Covid-19

CoronaVac: Butantan analisa número de doses a serem aplicadas em idosos

Diretor Dimas Covas afirmou que está sendo conduzido mais um braço do estudo clínico voltado a idosos para analisar qual a melhor quantidade de doses e o intervalo entre elas

Sarah Teófilo
Bruna Lima
Maria Eduarda Cardim
postado em 07/01/2021 15:32 / atualizado em 07/01/2021 16:58
 (crédito: Filippo Monteforte/AFP)
(crédito: Filippo Monteforte/AFP)

Ao apresentar a eficácia de 78% da vacina contra casos leves covid-19 Coronavac, feita em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, disse nesta quinta-feira (7/1) que está sendo analisado, ainda, o número de doses a serem aplicadas em idosos.

Apesar de garantir que não foi observada diferença na eficácia da vacina nos casos graves entre jovens e idosos, devido à diferença do sistema imunológico entre as idades, Covas anunciou um novo estudo para averiguar a quantidade de fármaco aplicada, bem como o intervalo entre as doses necessárias para os idosos.

“Mais brevemente, nós iniciamos um braço do estudo específico com idosos para analisar o quantitativo de doses. Se é melhor duas doses, qual melhor intervalo e se é necessária uma terceira dose. Esse estudo já está planejado e deve se iniciar o mais rapidamente possível, assim que tivermos o resultado dessa primeira fase que estamos discutindo hoje (quinta-feira), que é a autorização de uso emergencial”, indicou o diretor do Butantan.

A intenção é identificar qual a melhor quantidade de doses a serem aplicadas em pessoas idosas, bem como os intervalos de aplicação para garantir um maior índice de idosos que não manifestem nem mesmo os sintomas leves da covid-19 ao serem imunizados.

Eficácia de 100%

Apesar da nova análise que será feita, Covas garantiu que não há diferença entre jovens e idosos nos casos graves, cuja eficácia é de 100%. “A eficácia para proteção contra casos graves se aplica aos idosos e aos mais jovens. Não há neste momento nenhuma diferença observada”, explicou.

A médica infectologista do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, Rosana Richtmann, explica que é normal que a resposta imune de vacinas seja diferente entre grupos de idosos em comparação a grupos de pessoas mais jovens. “Existe um fenômeno de imunossenescência, que é o envelhecimento do sistema imune. Se você pegar o exemplo da vacina de gripe e comparar a resposta imune e eficácia do imunizante na população acima de 60 anos com a população mais jovem é sempre diferente”, explicou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE