Benefício

Auxílio emergencial mineiro: Zema diz que muitos vão usar dinheiro em "boteco"

Governador anunciou nesta segunda (4/10) que iniciará, no dia 14/10, o pagamento do Auxílio Emergencial Mineiro para famílias em situação de extrema pobreza

Estado de Minas
postado em 05/10/2021 21:38
 (crédito: Edésio Ferreira/EM/DA Press)
(crédito: Edésio Ferreira/EM/DA Press)

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), afirmou que parte da população vai usar de forma inadequada o Auxílio Emergencial Mineiro de R$ 600. “Vão para o bar, para o boteco”, afirmou o chefe do Executivo mineiro na segunda-feira (4/10). 

Zema anunciou ontem que iniciará, no próximo dia 14, o pagamento do Auxílio Emergencial Mineiro para famílias em situação de extrema pobreza no estado. O recurso será repassado em parcela única e destinado a pouco mais de 1 milhão de famílias.

O recurso será concedido para amenizar os efeitos da crise econômica e social causada pela pandemia de COVID-19. Não é necessário nenhum cadastro, já que o benefício será concedido a pessoas já inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico).

O benefício contempla mineiros com renda per capita de até R$ 89, conforme base de dados do CadÚnico.

Ao falar sobre o assunto, o governo de Minas citou o uso inadequado do dinheiro por parte da população. “Nós sabemos que, infelizmente, muitas pessoas ao receberem esse dinheiro não fazem uso adequado do mesmo, vão para o bar, para o boteco, e ali já deixam uma boa parte ou quase a totalidade do que receberam. Então, se ele [auxílio] fosse pago de forma parcelada, muito provavelmente a sua efetividade social teria sido maior”, disse.

O pagamento do auxílio ocorre após sanção de lei por parte de Zema, após aprovação de um projeto de lei proposto pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE