PANDEMIA

Mortes por covid-19 aumentam 872% entre jovens de 20 a 29 anos

Dados mostram que avanço da doença está descendo as faixas etárias, atingindo em cheio a cadeia de produção econômica

Renato Souza
postado em 10/04/2021 17:45

Um novo boletim, divulgado neste sábado (10/4), pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) aponta que a covid-19 avançou rapidamente no Brasil entre janeiro e março deste ano e que a doença tem capacidade de mudar a configuração da população brasileira.

De acordo com o levantamento, no período, o número de casos aumentou 701,58%, e o de mortes saltou 468,57%. A gravidade da situação também fica evidente ao se analisar a densidade da população em geral. Dados do Portal da Transparência revelam que, pela primeira vez na história do país, a região Sudeste teve um mês de março com mais mortes que nascimentos.

O levantamento da Fiocruz revela que a covid-19 avança entre a população mais jovem. Entre a faixa etária de 30 a 39 anos, o número de casos aumentou 1.218,33%, e 1.217,95% entre quem tem de 40 a 49 anos. Entre quem tem de 20 a 29 anos, fase que abrange o final da adolescência até a fase de adulto jovem, a letalidade aumentou 872,73%. 

Além de atingir em cheio a força de trabalho, a doença avança sobre a população em plena fase reprodutiva. As regiões Sul e Centro-Oeste vêem a piora rápida na situação da pandemia.

Recuo inédito 

Pela primeira vez na história, a população brasileira começa a reduzir. A pandemia de covid-19 já provoca mais mortes que nascimentos em diversos estados.

No Sul do Brasil, dados da Associação Brasileira de Registradores de Pessoas Naturais (Arpen/Brasil), que reúne informações de todos os registros de nascimentos, óbitos e casamentos do país desde 2015, aponta que houve recuo na quantidade de habitantes. Até a última quinta-feira, foram 34.211 nascimentos na região, contra 34.459 óbitos registrados no sistema. Isso significa que os estados do Sul perderam 248 habitantes no mês de março deste ano.

O problema é muito mais grave se analisados os dados em geral. Em março do ano passado, nasceram 28.820 e outras 15.762 pessoas morreram. Com isso, a população do Sul aumentou em 13 mil pessoas em apenas um mês, e agora tem um recuo inédito.

Especialistas avaliam que esse movimento pode se repetir em todo o país tanto em março, abril e nos próximos meses. Se a pandemia continuar avançando, a população brasileira poderá sofrer um colapso histórico e reduzir de uma maneira que levaria décadas para recuperar, ou entrar em uma redução permanente, como ocorre no Japão.

A pandemia trouxe para o presente um fenômeno que estava previsto para começar em 2043, onde o Brasil teria 235 milhões de pessoas e começaria a registrar redução da população.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE