Imprensa

Três jornalistas do Correio estão entre os 200 mais premiados da história no país

O editor executivo Vicente Nunes e os repórteres Ed Wanderley e Simone Kafruni figuram no Ranking dos +Premiados da Imprensa Brasileira

Correio Braziliense
postado em 06/01/2021 19:35
 (crédito: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
(crédito: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)

Três jornalistas do Correio Braziliense estão entre os 200 mais premiados profissionais do país. O editor executivo Vicente Nunes e os repórteres Ed Wanderley e Simone Kafruni figuram no Ranking dos +Premiados da Imprensa Brasileira, um reconhecimento pelo trabalho de excelência promovido por jornalistas em todo o Brasil. O ranking é resultado de um levantamento anual realizado pelo Portal dos Jornalistas.

Atualmente na editoria executiva do Correio, Vicente Nunes é um dos profissionais mais admirados da imprensa de Economia, Finanças e Negócios, figurando em sétimo lugar na premiação de 2020, na qual Simone Kafruni ficou entre os 50 agraciados. Também no ano passado, Nunes venceu o Prêmio Especialistas Negócios da Comunicação na categoria Financeiro e coleciona uma série de outras distinções. Ambos têm três prêmios Esso cada. Kafruni tem dois MPT de Jornalismo e um Embratel em Informação Econômica.

Ed Wanderley ganhou o prêmio Tim Lopes de Jornalismo Investigativo por duas vezes, o Vladimir Herzog e o Abdias Nascimento duas vezes. Entre os reconhecimentos profissionais, Wanderley também foi agraciado quatro vezes com o BNB e outras quatro vezes com o prêmio Cristina Tavares, além de ganhar o Massey Ferguson e dois Sebraes regionais.

No topo da lista Eliane Brum e Miriam Leitão protagonizaram, nos últimos anos, uma alternância nas primeiras posições. Miriam foi primeira colocada em 2014, 2015, 2016 e 2019. Em 2016, inclusive, liderou empatada com Eliane. Eliane ficou em primeiro lugar também em 2011, na primeira edição da pesquisa, em 2017, 2018 e reassumiu a primeira colocação agora em 2020. Na terceira colocação, cada vez mais próximo das líderes, aparece o repórter da Rádio Gaúcha Cid Martins.

Escala de pontos

A mudança na escala de pontos resultou em algumas alterações em posições do quarto ao décimo lugares. Mauri König subiu uma posição e assumiu o quarto lugar, com 1.160 pontos, ultrapassando Caco Barcellos, agora em quinto, 1.125 pontos. Com os prêmios conquistados em 2020, Marcelo Canellas ganhou duas posições e agora é o sexto colocado, com 890 pontos, eguido bem de perto por Carlos Wagner, com 880 pontos.

Na oitava colocação, com 835 pontos, está Giovani Grizotti. André Trigueiro manteve-se na nona colocação, com 822,5 pontos e João Antônio Barros, com 780 pontos, completa os Top 10. Vale lembrar que a pesquisa abrangeu neste ano 170 premiações jornalísticas, nacionais e internacionais, ao longo de quase 80 anos de história.

Confira a lista com os 200 +Premiados Jornalistas da História aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE