Cúpula do clima

Quem é Txai Suruí, a indígena que falou na COP-26

Txai Suruí discursou anteontem na abertura da 26ª da Cúpula do Clima em Glasgow, na Escócia

Agência Estado
postado em 03/11/2021 08:42
 (crédito: Arquivo pessoal)
(crédito: Arquivo pessoal)

Os indígenas Paiter Suruí comemoravam o ritual Mapimaí, que festeja a criação do mundo, quando o líder Almir Suruí pôs a filha de seis anos em cima de um tronco de árvore e anunciou que ela seria uma grande líder indígena. No centro do tronco, estava Txai Suruí, na época uma criança que já acompanhava os pais nas excursões pela floresta para defender o território.

Dezoito anos após o anúncio do seu pai, Txai Suruí discursou anteontem na abertura da 26ª da Cúpula do Clima em Glasgow, na Escócia. Em dois minutos, ela citou os ensinamentos do pai em ouvir a natureza, disse que os indígenas possuem "ideias para adiar o fim do mundo" (título de um dos livros de Ailton Krenak) que devem ser ouvidas e encerrou o discurso com um verso de A vida é desafio, dos Racionais MCs: "É necessário sempre acreditar que o sonho é possível".

O discurso foi feito diante de mais de 100 chefes de Estado. Aos 24 anos, Txai foi a única indígena da América Latina e única brasileira na abertura da COP-26, ao lado de líderes como o presidente americano Joe Biden e o premiê britânico Boris Johnson. "Os líderes precisam saber que o que estamos vivendo na Amazônia também é responsabilidade deles", disse ela.

LUTA

Filha do cacique Almir Suruí e da indigenista Neidinha Suruí - duas das lideranças indígenas mais conhecidas no País -, Txai aprendeu a importância de defender o território dos povos da floresta. Desde criança, ela vê os pais ameaçados de morte por garimpeiros e grileiros que invadem terras indígenas.

Em 2012, as ameaças contra os pais de Txai se tornaram tão graves que a família precisou andar escoltada pela Força Nacional. Na época, se sentia uma prisioneira. "Ela dizia que preferia morrer do que estar o tempo todo com a polícia, porque aquilo não era liberdade e não era justo viver assim por defender o território", relembrou a mãe, Neidinha Suruí.

Nos últimos anos, as tensões entre indígenas e invasores de terras (em sua maioria, grileiros e garimpeiros) voltaram a aumentar. O pai de Txai, o cacique Almir Suruí, chegou a ser alvo de inquérito da Polícia Federal por causa de críticas ao governo federal - foi arquivado depois. Já o amigo de infância, Ari Uru-Eu-Wau-Wau, foi assassinado em 2020. "O Brasil precisa mudar radicalmente se quiser salvar o planeta", disse Txai.

ATUAÇÃO

A violência não intimida Txai, que costuma ir a áreas de conflitos entre indígenas e grileiros. Como estudante de Direito, atua no núcleo jurídico da Associação de Defesa Etnoambiental - Kanindé, para povos da Amazônia. No início do ano, também criou o Movimento de Juventude Indígena de Rondônia, que reúne mais de 1,7 mil jovens. A formação de Txai, porém, não se encerra na sabedoria dos povos indígenas. Uma das suas referências são os Racionais MCs. Na infância, ouvia artistas consagrados como Chico Buarque e Milton Nascimento.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

CONTINUE LENDO SOBRE