Unidos, apesar de tudo

Mesmo com a pandemia e as dificuldades do isolamento social, os moradores, seguindo os protocolos sanitários, se mantiveram em contato, graças a eventos do Bloco H, na 210 Norte

Arthur de Souza
postado em 21/04/2022 00:01
 (crédito:  Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
(crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

A síndica do Bloco H da 210 Norte, Silvia Perez, 58 anos, idealizou — junto aos moradores do edifício — eventos que proporcionam uma melhor convivência e funcionam como uma válvula de escape para momentos difíceis, como a pandemia. Empatia, preocupação e interação. São essas as palavras que, talvez, possam definir a união entre Teresa Cristina, 59 anos, Silvia Perez e todos os moradores do Bloco H.

As duas vizinhas entram em cena como as principais cabeças por trás de eventos que acontecem no prédio, que são criados com a intenção de gerar mais aproximação entre os moradores. Apesar de não ter mais residência no edifício, Silvia se mantém como síndica, com aprovação dos vizinhos, e conta que a primeira ideia surgiu quando ainda morava na quadra. "Há algum tempo, fiz uma iniciativa que se chamava 'entre vizinhos', e era justamente com a pretensão de estimular os moradores a se conhecerem e conviverem", comenta.

"Nós fazíamos a preparação para os eventos, decidindo sobre decoração e o que seria servido, por exemplo. Isto já era algo muito positivo, porque as pessoas acabavam se conhecendo durante as reuniões e amizades acabaram sendo feitas", relembra. Teresa, que ainda mora no edifício, é uma das que criou amizades com os primeiros eventos. "Uma vizinha do meu andar foi embora para Curitiba, mas mantemos a amizade até hoje. Também teve uma professora belga, que veio para cá fazer doutorado na Universidade de Brasília (UnB) e acabei criando uma boa relação", relembra.

Aproximação essencial

Com a pandemia, Silvia diz que todos os moradores passaram a se preocupar uns com os outros, momento em que tiveram a ideia de criar mais um evento, para manter a interação, mesmo em um momento de pouco contato. "Além de imprimir algumas rotinas, como fazer telefonemas, tivemos a ideia de fazer o "troca-troca" de livros, em 2021, que foi muito bem aceito por todos", frisa. Teresa lembra que foi tudo feito no improviso. "Conseguimos uma base de madeira e colocamos os livros nela, dividindo de acordo com o tema de cada um, tudo no protocolo de segurança sanitária. Quem pegava o livro, não tinha a obrigação de devolver e, o saldo que ficou, nós doamos. Passaram por aqui, cerca de 400 títulos diferentes", destaca.

Para Silvia, o evento foi muito significativo. "A gente via pessoas que nunca tinham saído de casa, desde o começo da pandemia, descer com um livro e voltar com outro. Isso me fez pensar que os moradores estavam receptivos a buscar algum tipo de integração", pondera. "É muito importante porque, principalmente durante a pandemia, a tensão foi tão grande, que vimos muitas brigas entre pessoas que moram próximas e, esse tipo de ação, diminui muito o atrito. Foi algo bastante legal, pois estávamos em um momento difícil, tudo fechado e, de repente, acha-se um jeito de fazer a interação entre os vizinhos", considera Teresa.

Outros eventos

As duas reforçam que não foi só o troca-troca de livros que teve êxito nas intenções de integrar. "No carnaval que antecedeu a pandemia, em 2020, eu e a Silvia bolamos uma decoração. Fomos em Taguatinga comprar os adereços e, enquanto estávamos arrumando, o pessoal passava e se empolgava, perguntando o que iria acontecer", detalha Teresa, que brinca afirmando que "a grande vantagem de fazer um evento como esse, no pilotis do prédio, é que o pessoal não precisou se preocupar com blitz (risos)".

"Esse ano, no feriado de carnaval, com as pessoas vacinadas e tendo menor receio de sair de casa, tivemos a ideia de fazer um evento de habilidades pandêmicas. Cada um trazia algo que aprendeu e/ou aprimorou nesses dois anos de isolamento. E acabou virando um sarau, teve até violino", lembra. Silvia revela que mais uma iniciativa de integração deve acontecer em breve, também com a essência da troca entre os moradores. "Qualquer coisa que a pessoa tenha e não queria mais, ela poderá trazer para doar. Sempre na intenção de propiciar a integração, pois, se a gente conseguir que duas pessoas, pelo menos, participem, já é algo interessante", torce.

Além disso, a síndica do bloco comenta que, devido ao sucesso que os eventos fizeram, existe um planejamento para criar uma espécie de cronograma. "A ideia é tentar propiciar uma frequência maior nesses momentos de interação, para aproximar mais os vizinhos. Até porque, eles são as pessoas mais próximas que a gente tem aqui", reforça.

Efeito positivo

Quem aproveitou os eventos foi a advogada Marta Simone do Carmo, 47. "As interações foram de grande ajuda. Na pandemia, também estava receosa em sair de casa e, agora nesse período mais ameno, trazer essa possibilidade de confraternização entre vizinhos novamente, é algo que faz a gente se sentir vivo outra vez", afirma Marta.

Para ela, o bloco onde mora contribui para a criação desse tipo de iniciativa. "Penso que existe uma coisa muito especial. Todos têm uma preocupação muito grande em fazer essa troca, essa conversa", considera a moradora. A advogada afirma que participar dos eventos foi uma experiência única. "Agregou muito na questão da valorização da convivência entre vizinhos, na amizade e na solidariedade. Além disso, quando colocamos os registros nos grupos, faz com que outros também se interessem em participar", aponta.

 

 

  •  08/04/2022 Crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press. Brasil. Brasilia - DF -  Caderno aniversário de Brasília, moradoras organização a interação entre os visinhos como festa de carnaval e troca de livros no bloco H da 210 Norte. Marta Simone do Carmo (calça jeans escura), Teresa Cristina Machado (camisa preta) e Silvia Perez Lucas Oliveira (vestido).
    08/04/2022 Crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press. Brasil. Brasilia - DF - Caderno aniversário de Brasília, moradoras organização a interação entre os visinhos como festa de carnaval e troca de livros no bloco H da 210 Norte. Marta Simone do Carmo (calça jeans escura), Teresa Cristina Machado (camisa preta) e Silvia Perez Lucas Oliveira (vestido). Foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
  •  08/04/2022 Crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press. Brasil. Brasilia - DF -  Caderno aniversário de Brasília, moradoras organização a interação entre os visinhos como festa de carnaval e troca de livros no bloco H da 210 Norte. Marta Simone do Carmo (calça jeans escura), Teresa Cristina Machado (camisa preta) e Silvia Perez Lucas Oliveira (vestido).
    08/04/2022 Crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press. Brasil. Brasilia - DF - Caderno aniversário de Brasília, moradoras organização a interação entre os visinhos como festa de carnaval e troca de livros no bloco H da 210 Norte. Marta Simone do Carmo (calça jeans escura), Teresa Cristina Machado (camisa preta) e Silvia Perez Lucas Oliveira (vestido). Foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
  •  08/04/2022 Crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press. Brasil. Brasilia - DF -  Caderno aniversário de Brasília, moradoras organização a interação entre os visinhos como festa de carnaval e troca de livros no bloco H da 210 Norte. Marta Simone do Carmo (calça jeans escura), Teresa Cristina Machado (camisa preta) e Silvia Perez Lucas Oliveira (vestido).
    08/04/2022 Crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press. Brasil. Brasilia - DF - Caderno aniversário de Brasília, moradoras organização a interação entre os visinhos como festa de carnaval e troca de livros no bloco H da 210 Norte. Marta Simone do Carmo (calça jeans escura), Teresa Cristina Machado (camisa preta) e Silvia Perez Lucas Oliveira (vestido). Foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE