas de arma de fogo.

Segundo informações do jornal Extra, a criança estava no colo da mãe quando foi baleada. A madrinha e prima da criança, Mayara Aparecida de Souza, de 22 anos, contou ao jornal que estavam assistindo à queima de fogos.

“Ela estava no colo da mãe, lugar que você espera ter toda a proteção do mundo. Foi à meia-noite em ponto. Foi quando ela falou: "ai". A gente pensou que ela estava dando convulsão. Eu e meu marido levamos ela de moto para o hospital. Fui com meu dedo segurando a língua dela. Teve um momento que ela foi parando de apertar o dedo”, relatou.

A mãe e a avó de Alice passaram mal durante o enterro, segundo informações do jornal. Pela rede social da ONG, o presidente da Rio de Paz, Antonio Carlos Costa, se manifestou. “Logo no primeiro dia do ano, tomamos conhecimento de mais um caso de criança pobre que o Rio de Janeiro impediu de crescer. A menina Alice, de apenas cinco anos, moradora do Morro do Turano, entra para a estatística de meninos e meninas mortos por bala perdida, lado mais hediondo da criminalidade. O que os governos estadual e federal têm feito a fim de evitar a entrada de armas e munição na região metropolitana do Rio?", questionou.


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE