covid-19

Opas condena compra privada de vacinas, que 'contraria a saúde pública'

Nesta terça-feira, a Câmara dos Deputados do Brasil aprovou, por 317 votos a favor e 120 contra, o texto-base de uma mudança na legislação para permitir que empresários comprem vacinas contra a covid-19 mesmo sem o aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)

Agência Estado
postado em 07/04/2021 13:53
 (crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)
(crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)
A compra de vacinas contra a covid-19 pelo setor privado contraria o objetivo de salvar as vidas de pessoas dos grupos mais vulneráveis à doença e pode aumentar as desigualdades sociais já reforçadas pela pandemia, afirmou nesta quarta-feira, 7, o diretor assistente da Organização pan-americana da Saúde (Opas), Jarbas Barbosa.
Nesta terça-feira, a Câmara dos Deputados do Brasil aprovou, por 317 votos a favor e 120 contra, o texto-base de uma mudança na legislação para permitir que empresários comprem vacinas contra a covid-19 mesmo sem o aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).
O médico sanitarista brasileiro condenou a compra privada de imunizantes do ponto de vista ético e de saúde pública, afirmando que permiti-la pode fazer com que pessoas mais pobres, ainda que sob maior risco de ser contaminado e morrer de covid-19, tenham acesso reduzido às vacinas em comparação com as populações mais ricas.
"Ninguém tem vacinas sobrando. O objetivo primário dos imunizantes é proteger aqueles que podem se contrair a doença de forma grave", reforçou Barbosa, argumentando que a distribuição dos produtos, no momento, deve ficar restrita aos governos de países. Segundo a diretora-geral da Opas, Carissa Etienne, a cobertura da vacinação nas Américas ainda está longe da necessária para proteger as populações mais vulneráveis.
 

CONTINUE LENDO SOBRE