Investigação continua

Confirmação de cepa mais contagiosa da covid é adiada para segunda

A análise é feita pelo Instituto Adolfo Lutz (IAL), que previa liberar neste sábado (2) os resultados. No entanto, foi necessário a solicitação de novos dados

Bruna Lima
postado em 02/01/2021 21:22 / atualizado em 02/01/2021 21:23
 (crédito: Robson Valverde / SES-SC)
(crédito: Robson Valverde / SES-SC)

O Instituto Adolfo Lutz (IAL) segue a análise de duas amostras de possíveis casos da nova linhagem mais contagiosa da covid-19, descoberta pelo Reino Unido. Os resultados eram esperados para este sábado (2/1), mas o laboratório precisou solicitar novos dados e, por isso, a resposta deve ser dada somente na segunda (4/1).

"As análises preliminares ainda não permitiram confirmar que o vírus pertence a linhagem B.1.1.7 e o IAL solicitou ao Dasa uma quantidade maior de material genético para a continuidade das avaliações", disse o instituto, em nota.

De acordo com estudos apresentados no Reino Unido, a nova variante é de 50 a 74% mais contagiosa, mas não se sabe se a cepa é mais ou menos letal do que as já conhecidas. O IAL, no entanto, contesta. "É importante ressaltar que não está cientificamente provado que a linhagem destas amostras são mais virulentas ou tem maior poder de transmissibilidade".

A cepa já foi encontrada em vários países, incluindo China, Canadá, Estados Unidos, Portugal, França, Jordânia, Coreia do Sul e Chile.

Diante das investigações brasileiras para averiguar se chegou ao país a variante, a Agência Nacional de Vigilância em Sanitária (Anvisa) publicou , na sexta-feira (1), uma nota técnica recomendando aos laboratórios adoção de medidas que favoreçam diagnósticos mais amplos, capazes de detectar a variante.

A nota com informações sobre o impacto da descoberta nos diagnósticos da doença recomenda, por exemplo, "a utilização de produtos voltados a diferentes alvos virais". Segundo o documento, "a maioria dos ensaios moleculares do tipo PCR (reação de cadeia de polimerase) regularizados no Brasil utilizam mais de um alvo, o que reduziria o impacto ao diagnóstico".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE