Direitos Humanos

Brasil registra queda em mortes de trans, mas continua com a maior taxa do mundo

Relatório divulgado na véspera do Dia Nacional da Visibilidade Trans aponta que 140 pessoas trans foram assassinadas em 2021; a mais nova delas tinha apenas 13 anos

Thays Martins
postado em 28/01/2022 10:02
 (crédito: reprodução)
(crédito: reprodução)

Pelo menos 140 transexuais e travestis foram assassinados em 2021 no Brasil. O número apresenta uma queda de 20% em relação a 2020, porém, o Brasil continua sendo o país que mais mata pessoas trans no mundo, é que mostra um levantamento feito pela Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) divulgado nesta sexta-feira (28/1), na véspera do Dia Nacional da Visibilidade Trans, celebrado neste sábado (29/1).  O relatório existe há cinco anos e é o único que contabiliza o assassinato de pessoas trans no Brasil e foi entregue à Organização Pan-Americana da Saúde (Opas/OMS), em Brasília.

Os dados apontam que 81% das vítimas eram pessoas negras e, das 140, 135 eram travestis e mulheres transexuais e cinco homens trans e pessoas transmasculinas.

Em 2021, também foi registrada a morte da pessoa trans mais jovem em cinco anos de monitoramento: 13 anos. A vítima foi Keron Ravach, assassinada a pauladas no Ceará, no começo de 2021. Ela também foi a pessoa trans mais jovem a ser morta no mundo em 2021. 

Além disso, houve um aumento nas tentativas de homicídio. Foram 79 casos, contra 77 em 2020. De acordo com o relatório, pelo menos 72% dos assassinatos envolveram requintes de crueldade como o uso excessivo de violência. Pelo menos quatro das vítimas, foram queimadas vivas e em 54% dos casos as vítimas receberam golpes, socos, facadas e/ou tiros no rosto/cabeça, seios e genital.

O relatório destaca que o Brasil não tem promovido políticas públicas para proteger essa população. "O Brasil não tem assumido a proteção de raça (etnia e grupo) em suas ações governamentais, campanhas e políticas públicas, mesmo comprometendo-se nas assembleias da ONU e junto a outros órgãos internacionais", afirma. Como não há a contabilização oficial dos órgãos de segurança pública desses assassinatos, o dossiê faz a contabilização por informações coletadas em órgãos públicos, ONGs, reportagens e relatos de pessoas próximas das vítimas

De acordo com a ONG Transgender Europe, que faz o monitoramento mundial de casos, o Brasil continua como o país que mais mata pessoas trans do mundo, pelo 13° ano consecutivo.

De acordo com a ONG, a cada 10 assassinatos de pessoas trans, quatro ocorrem no Brasil. No monitoramento de 2021, a ONG registrou 125 assassinatos no Brasil até setembro, 65 no México e 53 nos Estados Unidos, países que aparecem na sequência.


 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE