CRIME

Preso suspeito de manter 11 funcionários em condições análogas à escravidão em Abadiânia

Fato ocorreu em fazenda de corta de eucalipto em Abadiânia; vítimas tiveram os documentos retidos e trabalhavam em troca de comida e estadia

Correio Braziliense
postado em 29/04/2021 18:11
 (crédito: PCGO/Divulgação)
(crédito: PCGO/Divulgação)

A Polícia Civil de Goiás (PCGO) prendeu em flagrante um homem, na zona rural de Abadiânia, que mantinha 11 funcionários em condições análogas à escravidão para o corte de eucalipto. As vítimas vieram do estado do Maranhão e trabalhavam em troca de estadia e alimentação. O homem teria, ainda, retido o documento de todos os funcionários com a falsa promessa de assinar as carteiras de trabalho.

A prisão ocorreu nesta segunda-feira (26/4), após uma denúncia anônima. Ao chegar no local, os agentes observaram que as 11 pessoas estavam trabalhando em situações degradantes, de segunda a segunda. Não havia equipamentos de proteção individual, água potável e nem pagamento de salários.

As vítimas relataram aos policiais que muitos trabalhavam no corte das árvores de chinelo. Além disso, o serviço também tinha que ser feito aos domingos para que pudessem garantir o almoço e o jantar do dia. O valor das refeições era cobrado posteriormente.

A corporação verificou, ainda, que nos alojamentos dos funcionários não havia camas. Eles todos dormiam amontoados em colchões no chão, alguns feitos apenas de espuma.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE