SAÚDE

Especialistas defendem: benefícios superam riscos da imunização

Reações adversas das vacinas contra a covid-19 desmotivam parte da população. Especialistas, contudo, refutam as críticas e lembram que os sintomas da doença são, muitas vezes, ainda piores do que os possíveis efeitos causados pela aplicação

Maria Eduarda Cardim
Gabriela Bernardes*
postado em 16/05/2021 06:00
 (crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)
(crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)

As vacinas ganharam atenção especial desde o início da pandemia do novo coronavírus, que já matou mais de 430 mil brasileiros. Apesar de grande parte da população, cerca de 84%, segundo a última pesquisa Datafolha, afirmar que pretende tomar o imunizante, uma parte da sociedade questiona pontos como as reações adversas das vacinas para elencar motivos que baseiam a decisão de não ir ao posto de saúde receber as doses. Especialistas refutam as críticas e lembram que os sintomas da doença são, muitas vezes, ainda piores do que os possíveis efeitos causados pela aplicação.

-
- (foto: -)

A insegurança se agravou em razão da morte de uma mulher grávida de 35 anos por acidente vascular cerebral hemorrágico após ter tomado a vacina da Oxford/AstraZeneca, no Rio de Janeiro. O caso está sob investigação e não há comprovação da relação entre a aplicação do imunizante e o episódio de trombose. Mas, por precaução, o Ministério da Saúde suspendeu temporariamente a aplicação das vacinas contra covid-19 em gestantes e puérperas (período que começa no parto e pode se estender por 45 dias ou mais) sem comorbidades. Segundo a pasta, a imunização de grávidas e puérperas com comorbidades só deve ser feita com a Pfizer ou com a CoronaVac.

“O fato de o Ministério da Saúde ter suspendido a vacinação em grávidas sem comorbidades não significa que é para as pessoas pararem de se vacinar”, alerta Anna Christina Tojal, infectologista do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto. Pelo contrário, “é para as pessoas continuarem se vacinando conforme a orientação da pasta”. Segundo ela, o benefício da vacina é muito maior do que um efeito adverso, por evitar o adoecimento, agravamento ou morte em decorrência da doença.

Independentemente da vacina, os efeitos adversos de uma imunização são leves e moderados. Dor no local da aplicação, vermelhidão, dor no corpo, febre e dor de cabeça são efeitos que a maioria das vacinas têm. Eventos adversos graves são muito mais raros. “O risco de morrer pela covid-19 é maior do que por eventos adversos graves de uma vacina”, afirma Tojal. “Estamos sob um risco muito alto de ter a doença. Existem muitas variantes do vírus, que são mais transmissíveis, porque o número de pessoas infectadas é muito grande, e aquele efeito rebanho que pensámos que poderia existir, não existe”.

A especialista ressalta ainda que o evento adverso grave por causa da vacina contra covid-19 é muito menor do que os riscos de trombose, por exemplo, em mulheres que usam anticoncepcional ou fumantes.

Maria Isabel de Moraes Pinto, infectologista da Dasa, explica que todo e qualquer imunizante pode causar desconfortos. “Não existe vacina 100% segura, como não existe antibiótico 100% seguro. Qualquer cirurgia não é 100% segura. É difícil, às vezes, para a população, entender que a gente põe em uma balança os riscos e os benefícios. Então, sem dúvida alguma, os benefícios superam os riscos das vacinas”, afirma.

Sintomas mais comuns

É assim, também, com as vacinas mais comuns que fazem parte da vida dos brasileiros há anos. Como, por exemplo, o imunizante contra a febre amarela e a gripe, que podem causar efeitos colaterais, mas são extremamente úteis na hora de proteger a sociedade das respectivas doenças. Na vacina da febre amarela, mais de 10% dos pacientes imunizados chegam a apresentar dor de cabeça e dor no corpo. Outras reações comuns, que acontecem entre 1% e 10% dos pacientes, são enjoo, febre e dor local da aplicação.

Como resposta aos componentes da injeção, o corpo pode apresentar sintomas, como dor e inchaço no local da aplicação, dor de cabeça e até febre. Em casos raros, certos imunizantes podem desencadear eventos adversos mais graves. “O objetivo da vacina é justamente você receber uma vacina que combata um vírus ou uma bactéria “monstro”. Para desenvolver uma resposta, você recebe um vírus ou uma bactéria atenuados (sem capacidade de reproduzir a doença). Então, são sempre uma resposta e uma exposição menos arriscada do que a própria doença”, explica a especialista.

Márcia Carvalho, 61 anos, tomou a primeira dose da Oxford/AstraZeneca há 15 dias e sentiu reações ao imunizante. Dor de cabeça, febre e até enjoo foram as principais queixas da aposentada. O marido, que tomou no mesmo dia, observou sensações mais brandas, conta, como dor no braço vacinado e um pouco de dor no corpo. Segundo especialistas, a reatividade depende muito das características de cada metabolismo, logo, variam de pessoa para pessoa.

O objetivo dos estudos clínicos realizados antes da aprovação dos imunizantes é justamente expor as reações mais comuns relatadas pelos voluntários. A infectologista da Dasa também esclarece que não há relação alguma entre os eventuais efeitos colaterais de um imunizante e sua eficácia: “Você pode ter tanto uma vacina que é pouco eficaz e muito reatogênica (provoca mais reações), quanto vacinas muito eficazes e muito seguras”.

Colaborou Maíra Nunes

Segunda dose de esperança

Apesar de ter experimentado reações um pouco mais intensas com a aplicação da vacina da covid-19 se comparadas com os efeitos de outros imunizantes que toma normalmente, como o da gripe, a aposentada Márcia Carvalho se diz ansiosa para tomar a segunda dose e garante não temer qualquer efeito colateral. “Estou super na expectativa porque me aposentei recentemente e esperava viajar bastante, mas veio a pandemia. Vou tomar a segunda dose em julho e espero realmente ficar mais tranquila, mais protegida e poder sair com um pouco mais de tranquilidade”, diz.

Quem também aguarda a segunda dose para finalmente se declarar imunizada contra a covid-19 é a funcionária pública da saúde aposentada Maria Aparecida Alves, 63 anos. Cida, como é conhecida, trabalhou durante anos em salas de vacinação e sabe bem os efeitos que os imunizantes podem causar. Ao tomar a primeira dose da AstraZeneca, produzido pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) no Brasil, ela apresentou dores no corpo. “Parecia que ia ficar gripada, mas, como trabalhei na área de saúde, já sabia de todas as reações vacinais”.
E ela reforça: “Isso é normal. A população não tem que escolher qual imunizante quer tomar. As pessoas têm que ir no posto e ter garantia que há uma vacina para tomar”. Cida se diz aliviada por estar ao menos 50% imunizada, já que falta a segunda dose para completar o esquema vacinal contra a covid-19.

A infectologista da Dasa Maria Isabel de Moraes Pinto concorda com a agente de saúde pública aposentada e faz um apelo. “Precisamos convencer as pessoas de que, sim, existe risco, mas isso não pode nos fazer abandonar tudo. Por exemplo, você pode tomar um antibiótico e ter uma alergia? Pode. Mas, se você não tomar o antibiótico e tiver uma infecção, essa infecção pode se generalizar e levar a problemas piores. Então, quando a pessoa se recusa a tomar uma uma vacina pensando no risco de um evento adverso, ela está se esquecendo de todos os outros riscos a que ela vai se expor, se tiver a doença”, alerta.

*Estagiária sob a supervisão de Andreia Castro

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE