Vacinação contra covid-19

Butantan paralisa produção da CoronaVac e só deve receber IFA no dia 26

Com a chegada dos insumos na próxima semana, o diretor do instituto, Dimas Covas, acredita que será possível voltar a fazer novas entregas da vacina ao governo federal a partir de 15 de julho

Maria Eduarda Cardim
postado em 18/06/2021 15:30 / atualizado em 18/06/2021 15:34
 (crédito: Miguel SCHINCARIOL/AFP- 19/4/21 )
(crédito: Miguel SCHINCARIOL/AFP- 19/4/21 )

Após entregar mais 2,2 milhões de doses da vacina CoronaVac, as últimas produzidas a partir do lote de insumos recebido ainda em maio, o Instituto Butantan paralisou a produção do imunizante contra a covid-19, e aguarda o recebimento de mais uma remessa do ingrediente farmacêutico ativo (IFA), importado da China. Segundo o governador de São Paulo, João Doria, o novo carregamento de insumos só deve chegar ao Brasil na próxima semana, em 26 de junho.

“Nós vamos receber agora, no próximo dia 26, portanto na semana que vem, 6 mil litros do IFA, insumo para a vacina CoronaVac, a vacina do Butantan. Isso significa 10 milhões de doses da vacina”, informou Doria na entrega das 2,2 milhões de doses da vacina ao Ministério da Saúde.

Ainda segundo ele, o Butantan fará um esforço para tentar reduzir em pelo menos 2 dias o tempo necessário para a produção dessas novas doses. “Lembrando que o Butantan já trabalha 24 horas por dia, em quatro turnos, mas ainda assim Dimas Covas e a sua equipe tentaram antecipar pelo menos em 48 horas”, completou.

Normalmente, o Butantan precisa de cerca de 20 dias para produzir a CoronaVac a partir da chegada dos insumos. A produção da vacina passa pelos processos de envasamento, rotulação e checagem dos lotes. Com a chegada do IFA em 26 de junho, o diretor do instituto, Dimas Covas, acredita ser possível fazer novas entregas da CoronaVac ao governo federal no mês que vem.

"A partir de 15 de julho, nos pretendemos iniciar a distribuição desse lote [de 10 milhões de doses]", informou Covas. Ao todo, o instituto paulista já entregou 52,2 milhões de doses da CoronaVac.

Desde o início da produção do imunizante no país, o Butantan precisou paralisar o processo mais de uma vez devido a falta de insumos, que são importados da China

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE