PANDEMIA

Dilma rejeita convite de Doria para tomar CoronaVac: "Não vou furar fila"

A ex-presidente já havia recusado ser imunizada junto aos ex-dirigentes, em São Paulo; Dilma justifica negativa por 'razões éticas e de justiça'

Correio Braziliense
postado em 21/01/2021 21:47 / atualizado em 21/01/2021 21:48
 (crédito: AFP / Mauro Pimentel)
(crédito: AFP / Mauro Pimentel)

A ex-presidente Dilma Rousseff, de 73 anos, revelou, nesta quinta-feira (21/1), ter recusado um convite do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), para ser vacinada contra a covid-19 em 25 de janeiro por "razões éticas e de justiça". "É inaceitável 'furar a fila', que deve ser estritamente respeitada por todos os brasileiros", ponderou.

"Agradeço, mas diante das circunstâncias tenho o dever de recusar a oferta, por razões éticas e de justiça", disse Dilma por meio de nota. "O Plano Nacional de Vacinação deve ser respeitado e, se é certo que a vacinação já começou, não há montante de vacinas disponível para que eu, agora, seja beneficiada", completou.

Dilma receberia a dose da CoronaVac em Porto Alegre, onde mora. No fim de 2020, a ex-presidente já havia rejeitado ser imunizada junto aos outros ex-dirigentes, em São Paulo. À época, contudo, ela disse que aceitaria receber o imunizante na capital do Rio Grande do Sul. "Aguardarei pacientemente a minha vez e quero adiantar que já estou com o braço estendido para receber a Coronavac", concluiu.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE