COVID-19

Pazuello determina dar todas as vacinas

BRUNA LIMA MARIA EDUARDA CARDIM
postado em 20/02/2021 00:14

Confiando que as barreiras de importação de matéria-prima para a produção da CoronaVac foram removidas, o Ministério da Saúde assegurou que não será mais necessário guardar metade das doses distribuídas aos estados para assegurar a segunda aplicação. A medida, anunciada ontem em reunião do ministro Eduardo Pazuello com a Frente Nacional dos Prefeitos (FNP), passa a valer na próxima semana, com a chegada de mais 4,7 milhões de unidades.

A mudança vai permitir acelerar o ritmo de vacinação nos próximos dias, mesmo com menor quantidade de aplicações, já que o Instituto Butantan, responsável pela produção da CoronaVac no Brasil, não conseguiu atender a previsão de entrega para fevereiro. Inicialmente, o fármaco precisava ter metade da remessa estocada para que não houvesse risco de não garantir a segunda dose, pois o intervalo máximo entre as aplicações é de quatro semanas, conforme indicação dos fabricantes.

Diferentemente da CoronaVac, a vacina de Oxford/AstraZeneca não estava sendo estocada, já que a segunda dose só está prevista para aplicação três meses depois da primeira. Cabe, agora, ao ministério enviar aos estados os detalhes de quantas doses irão para cada local e quem poderá receber as injeções que estão sendo liberadas.

Centralização
A promessa do ministério é de que, a partir de março, o fluxo de produção nacional será mantido, garantia que foi dada para justificar a maior centralização dos imunizantes –– o que impôs o sinal vermelho para aquisições independentes por estados e municípios. “Em 15 dias, estaremos produzindo a pleno. E, produzindo a pleno, é vacina na veia todos os dias”, garantiu Pazuello.

O prefeito de Salvador, Bruno Reis, porém, ponderou que as compras por estados e municípios seriam em adição àquelas feitas pelo Plano Nacional de Imunização (PNI) e reforçariam os estoques –– que chegaram a níveis críticos, há poucos dias, em várias cidades do país, que foram obrigadas a interromper o progerama de vacinação.

“Não queremos disputar com o governo federal, mas seria importante permitir que estados e municípios pudessem comprar para garantir a imunização”, ponderou, apesar de, segundo o presidente da FNP, Jonas Donizette, o ministro ter sido enfático ao direcionar as aquisições para o governo federal.

“Ele pediu que quem tiver feito aproximações, acordos e tiver vacina para vender, que o ministério pagará e comprará. Como presidente da frente, eu apoio essa decisão por achar que essa é uma obrigação do governo federal. Muitas vezes o município quer fazer a compra, mas temos um programa nacional”, justificou.

Mais 30 milhões de doses da CoronaVac
O Ministério da Saúde enviou ofício ao Instituto Butantan manifestando a intenção de comprar mais 30 milhões de doses da vacina CoronaVac ainda este ano. Segundo o documento, já houve “entendimentos verbais em 17 de fevereiro do corrente”. O Instituto Butantan afirmou ter recebido o pedido e avalia a demanda. Sinalizada na última quinta-feira, a demanda federal ocorreu no mesmo dia em que o secretário-executivo da pasta, Élcio Franco, indicou que o ministério não receberia todas as 9,3 milhões de doses da CoronaVac previstos para fevereiro, problema que atribuiu ao Butantan.

 

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE