Infraestrutura

Usina Xavantes arremata lotes do Amazonas e Roraima em leilão de energia

A Usina Xavantes, que faz parte do grupo Oncorp, holding brasileira com acionistas norte-americanos, arrematou dois lotes

Fernanda Strickland*
postado em 30/04/2021 19:18 / atualizado em 30/04/2021 19:24
 (crédito: Brasal/Divulgação)
(crédito: Brasal/Divulgação)

Foi realizado nesta sexta-feira (30), o primeiro leilão de energia do ano, voltado para suprimento de sistemas isolados. Feito de forma virtual pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), o certame contratou suprimento para 23 localidades no Acre, Amazonas, Pará e Rondônia.

A Usina Xavantes, que faz parte do grupo Oncorp, holding brasileira com acionistas norte-americanos, arrematou dois lotes. O leilão foi fechado com deságio de 32%, com preço corrente de R$ 890/MWh. O lote é formado pelas localidades Anamã, Anori, Caapiranga, Codajás e Novo Remanso. A potência requerida nesse estado é de 8,707 MW. O contrato é de 180 meses para gás e fontes renováveis e de 60 meses para as demais. A vendedora foi a Usina Xavantes com gás natural.

O leilão foi fechado com deságio de 21% com preço corrente de R$ 989,97/MWh. O lote é formado pelas localidades Uiramutã, Pacaraima e Amajarí. A potência requerida nesse estado é de 5,696 MW. O contrato é de 180 meses para gás ou renovável e 60 meses para outras fontes. Nessa, novamente a Usina Xavantes, mas com solução a óleo diesel.

Os detalhes da operação ainda sigilosos. Mas o diretor da Oncorp e Ongás João Matos adianta que o transporte do gás no Amazonas não será por meio terrestre. Para ele o certame de hoje foi um sucesso. “Termos vencido esses lotes foi muito importante por dois fatores; isso segmenta a nossa já presença no sistema isolado, nós temos projetos no Amazonas e isso segmenta ainda mais nossa presença lá; e é importantíssimo para efeitos de transição da questão do combustível, porque vai ser o projeto a gás. No lote do Amazonas nós ganhamos um gás natural então isso é um importante símbolo de que, de fato, essa transição de combustível está começando a ocorrer.

Tem sinergia com o nosso projeto de Suape então é muito importante. E em relação a Roraima, o lote de Roraima também porque a Região Norte é uma área que nós já temos atuação e agrega ainda mais pro nosso portfólio, valendo ressaltar que a tecnologia que será utilizada nesse lote são tecnologias 100% desenvolvidas pelo grupo Oncorp, então; de fato, foi um dia muito bom, os acionistas foram muito bem sucedidos na estratégia de expansão e de agressividade nesse leilão de hoje”, comemora Matos.

*Estagiária sob a supervisão de Carlos Alexandre de Souza 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE