VÍTIMA DA COVID-19

Paulo Gustavo: "Eu faço palhaçada, você ri, eu fico com o coração preenchido aqui"

Mensagem de fim de ano do programa "220 volts" volta a ser compartilhada após morte de artista. Nela, Paulo Gustavo traz mensagem sobre cuidado durante a pandemia e diz que a máscara protege o rosto do vírus, mas "esconde algo muito precioso para nós brasileiros: o sorriso"

Sarah Teófilo
postado em 05/05/2021 00:28 / atualizado em 05/05/2021 00:34
 (crédito: Reprodução/TV Globo)
(crédito: Reprodução/TV Globo)

Em meio à tristeza pela morte do humorista, ator, diretor e apresentador Paulo Gustavo, uma mensagem feita pelo artista no especial de fim de ano do programa "220 volts" tem sido lembrada nas redes sociais. Paulo Gustavo morreu na noite desta terça-feira (4/5) vítima da covid-19, após 53 dias internado. Na mensagem, o artista pedia para que todos se cuidassem, e afirmou que ansiava voltar ao teatro e viajar pelo país.

"Eu faço palhaçada, você ri, eu fico com o coração preenchido aqui. Eu me sinto realizado de estar conseguindo te fazer feliz. Rir é um ato de resistência. A gente agora está precisando dessa máscara chata para proteger o rosto desse vírus e, infelizmente, essa máscara esconde algo muito precioso para nós brasileiros: o sorriso. Ele está tapado, tem que ficar tapado, mas ele existe, e ele não vai deixar de existir", disse.

 

O vídeo já vinha sendo lembrado por fãs há semanas. Nele, Paulo Gustavo exalta a importância da arte e do humor na vida das pessoas, e como isso ficou ainda mais claro durante a pandemia. "Esse ano serviu para mostrar que a gente não vive sem a graça, sem humor. O humor ele salva, transforma, alivia, cura, traz esperança para a vida da gente. essa pandemia também deixou bem clara a importância da arte nas nossas vidas. A gente não vai deixar de sorrir, não vai deixar de ter esperança. um ano novo vem aí com novos desafios, mas com a promessa da gente poder sair na rua de novo", afirmou.

Na ocasião, o artista recomendou que todos cuidassem de si, de suas famílias, de pessoas próximas, e das distantes também, enquanto o país esperava a chegada da vacina contra a covid-19 não chegava.

"Enquanto essa vacina tão esperada não chega para todo mundo, é bom lembrar que contra preconceito, intolerância, a mentira, a tristeza, já existe vacina: é o afeto, é o amor. Então, diga o quanto você ama quem você ama. Mas não fica só na declaração não, gente. Ame na prática, na ação. Amar é ação, amar é arte. Muito amor gente. Até logo", ressaltou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE