Vacinação contra covid-19

Anvisa aprova uso da CoronaVac para crianças e adolescentes de 6 a 17 anos

Aprovação atende em parte o pedido do Instituto Butantan, que pedia autorização do órgão regulador para aplicação do imunizante em crianças a partir de 3 anos

Maria Eduarda Cardim
postado em 20/01/2022 13:33 / atualizado em 21/01/2022 16:09
 (crédito: Daniel Munoz/AFP)
(crédito: Daniel Munoz/AFP)

A diretoria colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou, nesta quinta-feira (20/1), por unanimidade, o uso emergencial da vacina contra a covid-19 CoronaVac em crianças e adolescentes de 6 a 17 anos (não imunocomprometidas). A aprovação atende, em parte, o pedido do Instituto Butantan feito em dezembro do ano passado para aplicação do imunizante em crianças a partir de 3 anos.

Ao atender apenas parte do pedido do Butantan, a agência reguladora justificou que ainda faltam dados clínicos da aplicação da vacina na faixa etária de 3 a 5 anos para que seja possível a liberação para este público.

"Devido a uma maior escassez de dados clínicos quando comparada aos outros subgrupos e as limitações nos dados de farmacovigilância, as incertezas quanto ao perfil de segurança ainda são evidentes", explicou a diretora relatora Meiruze Freitas.

A diretora relatora indicou ainda que, até o momento, não há alternativa terapêutica aprovada e disponível para tratar a covid-19 voltada para o público pediátrico. Dessa forma, o acesso deste público às vacinas contra covid-19 se faz ainda mais necessário.

"O acesso às vacinas e à proteção que elas podem conferir é questão de segurança nacional, beneficiando diretamente as crianças e os adolescentes, mas também os profissionais de saúde e da educação, a comunidade e a saúde geral de nosso país", declarou Meiruze.

Área técnica

A aprovação da CoronaVac para parte da população pediátrica ocorreu após avaliação das áreas técnicas da agência. Depois da análise, a Gerência-Geral de Medicamentos e Produtos Biológicos da Anvisa afirmou que "a totalidade das evidências científicas disponíveis sugerem que há benefícios e segurança para utilização da vacina na população pediátrica".

Com isso, a indicação da Anvisa é de que a aplicação do imunizante seja limitada a crianças de 6 a 17 anos no esquema de duas doses com intervalo de 28 dias entre elas, assim como é feito na vacinação de adultos com a mesma vacina.

A Gerência-Geral de Medicamentos e Produtos Biológicos indicou ainda que a vacina aplicada em crianças seja de mesma formulação do que a utilizada em adultos. Além disso, deve ser utilizada também a mesma dose e a mesma posologia.

O gerente-geral de Medicamentos e Produtos Biológicos da Anvisa, Gustavo Mendes, explicou que crianças imunocomprometidas não devem tomar a vacina CoronaVac já que estas precisam de uma "atenção especial".

Segundo pedido

A CoronaVac já é aplicada em adultos no Brasil desde janeiro do ano passado, quando o imunizante obteve autorização de uso emergencial pela Anvisa. Este é o segundo pedido feito pelo Butantan para que a aplicação da vacina possa ser feita também no público pediátrico.

O primeiro, feito em julho de 2021, foi negado pela Anvisa "por causa da limitação de dados dos estudos apresentados naquele momento". No Brasil, já está autorizado o uso da vacina da Pfizer em crianças a partir de 5 anos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE