Brasil segue cometendo erros um ano depois do primeiro caso de covid-19

Perto de alcançar a trágica marca de 250 mil mortos na pandemia do novo coronavírus, o país segue sem conseguir evitar o avanço da doença. Aposta é que a vacinação possa mudar o rumo da história

Bruna Lima
Maria Eduarda Cardim
Natália Bosco*
Carinne Souza *
postado em 22/02/2021 06:00
 (crédito: AFP / MICHAEL DANTAS)
(crédito: AFP / MICHAEL DANTAS)

Próximo de completar um ano da confirmação do primeiro caso do novo coronavírus, o Brasil se vê novamente quase no mesmo lugar onde estava quando a covid-19 começou a atingir o país. Ao olhar para os números, voltou a alcançar os recordes negativos de mortes e casos da primeira onda da doença e se vê longe de descansar da luta contra o Sars-CoV-2. Apesar disso, as autoridades já contam com mais conhecimento sobre o vírus e as esperadas vacinas para mudar o rumo da história. Especialistas apontam que o Brasil ainda repete os mesmos erros para deter a transmissão do vírus no país um ano depois.

Para o professor da Universidade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo Domingos Alves, o Brasil não tomou medidas para deter a transmissão do vírus no país. “Os números mostram que não houve qualquer medida de detenção da transmissão da covid-19, pelo contrário”, ressalta o professor. De acordo com a recomendação da OMS, a testagem da população e isolamento dos infectados é o método mais eficaz para quebrar a transmissão da doença.

“A forma mais eficaz de salvar vidas é quebrar a cadeia de transmissão. E para fazer isso precisa testar e isolar. Não se pode apagar a fogo cego. Não conseguiremos parar a pandemia se não soubermos quem está infectado. Temos uma simples mensagem: testem, testem, testem. Todos os casos suspeitos. Se eles derem positivo, isolem”, disse o diretor geral da Organização, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em março do ano passado. Mas o método não foi adotado no Brasil, até o mês de fevereiro deste ano, cerca de 22,2 milhões de testes foram realizados.

“Se olharmos os dados divulgados no site do Ministério da Saúde, vemos que a testagem na população reduziu drasticamente nos meses de agosto a setembro, uma média de 10% a 20% ao mês, dependendo do estado analisado. Logo em seguida, vimos uma crescente onda de novos infectados e vítimas do país”, analisa Domingos. Além disso, ele ainda ressalta que de agosto para setembro, os testes rápidos foram aplicados em maior quantidade que os do tipo RT-PCR, que têm maior eficácia.

A opinião converge com a do infectologista membro da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) Julival Ribeiro, que também indica que o país fez poucos testes. “A gente viu que o Brasil foi um dos poucos países que fez testes em massa. Tanto é que estavam para vencer os testes, o que é um absurdo. Então, nós perdemos um tempo muito grande porque, no início da pandemia, a coisa mais importante, que vimos em países tipo Alemanha, Coreia do Sul era testar, testar e testar, colocar as pessoas em quarentena e, com isso, a gente diminuía a transmissão. Acho que isso não foi feito aqui”, disse.

Cronologia da covid-19 coronavírus no Brasil
Cronologia da covid-19 coronavírus no Brasil (foto: Editoria de arte/CB/D.A Press)

Sequenciamento

Para Julival, outra falha na gestão da crise sanitária foi a falta de uma coordenação nacional para estudar e fazer o sequenciamento do novo coronavírus, o Sars-CoV-2. “Com isso, a gente iria saber anteriormente se tinha surgido alguma cepa ou variante e agora, mais do que antes, é necessário a gente fazer milhares de sequenciamento para saber como essas variantes já estão se disseminando no nosso país”, disse. Segundo a plataforma Gisaid, na qual cientistas do mundo todo compartilham informações sobre o vírus, das 448,4 mil sequências publicadas até 29 de janeiro, 191,6 mil (42,7%) têm origem no Reino Unido, 98 mil na América do Norte. Na outra ponta, o Brasil sequenciou apenas 2.403 (0,5% do total).

A própria linhagem P.1, que surgiu em Manaus, foi evidenciada após um alerta feito inicialmente por pesquisadores japoneses, que identificaram a variante em quatro viajantes vindos do Amazonas para o país. Agora, de acordo com o Demonstrativo de Linhagens e Genomas Sars-CoV-2 feito pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) aponta que a variante originada no Amazonas já está em mais oito estados brasileiros: Pará, Paraíba, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima, Santa Catarina e São Paulo.

Outro ponto de lentidão apontado pelos especialistas ouvidos pelo Correio foi o fechamento de fronteiras, visto tanto no começo do ano passado como neste ano. O professor Domingos Alves avalia que o Brasil falhou em fevereiro, quando os primeiros casos surgiram no mundo e repete os mesmos erros agora com as novas cepas do vírus.

“Quando solto o alarme do Amazonas, as fronteiras daquela região continuaram abertas para outros estados, o mesmo aconteceu no final do ano e início de janeiro com a nova variante que surgiu no Reino Unido. Todos os países fecharam suas fronteiras e a gente permaneceu com as nossas abertas para todos os países. E o resultado disso são novas cepas da Europa identificadas aqui e várias cepas do Amazonas em todo o território nacional”, explica.

* Estagiárias sob a supervisão de Vicente Nunes

Mais 527 casos fatais

O total de mortes provocadas pela covid-19 no Brasil chegou a 246.504, incluindo os 527 novos casos fatais registrados entre sábado e ontem, segundo o último boletim divulgado pelo Ministério da Saúde. A pasta informou também que, no mesmo período, foram registrados 29.026 novos diagnósticos da doença, o que elevou o total de casos para 10.168.174.

O boletim acrescenta que 9.095.483 pessoas conseguiram se recuperar da covid-19 desde o início da pandemia. Outras 826.187 estão sob acompanhamento, segundo o Ministério da Saúde.

Nos fins de semana, os números oficiais relativos à doença costumam ser menores. O motivo é que as secretarias estaduais de Saúde trabalham em regime de plantão, o que compromete o registro dos dados. Nos dias úteis, a média diária de mortes provocadas pela covid-19 no país tem estado acima de mil.

Mãe de Ronaldinho é sepultada

O corpo de Miguelina Elói Assis dos Santos, mãe do ex-jogador de futebol Ronaldinho Gaúcho de Assis, foi sepultado na tarde de ontem, no Cemitério Jardim da Paz, em Porto Alegre. Ela tinha 71 anos e morreu no sábado após ficar dois meses internada por complicações da covid-19. O ex-jogador não participou do funeral.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE